O 25 de  Abril de 1974
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

O 25 de Abril de 1974

on

  • 31,678 views

Trabalho realizado pelo Bernardo e pelo Giovanni (6.º B) para a disciplina de História e Geografia de Portugal.

Trabalho realizado pelo Bernardo e pelo Giovanni (6.º B) para a disciplina de História e Geografia de Portugal.

Statistics

Views

Total Views
31,678
Views on SlideShare
31,635
Embed Views
43

Actions

Likes
0
Downloads
377
Comments
2

4 Embeds 43

http://www.slideshare.net 35
http://clubehgp.blogspot.com 5
http://futurista1.blogspot.com 2
http://megaprojecto1.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Está muito fraco, não gosto.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Peco desculpa, mas esta fraquinho
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

O 25 de  Abril de 1974 O 25 de Abril de 1974 Presentation Transcript

  • O 25 de Abril de 1974 História e Geografia de Portugal 2006/2007
  • Ditadura Militar Estado Novo A Ditadura Militar instituída em 28 de Maio de 1926 deu origem ao Estado Novo de Salazar. Quando este deixou a chefia entregou-a a Marcello Caetano que herdou uma guerra colonial e um país sem liberdade.
  • Sem solução, os militares profissionais encetam movimentações de carácter corporativo que se transformam em reivindicações políticas, acabando por encarar como última saída o derrube do regime pela força.
  • A revolução dos Cravos Na noite de 24 para 25 de Abril, o Rádio Clube Português e a Rádio Renascença emitem duas canções que iriam ser recordadas: “ E Depois do Adeus”, interpretada por Paulo de Carvalho e “ Grândola, Vila Morena”, interpretada por José Afonso, desencadeando as operações militares.
  • Em perfeita coordenação, elementos envolvidos na conspiração, ocuparam as respectivas unidades formando colunas de voluntários e, sem disparar um único tiro, tomaram os pontos estratégicos do país.
  •  
  • Com as forças fiéis ao Governo em desvantagem e na defensiva, apenas dois momentos de tensão se registaram naquela primeira fase, ambos em Lisboa: um encontro com o destacamento de blindados obediente ao Governo, que por pouco não resultou em acção de fogo, e horas mais tarde, quando Salgueiro Maia manda abrir fogo contra as paredes exteriores do quartel do Carmo (da GNR), como forma de persuadir Marcello Caetano, lá refugiado, a render-se.
  • O chefe do Governo acaba por se render e passar o poder para as mãos do general António de Spínola e a tensão desce. Só um incidente iria manchar os acontecimentos: agentes da DGS, barricados na sua sede, abrem fogo sobre os manifestantes causando alguns mortos e feridos. Apesar da sua brutalidade, não passou de um acto de desespero.
  • Tal como a Monarquia em 5 de Outubro de 1910 e a República em 28 de Maio de 1926, o regime cai por já não ter ninguém que o defenda e queira dar a vida por ele.
  • VIVA A LIBERDADE
  • Trabalho realizado por : Bernardo Simão nº4 Giovanni Borges nº9