Your SlideShare is downloading. ×
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação   marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Tecnologia de informação e comunicação aplicada à educação marta de campos maia, fernando de souza meirelles (2009)

4,942

Published on

A generalização da Internet como um potente recurso a serviço da sociedade do conhecimento, está fomentando o …

A generalização da Internet como um potente recurso a serviço da sociedade do conhecimento, está fomentando o
desenvolvimento de novos cursos, como os online, os programas de educação a distância e as aplicações de tecnologias
educacionais nos cursos presenciais. Considerando que o paradigma relativo à metodologia de ensino adotado pelas
Universidades brasileiras datam de algumas décadas e que estas sofrem a competição crescente e agressiva de outras
Instituições de Ensino Superior (IES), um novo paradigma metodológico e tecnológico torna-se imperativo para que as IES
continuem atingindo o nível de qualidade nos seus processos de ensino e aprendizagem. Faz-se necessário preciso estudar e
analisar como estas ferramentas impactam o processo de ensino e aprendizagem, e o quanto e como estas já estão difundidas
nos processos de interação dos alunos dentro e fora do ambiente acadêmico no país

Published in: Education, Technology
2 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
4,942
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
116
Comments
2
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à Educação TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO APLICADA À EDUCAÇÃO Marta de Campos Maia Fernando de Souza Meirelles Fundação Getulio Vargas Fundação Getulio Vargas marta.maia@fgv.br fernando.meirelles@fgv.brBIOGRAFIASMarta de Campos Maia: Pesquisadora do CIA – Centro de Tecnologia Aplicada da FGV-EAESP - Escola de Administraçãode Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas. Doutora em Administração de Empresas pela FGV-EAESP. Atoucomo Coordenadora de Educação a Distância da FGV-EAESP. É autora de capítulos de livros e de dezenas de artigos, sobreTI e Educação a Distância.Fernando de Souza Meirelles: Ex-Diretor da FGV-EAESP - Escola de Administração de Empresas de São Paulo da FundaçãoGetulio Vargas e Professor Titular de Informática e Métodos Quantitativos; Fundador do CIA - Centro de InformáticaAplicada. Engenheiro Mecânico (EEM/IMT); Mestre em Industrial Engineering and Engineering Management pela StanfordUniversity e Doutor em Administração de Empresas - Informática pela FGV-EAESP.RESUMOA generalização da Internet como um potente recurso a serviço da sociedade do conhecimento, está fomentando odesenvolvimento de novos cursos, como os online, os programas de educação a distância e as aplicações de tecnologiaseducacionais nos cursos presenciais. Considerando que o paradigma relativo à metodologia de ensino adotado pelasUniversidades brasileiras datam de algumas décadas e que estas sofrem a competição crescente e agressiva de outrasInstituições de Ensino Superior (IES), um novo paradigma metodológico e tecnológico torna-se imperativo para que as IEScontinuem atingindo o nível de qualidade nos seus processos de ensino e aprendizagem. Faz-se necessário preciso estudar eanalisar como estas ferramentas impactam o processo de ensino e aprendizagem, e o quanto e como estas já estão difundidasnos processos de interação dos alunos dentro e fora do ambiente acadêmico no país.Palavras-chaveTecnologia de informação e comunicação; educação; educação a distânciaINTRODUÇÃOA aplicação das tecnologias educacionais nos cursos presenciais traz em si uma revolução nos paradigmas educacionaisatuais, à medida que apresenta diversas oportunidades para integrar e enriquecer os seus cursos, disciplinas e materiaisinstrucionais. É preciso fazer a gestão do conhecimento e, principalmente, aprender a construí-lo coletivamente. Além disso,proporciona novas formas de interação e comunicação entre professores e alunos. De acordo com pesquisadores da CornellUniversity, “a Internet insere novas funcionalidades na transmissão de informações aos estudantes e fornece a possibilidadede troca de informações através de grupos de discussão. A Internet está revolucionando algumas áreas de estudo através daampliação das oportunidades de aprendizado e de formatos alternativos para a transmissão de informações”. (Dwyer,Barbieri, and Doerr, 1995).O objetivo da introdução das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na educação não deve ser um modismo ouestar atualizado com relação às inovações tecnológicas. Esse tipo de argumentação tem levado a uma subutilização dopotencial destas, que além de economicamente dispendiosa, traz pouco benefício para o desenvolvimento intelectual doaluno.Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 301
