Your SlideShare is downloading. ×
0
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Catástrofes Naturais

1,374

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,374
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
40
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Catástrofes Naturais Grupo: Nº2 Ana Pinto Nº6 Bárbara Gonçalves
  • 2. Vida de uma trovoada <ul><li>A vida de uma trovoada ordinária tem normalmente 3 fases : </li></ul><ul><li>- Nascimento </li></ul><ul><li>- Maturidade </li></ul><ul><li>- Dissipação </li></ul>
  • 3. Nascimento <ul><li>Nascimento , em que se forma cumulonimbus (nuvens convectivas de trovoada que expandem verticalmente em até grandes altitudes com formas de montanha), surgem uma carga de água sem ainda a ocorrência de relâmpagos </li></ul>
  • 4. Maturidade <ul><li>Maturidade , o crescimento vertical atinge o seu máximo e os topos das nuvens ficam achatados. Normalmente isto acontece quando o ar ascendente encontra uma alteração de temperatura estável.Os ventos predominantes em altitude começam a espalhar membros a partir do topo das nuvens. As bases dianteiras ficam mais baixas e os relâmpagos começam a ocorrer em toda a extensão das nuvens. No interior das nuvens a agitação é intensa e irregular, com equilíbrio entre correntes ascendentes e descendentes. O peso das partículas de precipitação já é suficiente para contrariar as correntes ascendentes e começam a cair, arrastando o ar em volta. </li></ul>Á medida que as partículas de precipitação caem nas regiões mais quentes da nuvem, há ar seco do ambiente que entra na nuvem e pode originar a evaporação dessas partículas. A evaporação esfria o ar, tornando-o mais denso e «pesado». É todo este ar frio que cai através da nuvem com a precipitação que forma a corrente descendente de ar que, quando bate na superfície se pode espalhar, formando uma frente de rajada que vai deslocando e substituindo o ar mais quente da superfície por ar frio. Nesta fase a trovoada produz ventos fortes, relâmpagos e precipitação abundante.
  • 5. Dissipação <ul><li>Dissipação , as nuvens expandem-se para os lados em camadas e o ar frio substitui o ar quente da superfície, “desligando” os movimentos ascendentes da trovoada. Nesta fase a precipitação já é faca. </li></ul>
  • 6. Índice <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Tipos de Catástrofes Naturais </li></ul><ul><li>Furacões </li></ul><ul><li>Trovoada </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul><ul><li>Anexos </li></ul>
  • 7. Introdução <ul><li>Neste trabalho pretendemos relatar a importância de dois exemplos de catástrofes naturais: </li></ul><ul><li>-Furacões </li></ul><ul><li>-Trovoadas </li></ul>A palavra “furacão” tem origem entre os maias (povo que habitava a América Central antes da chegada dos conquistadores espanhóis, no final do século XV). De acordo com a mitologia maia, Huracan era o deus responsável pelas tempestades.
  • 8. Como se forma a trovoada? <ul><li>A trovoada é a combinação de relâmpago e trovão com ou sem precipitação . Os relâmpagos correspondem a descargas eléctricas que ocorrem dentro de uma nuvem, entre nuvens e a atmosfera ou entre uma nuvem e o solo. Essas descargas são visíveis com trajecto ondulante de ramificações irregulares e são produzidas devido às diferenças de potencial criadas na atmosfera. </li></ul>
  • 9. Curiosidades sobre a trovoada <ul><li>Podemos tirar partido do conhecimento da velocidade do som, cerca de 340 m/s a 10º C e à pressão normal: em cada cinco segundos o som viaja cerca de 1700 m (um pouco mais de uma milha). </li></ul><ul><li>O som do trovão mantém-se durante um certo tempo pois diferentes partes do raio (a base e o topo) encontram-se a distâncias diferentes do observador. Podemos, assim, ficar com uma ideia do comprimento do raio (medido em linha recta do topo até ao solo). </li></ul><ul><li>ma vez que o som e a luz se deslocam através da atmosfera a velocidades muito diferentes, pode estimar-se a distância da trovoada através da diferença de tempo entre o relâmpago (luz) e o trovão (som). A velocidade do som é de aproximadamente 332 m/s. A velocidade da luz é tão elevada (± 300 000 km/s) que pode ser ignorada nesta aproximação. Portanto, a trovoada estará a 1 km de distância por cada 3 segundos que passem entre o relâmpago e o trovão. </li></ul>
