Your SlideShare is downloading. ×
Cad. 1   alcindo guanabara
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Cad. 1 alcindo guanabara

83
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
83
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Grande Oriente do Brasil no Rio de Janeiro Academia Maçônica de Artes, Ciências e Letras do Estado do Rio de Janeiro Fundada em 19 de novembro de 2004 Alcindo Guanabara Patrono da Cadeira nº. 01 Jornalista, político e tribuno brasileiro. Nasceu a 19/07/1865, em Magé, Estado do Rio deJaneiro e faleceu em 1918. Passou sua infância em São Fidelis, Monteverde, Paraíba do Sul eMangaratiba. Iniciado na Maçonaria em 05 de novembro de 1894; Inteligência viva, desde cedoadquiriu rudimentos de latim, professorados pelo vigário local, a quem acolitava a missa. Em1880, transferiu-se com a família para Petrópolis, onde foi admitido gratuitamente como interno,num dos melhores educandários da cidade serrana. De tal modo sobressaiu-se nos estudos que,após dois anos de preparos, ministrava matemática no colégio. Em 1884, matriculou-se naFaculdade de Medicina do Rio de Janeiro, mas não chegou a doutorar-se. A primeira folha areceber-lhe a colaboração foi a “Fanfarra”. Entretanto, interesses de ordem pública, impediram-no de prosseguir nesse posto. Falho de recursos financeiros, viu-se coagido a aceitar empregosde baixa classe, como: porteiro do Jóquei Clube, e, posteriormente, inspetor disciplinar num asilode meninos desamparados. Aí permaneceu, até fixar-se como redator da “Gazeta da Tarde”.Passou para “Novidades”, onde ganhou prestigio, advogando a causa da escravidão, sob opseudônimo de Nestor. Prevendo a queda da monarquia, emprestou, desde logo o calor de suapena ao “Diário do Comercio” e, em 1889 ao “Correio do Povo”, para a campanharepublicana. Homem de atitudes, protestou veementemente em 1891, contra o golpe de Estadodo Marechal Deodoro. Viajou para a Europa, como Diretor-Geral da Imigração. Superintendeu afolha “Republica”, e no quatriênio de Prudente de Morais, foi exilado para a Ilha de Fernandode Noronha. Desafeto de Presidente levantou, pelas colunas da “Tribuna”, colossal campanhacontra ele, batalhando pela eleição de Campos Salles, que o sucedeu. Redator político do “País”,abordou com superior critério, os assuntos de maior interesse para o Brasil. Publicou: “Historiada Revolta”. “A Presidência de Campos Sales”,. “Discursos Fora da Câmara”, etc. Foimembro fundador da Academia Brasileira de Letras.Bibliografia:“Vultos do Brasil” de Eli Behar)“Maçons e Maçonaria – Uma Analise”, de Frederico G. Costa