  2. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à EducaçãoTodo processo educativo tem a necessidade de “traduzir” as mensagens pedagógicas. Por esta razão, quanto maisaprofundamos a pesquisa e o desenvolvimento das metodologias e tecnologias educacionais, mais esta se torna presentedentro de uma Instituição de Ensino Superior (IES), por meio de: um sistema integrado de gestão educacional; uma políticade investimento para adoção de tecnologias educacionais no sistema de ensino vigente definida por um plano deinvestimento; pesquisa e revisão de modelos pedagógicos e metodológicos vigentes com foco no futuro almejado;desenvolvimento e aplicação de recursos de tecnologia educacional modernos; aplicação de novas políticas de ensino,colaboração e de gestão do conhecimento na instituição, envolvendo a comunidade docente, discente e de apoio,promovendo, assim, uma singular experiência no processo de ensino e aprendizagem.Alguns dos principais psicólogos e educadores do século XX que pesquisaram a relação entre a cognição e o aprendizado,como Vygotsky (2007), Paulo Freire (2006) e Feuerstein (1985), destacaram a importância da interação social nodesenvolvimento intelectual humano.Vygotsky enfatizou o papel da comunidade na construção do conhecimento, através de um processo sócio-histórico. Emborao ser humano possua potenciais inatos de conhecimento e cognição, as funções psicológicas superiores decorrem, em suamaior parte, de um processo de aprendizagem e desenvolvimento social. (FERNANDES, 2009).Implantar tecnologia é uma tarefa relativamente fácil se comparada à mudança dos processos de ensino, que já é maiscomplexa e difícil de promover. Para promover as mudanças, os esforços devem ser concentrados nas pessoas chaves, quesão os professores. Estes devem ser capacitados para a promoção das mudanças, tornando-se agentes. Por esta razão,apresentaremos a seguir os relatórios publicados no Brasil sobre a utilização das tecnologias nas Universidades no país.CAMPUS COMPUTING REPORT (CCR.BR 2008)É um estudo sobre o papel da computação e da tecnologia de informação na Educação Superior. Teve início em 1990, nosEstados Unidos, por iniciativa de Keneth C. Green, e é maior estudo continuado sobre o papel da tecnologia de informaçãonas instituições de ensino superior norte-americanas. No Brasil, a primeira aplicação se deu no ano de 2004, por iniciativa daEscola do Futuro da USP.Os indivíduos que respondem aos questionários são em geral os responsáveis pelo planejamento e decisão sobre as políticasde TI, em cada uma das instituições participantes da pesquisa.A terceira edição do Campus Computing.Br (2008) demonstra alguns avanços e tendências em relação às pesquisasanteriores realizadas no Brasil. Participaram desta pesquisa, em 2008, 132 Instituições de Ensino Superior (IES) do Brasil(tabela 1).Principais Resultados do CCR.BR 2008Os dados gerais, principais tendências e panorama de distribuição dos respondentes no território nacional são apresentadosabaixo (tabela 1). Observa-se que grande parte dos respondentes são das regiões Sul e Sudeste do país e apenas 16% dosrespondentes são Instituições Públicas.Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 302
