Distinção entre : <br />Vila do Conde <br />e <br />Póvoa do Varzim<br />
Introdução<br />Neste trabalho propomo-nos apresentar os vários monumentos de cada localidade em estudo. <br />
Póvoa do Varzim<br />Cego do Maio <br /><ul><li>Cego do Maio arriscou a sua vida dezenas de vezes restituindo-a aos seus c...
As suas proezas heróicas mereceram, entre outras, o maior galardão nacional: o Colar da Ordem da Torre e Espada, do Valor,...
Monumento situado no Passeio Alegre, inaugurado em 1909 e construído por iniciativa dos poveiros no Brasil.
Homenagem ao heróico pescador José Rodrigues Maio nascido em 1817 e falecido a 1884.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br ...
É um apreciável exemplo do estilo românico do nosso país.
De construção pesada, feita de granito, tem poucas aberturas, uma delas, a rosácea, na parte superior da fachada.</li></li...
Esta igreja barroca ostenta, nos seus vários altares, uma talha dourada "Rocaille" impressionantemente rica.</li></li></ul...
Inaugurada em 28 de Dezembro de 1807, sofreu, entre 1908-10, profundas obras de ampliação e decoração orientadas pelo etnó...
A sua descoberta e escavação deu-se nos inícios do século XX pela mão de Rocha Peixoto e, desde 1980.
 No Museu Municipal existe um "Núcleo de Arqueologia" onde está em exposição o espólio mais significativo desta estação ar...
 Ponto panorâmico privilegiado, daqui se pode observar toda a região e notar-se a sua diversidade marítima, campesiana e u...
Aí estão instalados moinhos, alguns deles convertidos em residência de férias, a capela de S. Félix e a Estalagem do mesmo...
Na zona de Aguçadoura e Estela, os agricultores cavaram as dunas até próximo do nível freático (lençol de água) - o que pe...
Nos valados, cultiva-se a vinha.
Com este rebaixamento de reforçada                       </li></ul>    por sebes, de que resulta um aumento    <br />    t...
Póvoa do Varzim<br /><ul><li>É numa belíssima construção clássica, inaugurada em 1934, e concebida de raiz para a função q...
Elisio da Costa foi telegrafista da caça minas "Augusto de Castillo", morreu no seu posto de trabalho durante a guerra de ...
Elísio da Nova é para as gentes da Póvoa um símbolo de coragem e abnegação, cuja origem mergulha na vida dos seus irmãos p...
Representadas por esculturas de tamanho natural, estão aqui ilustradas seis dores de Nossa Senhora, estando a sétima no pr...
De assinalar também a Capela dos Fundadores, onde se encontram os seus túmulos, de estilo manuelino e o órgão rococó</li><...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Monumentos

1,769

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,769
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Monumentos

  1. 1. Distinção entre : <br />Vila do Conde <br />e <br />Póvoa do Varzim<br />
  2. 2. Introdução<br />Neste trabalho propomo-nos apresentar os vários monumentos de cada localidade em estudo. <br />
  3. 3. Póvoa do Varzim<br />Cego do Maio <br /><ul><li>Cego do Maio arriscou a sua vida dezenas de vezes restituindo-a aos seus companheiros e a tantos outros náufragos.
  4. 4. As suas proezas heróicas mereceram, entre outras, o maior galardão nacional: o Colar da Ordem da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito, insígnia que lhe foi colocada pessoalmente pelo Rei D. Luís I.
  5. 5. Monumento situado no Passeio Alegre, inaugurado em 1909 e construído por iniciativa dos poveiros no Brasil.
  6. 6. Homenagem ao heróico pescador José Rodrigues Maio nascido em 1817 e falecido a 1884.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Igreja românica de S. Pedro de Rates (Séc. XII/XIII )<br /><ul><li>Este templo teve na sua origem uma capela modesta da época da Reconquista.
  7. 7. É um apreciável exemplo do estilo românico do nosso país.