  • 10. O que é um Furacão? <ul><li> O furacão é uma forte tempestade que forma ventos extremamente rápidos. Na realidade, o furacão é um ciclone (uma depressão) de forte intensidade. </li></ul>
  • 11. Como são formados os Furacões? <ul><li>Quanto mais ar quente e húmido sobe, mais a temperatura diminui, o que ajuda a condensação do vapor em gotas de chuva para formar as nuvens. Quanto mais humidade e calor existirem, mais evaporação irá ocorrer, o que poderia provocar o surgimento de várias de tempestades. </li></ul>Os furacões formam-se depois dos raios do Sol baterem durante vários dias sobre o oceano, provocando o aquecimento da massa de ar situada perto do oceano.
  • 12. Curiosidades sobre Furacões <ul><li>No interior dos furacões, os ventos variam de 117 km/h a 300 km/h. Segundo a sua intensidade, o diâmetro do furacão pode atingir os 2.000 quilómetros e pode deslocar-se por vários milhares de quilómetros. Alguns se deslocam à velocidade de 20 a 25km/h, apesar da velocidade excessiva dos ventos que o fazem girar. </li></ul>
  • 13. O que é a trovoada? <ul><li>A trovoada é um facto atmosférico que se traduz </li></ul><ul><li>por descargas eléctricas, que se mostram por um clarão brusco e intenso, e por um ruído seco, quando está próxima, ou por um ruído surdo quando está longe. </li></ul><ul><li>Para uma trovoada se formar é necessário que exista </li></ul><ul><li>elevação de ar húmido numa atmosfera instável. </li></ul>
  • 14. Classificação dos Furacões <ul><li>Furacões são classificados em três grupos principais: depressões tropicais, tempestades tropicais, e um terceiro grupo cujo nome depende da região.   </li></ul>
  • 15. Tipos de Catástrofes Naturais <ul><li>1-Inundações 2-Cheias 3-Derrocadas 4-Aluimentos 5-Furacões 6-Secas 7-Desertificação 8-Vagas de calor http://geografiahelp.blogspot.com/2005/05/geografia-catastrofes-naturais.html 9-Vagas de frio 10- Avalanches 11-Sismos 12-Vulcões </li></ul>
  • 16. Trovoada As trovoadas são acontecimentos, não muito raros, que ocorrem quando o ar quente e húmido sobe em pouco tempo, e têm como aviso o céu bastante escuro .Apesar da relativa suavidade do nosso clima, o acontecimento inevitável e ás vezes inesperado de alterações meteorológica pode atingir mais ou menos gravemente pessoas e bens. Dentro das nuvens, bruscas correntes de ar geram fricção entre gotas de água e gelo, levando à formação e ao aglomeração de electricidade estática. No topo das nuvens acumulam-se as cargas eléctricas positivas e na zona inferior as negativas. Quando a acumulação de cargas negativas atinge um valor elevado, gera-se uma descarga eléctrica sobre a aparência de raios (visíveis como relâmpagos luminosos) dirigidos para a área superior da nuvem ou mesmo para o solo. Os raios aquecem instantaneamente o ar e o vapor no seu percurso, obrigando-os a uma expansão brusca, seguida de rápido arrefecimento e contracção. Este aquecimento é tal que origina uma violenta explosão, ouvindo-se então o trovão. Como o som e a luz viajam a velocidades diferentes, um observador posicionado a alguma distância da tempestade vê o relâmpago uns segundos antes de ouvir o trovão. Os raios tomam sempre o caminho mais rápido para o solo e frequentemente isso implica a passagem através de objectos altos isolados na paisagem, como por exemplo árvores, casas ou mesmo pessoas. Para prevenir ou diminuir os efeitos desta situação, assegura-te que estás sempre informado sobre a previsão do tempo e cumpre as medidas de segurança, para este caso.

×