  3. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à Educação Tabela 1: Quadro Geral dos Respondentes do CCR.BR 2008 Fonte: Campus Computing Report (2008)A tendência do aumento da importância das redes sem fio se torna mais evidente, a medida que a integração dos aparelhosmóveis com esta tecnologia está cada vez mais presente (tabelas 2 e 3). 2004 2005 2008 Sim, possuem um plano para implantação 9 43 55,2 Plano em preparação 14 31 30,5 Não possuem ~ 15 14,3 Tabela 2: Planejamento de Redes sem fio (%) 2008 Em funcionamento 23,8 Será implementado em 2008 19,1 Em discussão para implementação 39,7 Tabela 3: Implementação de Redes sem fio em todo o campus (%)Política Geral de TI e ComputaçãoCerca de 79% das IES que participaram do CCR.BR têm uma política formal de utilização de computadores e recursos deinformática no que se refere aos alunos de graduação. Em relação aos alunos de pós-graduação este número cai para 59,5%.No que tange à educação à distância, 47,5% das instituições referem ter uma política formal estabelecida nesta área.A viabilização e a ampliação do conhecimento em TI, fluência digital e competência computacional é uma realidade para85,9% das instituições respondentes com relação aos seus alunos de graduação. Este número decai para 81% com relação aocorpo docente e 80% para os administradores.Cerca de 40% das instituições recomendam para os alunos de graduação que tenham o seu próprio computador, a apenas1,6% das públicas recomendam.Cerca de 35% das IES tem interesse em incentivar a produção de software ou software material educacional institucional.Apenas 16% das IES têm um programa formal para avaliar o impacto da TI na instrução e nos resultados da aprendizagem.Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 303
  4. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à EducaçãoPlanejamento EstratégicoReter e/ou contratar equipe de TI qualificada e atualizar/substituir sistemas de TI/ERP foi apontado como a maior prioridadeao longo dos próximos dois ou três anos.Providenciar educação online a distância e fornecer suporte adequado ao usuário são apresentados também como problemascríticos a ser enfrentado pela instituição privada.Para as instituições publicas, a prioridade é atualizar/melhorar segurança de rede e dados e, em segundo, fornecer serviços noportal do estudante.Os dados sobre planejamento estratégico mostram que 75% das instituições têm planos para serviços de Internet no campus e52,4% para upgrade e/ou substituição de sistema administrativo/ERP.Para educação a distância, 41% dos respondentes afirmam ter planejamento estratégico implantado e 35% estão em fase dedesenvolvimento. Cerca de 33% tem planos para tecnologia instrutiva/integração de instrução. Mas menos de 20% das IEStem planejamento para utilizar os recursos e serviços da Web 2.0.TECNOLOGIA E COMPETÊNCIASNo Brasil, diversas IES já dispõem de cursos a distância. São inúmeros cursos de graduação, pós-graduação (lato senso estricto senso) e técnicos, nas mais diversas áreas de atuação, podendo ser eles semipresenciais ou totalmente a distância.A EaD tem na própria legislação, uma definição que vai além da simples “entrega” de conteúdos mediada pelas TICs. ODecreto 5.622/2005, que regulamenta a educação a distância no Brasil, caracteriza-a como modalidade educacional na qual amediação didático–pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias deinformação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares e/ou temposdiversos. Em seu parágrafo primeiro, o mesmo decreto determina ainda que a “educação a distância organiza-se segundometodologia, gestão e avaliação peculiares...” (MEC, 2009).Assim, existe grande diversidade na organização metodológica, na gestão e na avaliação de cursos a distância oferecidos, e oscursos imersivos e colaborativos, on-line. Não há como comparar, ou igualar também, os novos projetos educacionais - quemobilizam professores e alunos via celular e ambientes virtuais na internet – essencialmente bem diferentes dos cursos emtele, vídeo ou web conferência e reunião dos alunos em pólos presenciais. Mais diferentes ainda são os mais novos centros deestudos existentes nos mundos virtuais tridimensionais, tipo Secunda Lei, já utilizados em centenas de universidadesestrangeiras, em que, incorporados em avatares, alunos e professores se movimentam, interagem, enfrentam desafios eaprendem (KENSKI, 2007).Em termos pedagógicos, as necessidades de planejamento e organização de atividades educacionais, mediadas pelastecnologias e sistemas acima citados, são totalmente diferentes. Os usos de diferenciadas tecnologias digitais, por exemplo,em cursos presenciais, requerem novas habilidades dos docentes, estratégias e dinâmicas diversificadas para apresentaçãosuas aulas. Muda-se muito desde a apresentação e organização dos conteúdos, realização de atividades, distribuição dostempos, definição