Cad. 1   alcindo guanabara
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
332
On Slideshare
332
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Grande Oriente do Brasil no Rio de Janeiro Academia Maçônica de Artes, Ciências e Letras do Estado do Rio de Janeiro Fundada em 19 de novembro de 2004 Alcindo Guanabara Patrono da Cadeira nº. 01 Jornalista, político e tribuno brasileiro. Nasceu a 19/07/1865, em Magé, Estado do Rio deJaneiro e faleceu em 1918. Passou sua infância em São Fidelis, Monteverde, Paraíba do Sul eMangaratiba. Iniciado na Maçonaria em 05 de novembro de 1894; Inteligência viva, desde cedoadquiriu rudimentos de latim, professorados pelo vigário local, a quem acolitava a missa. Em1880, transferiu-se com a família para Petrópolis, onde foi admitido gratuitamente como interno,num dos melhores educandários da cidade serrana. De tal modo sobressaiu-se nos estudos que,após dois anos de preparos, ministrava matemática no colégio. Em 1884, matriculou-se naFaculdade de Medicina do Rio de Janeiro, mas não chegou a doutorar-se. A primeira folha areceber-lhe a colaboração foi a “Fanfarra”. Entretanto, interesses de ordem pública, impediram-no de prosseguir nesse posto. Falho de recursos financeiros, viu-se coagido a aceitar empregosde baixa classe, como: porteiro do Jóquei Clube, e, posteriormente, inspetor disciplinar num asilode meninos desamparados. Aí permaneceu, até fixar-se como redator da “Gazeta da Tarde”.Passou para “Novidades”, onde ganhou prestigio, advogando a causa da escravidão, sob opseudônimo de Nestor. Prevendo a queda da monarquia, emprestou, desde logo o calor de suapena ao “Diário do Comercio” e, em 1889 ao “Correio do Povo”, para a campanharepublicana. Homem de atitudes, protestou veementemente em 1891, contra o golpe de Estadodo Marechal Deodoro. Viajou para a Europa, como Diretor-Geral da Imigração. Superintendeu afolha “Republica”, e no quatriênio de Prudente de Morais, foi exilado para a Ilha de Fernandode Noronha. Desafeto de Presidente levantou, pelas colunas da “Tribuna”, colossal campanhacontra ele, batalhando pela eleição de Campos Salles, que o sucedeu. Redator político do “País”,abordou com superior critério, os assuntos de maior interesse para o Brasil. Publicou: “Historiada Revolta”. “A Presidência de Campos Sales”,. “Discursos Fora da Câmara”, etc. Foimembro fundador da Academia Brasileira de Letras.Bibliografia:“Vultos do Brasil” de Eli Behar)“Maçons e Maçonaria – Uma Analise”, de Frederico G. Costa