  8. 8. De construção pesada, feita de granito, tem poucas aberturas, uma delas, a rosácea, na parte superior da fachada.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Aqueduto (Séc. XVIII - Monumento Nacional)<br /><ul><li>Construção de 999 arcos que transportava a água das nascentes de Terroso para o mosteiro de Santa Clara de Vila do Conde. Construído de 1705 a 1714, atravessa as freguesias de Beiriz e Argivai.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Igreja Matriz (Séc. XVIII - Imóvel de Interesse Público)<br /><ul><li>Construção iniciada em 1743 e terminada em 1757, este é o templo mais antigo e significativo da cidade e marca a consolidação do crescimento do povoado.
  9. 9. Esta igreja barroca ostenta, nos seus vários altares, uma talha dourada "Rocaille" impressionantemente rica.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Paços do Concelho <br /><ul><li>A arcada da frontaria, desenhada em 1790-91 pelo Engº francês Reinaldo Oudinot, sugere a estrutura arquitectónica e decorativa da Feitoria Inglesa do Porto.
  10. 10. Inaugurada em 28 de Dezembro de 1807, sofreu, entre 1908-10, profundas obras de ampliação e decoração orientadas pelo etnólogo Rocha Peixoto e pelo pintor belga Joseph Bialman: torre e azulejamento interior e exterior do edifício.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Cividade de Terroso<br /><ul><li>Situa-se numa elevação com cerca de 153 m de altitude, onde se regista um longo período de ocupação (800/700 a.C. - séc. III d.C. ) e que forneceu já importantes elementos de estudo para a história dos povos castrejos e da implantação romana.
  11. 11. A sua descoberta e escavação deu-se nos inícios do século XX pela mão de Rocha Peixoto e, desde 1980.
  12. 12. No Museu Municipal existe um "Núcleo de Arqueologia" onde está em exposição o espólio mais significativo desta estação arqueológica.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Monte de S. Félix<br /><ul><li>Este é o ponto mais elevado da serra de Rates, 202 m de altura.
  13. 13. Ponto panorâmico privilegiado, daqui se pode observar toda a região e notar-se a sua diversidade marítima, campesiana e urbana.
  14. 14. Aí estão instalados moinhos, alguns deles convertidos em residência de férias, a capela de S. Félix e a Estalagem do mesmo nome.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Campos Masseira<br /><ul><li>Forma inteligente de aproveitamento das dunas onde, em pequenas explorações, praticando-se uma cultura intensiva, se obtêm excelentes produções hortícolas.
  15. 15. Na zona de Aguçadoura e Estela, os agricultores cavaram as dunas até próximo do nível freático (lençol de água) - o que permite um grau de humidade mais ou menos constante ao longo do ano.
  16. 16. Nos valados, cultiva-se a vinha.
  17. 17. Com este rebaixamento de reforçada </li></ul> por sebes, de que resulta um aumento <br /> térmico. Estes dois factores aliado<br /> (humidade e temperatura) fazem com que<br />funcionem como uma espécie de estufa.<br />
  18. 18. Póvoa do Varzim<br /><ul><li>É numa belíssima construção clássica, inaugurada em 1934, e concebida de raiz para a função que ainda hoje desempenha: espaço privilegiado de convívio e diversão, onde o jogo se associa à alegria dos espectáculos diários.</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Elísio da Nova <br /><ul><li>Monumento importante situado no largo do mesmo nome, inaugurado em 1963 construído pelo Clube Naval Povoense e pelo poveiro Rui Calafate.
  19. 19. Elisio da Costa foi telegrafista da caça minas "Augusto de Castillo", morreu no seu posto de trabalho durante a guerra de 1914/18.
  20. 20. Elísio da Nova é para as gentes da Póvoa um símbolo de coragem e abnegação, cuja origem mergulha na vida dos seus irmãos pescadores, protagonistas da "história trágico-marítima dos poveiros".</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Pelourinho de Rates ( Séc.xvi - Monumento Nacional ) e Antigos Paços do Concelho de Rates (1755) <br /><ul><li>Elementos simbólicos da autonomia administrativa que Rates manteve até 1836. Povoado antigo, S. Pedro de Rates era sulcado por importantes eixos viários (estrada romana, caminho de Santiago; ligações ao Porto, Viana, Braga, etc).</li></li></ul><li>Póvoa do Varzim<br />Nª Srª das DoresCapela de (Séc. XVIII - Imóvel de Interesse Público) <br /><ul><li>Este templo, de formato pentagonal e estilo barroco, data dos finais do séc. XVIII, embora só em 1866 tenha adquirido o aspecto actual com a conclusão das 6 pequenas capelas circundantes.
  21. 21. Representadas por esculturas de tamanho natural, estão aqui ilustradas seis dores de Nossa Senhora, estando a sétima no próprio altar-mor.</li></li></ul><li>Vila do Conde<br /> Igreja do Convento de Santa Clara e Túmulos dos Fundadores<br /><ul><li>O início das obras deste monumento religioso de características góticas, manuelinas, barrocas e rococó, verificou-se em 1318.
  22. 22. De assinalar também a Capela dos Fundadores, onde se encontram os seus túmulos, de estilo manuelino e o órgão rococó</li></li></ul><li>Vila do Conde<br />Igreja Matriz de Vila do Conde<br /><ul><li>Edifício tardo-gótico com elementos manuelinos, barrocos, neo-góticos, apresenta planta em cruz latina com três naves, transepto (com duas capelas) e cabeceira salientes.
  23. 23. A sua construção, de quinhentos, sofreu um impulso fundamental com a passagem de D. Manuel por Vila do Conde, em 1502, que definiu o traçado da planta, atribuiu um subsídio e criou um imposto para a mesma. </li></li></ul><li>Vila do Conde<br />Aqueduto de Vila do Conde<br /><ul><li>Inicialmente formado por 999 arcos, com cerca de 4 Km, é o segundo aqueduto mais extenso de Portugal.
  24. 24. Este canal artificial foi construído entre 1705 e 1714, desde o Convento de Santa Clara até à nascente (Terroso, Póvoa de Varzim), com o objectivo de levar água até ao chafariz do Mosteiro, através da sua arcatura. </li></ul>  <br />
  25. 25. Vila do Conde<br />Igreja Matriz de Azurara<br /><ul><li>Construída no século XVI, apresenta planta longitudinal, de três naves com diferentes alturas e capela-mor rectangular.
  26. 26. A fachada principal é ladeada por uma robusta torre rectangular e o pórtico manuelino é constituído por um arco de moldura lavrada e ladeado por colunas em espiral.
  27. 27. No interior a cobertura de madeira das naves é moderna.
  28. 28. De salientar o revestimento azulejar, o retábulo-mor em talha, as pinturas do século XVII e as siglas nas lages do pavimento interior, que se julga terem sido de pescadores azurarenses. </li></li></ul><li>Vila do Conde<br />Pelourinho<br /><ul><li>Mandado construir por deliberação camarária em 1538, encontra-se assente numa base octogonal.
  29. 29. O fuste é torcido em forma de corda, bem ao estilo manuelino.
  30. 30. Possui o brasão real no capitel.
  31. 31. Nas faces do pedestal do pelourinho há legendas inscritas alusivas às suas diversas localizações na cidade.
  32. 32. Construído para simbolizar a jurisdição municipal.</li></li></ul><li>Vila do Conde<br />Igreja Românica de S. Cristóvão de Rio Mau<br /><ul><li>Edifício de estilo românico, construído no século XII, é composto por nave e abside de planta rectangular.
  33. 33. A fachada principal apresenta o portal, encimado por uma cruz dos Templários.
  34. 34. No interior, a nave é coberta por tecto de madeira curva enquanto a cabeceira apresenta abóbada de berço, com restos de decoração vegetalista. </li></li></ul><li>Vila do Conde<br /><ul><li>Museus:
  35. 35. Casa de José Régio;
  36. 36. Museu das Rendas de Bilros;
  37. 37. Alfândega Régia-Museu da Construção Naval-Nau Quinhentista;
  38. 38. Museu dos Bombeiros;
  39. 39. Centro de Ciência Viva;
  40. 40. Museu de Arte Sacra;
  41. 41. Museu das Cinzas;
  42. 42. Museu do Mar;
  43. 43. Museu da Cooperativa Agrícola;
  44. 44. Centro de Memória. </li></li></ul><li>Conclusão<br />Com este trabalho podemos conhecer vários pontos históricos de cada uma das regiões e ficar a perceber melhor o que significa cada um dos monumentos para a cidade.<br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×