das formas de participação de professores e alunos e do processo de avaliação. Em cursos a distância, tudose torna ainda mais complexo.Nos cursos a distância, o aluno aprende a desenvolver competências, habilidades e hábitos de estudo, preparando-se para avida profissional, no tempo e local que lhe são adequados (MEC, 2003). As atividades são conduzidas com o auxílio deprofessores (orientadores ou tutores), mediante atividades dirigidas como chats, fóruns, aulas e palestras viavideoconferências, webcasts ou podcasts, mescladas a aulas presenciais. Há também uso de materiais didáticos elaborados eveiculados através dos diversos meios de comunicação.A presença do professor é fundamental nesta modalidade de ensino, e seus conhecimentos podem ser aprimorados, pois alémda exigência da competência didática, o professor deve ser capaz de se comunicar através dos meios tecnológicos, atuandomais como um facilitador da aprendizagem, orientador acadêmico e estimulador da interação coletiva (no caso de cursos queutilizem meios que permitam tal interação).Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 304
  5. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à EducaçãoOutro aspecto que exige atenção tem a ver com a garantia de emprego de uma linguagem pedagógica apropriada àaprendizagem mediada pelas diversas mídias disponíveis, estruturando processos, definindo objetivos e problemaseducacionais. O uso de técnicas instrucionais pode ser muito providencial neste caso.O fato é que nenhuma tecnologia pode resolver todos os tipos de problemas, e o aprendizado depende mais da forma como atecnologia é aplicada à metodologia de ensino do curso do que do tipo de tecnologia utilizada. (Maia e Meirelles, 2007).Assim, a tutoria, as formas de interação e suporte aos alunos também são elementos essenciais, determinantes para o sucessodo curso. A estruturação de uma equipe especializada, composta de pessoas que entendam de tecnologia, de pedagogia e quetrabalhem de forma coesa, podem garantir uma melhor performance da aprendizagem do aluno. Além de facilitar oaprendizado, tais cuidados minimizam também os riscos de evasão dos alunos – um problema preocupante na área.EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASILA Educação a Distância (EaD) consiste da união entre tecnologias de informação e comunicação e conteúdos instrucionaisque, para funcionar, depende de envolvimento de alunos, professores, instituições de ensino, empresas e governo. Como amaioria dos municípios brasileiros não tem acesso à educação superior, a EaD emerge nesse cenário como alternativa parapreencher essa lacuna (Maia, 2007).Nos últimos anos, a Educação a distância (EaD) vem surgindo como uma das mais importantes ferramentas de transmissãodo conhecimento e da democratização da informação. A diversidade de recursos tecnológicos e comunicacionais colocados àdisposição dos estudantes e professores nos cursos a distância podem colaborar de maneira bastante eficaz na formação equalificação de profissionais.Os caminhos apontam para a renovação do ensino, formulando uma concepção mais ampla do processo educativo, a fim deatender à demanda da sociedade. No Brasil, a procura por cursos a distância tem aumentado significantemente nos últimosdois anos. Em termos macroeconômicos, o interesse em aumentar, a curto prazo, a escolaridade da população estárelacionado a fatores como a globalização da economia, na qual busca-se colocar o país em condições de competitividade nomercado internacional.As informações apresentadas foram extraídas do Anuário Brasileiro sobre Educação a Distância, publicado em 2008. Esteanuário é elaborado a partir de consulta as fontes primárias de informação: como MEC, CNE, CEE´s. Participam erespondem o questionário instituições autorizadas para a oferta de EaD. Este é uma amostra bem completa: 140 instituições(54,5% do universo), mas que representam 80% do total de alunos a distancia do país.Segundo este anuário, o Brasil possui cerca de 2,54 milhões de brasileiros estudaram por Educação a Distância em 2007, estenúmero inclui cursos credenciados e grandes projetos nacionais, como os cursos do SENAI, SENAC e SEBRAE.Apesar do crescimento exponencial deste mercado, os números ainda são tímidos, o que revela um grande potencial para ospróximos anos. As regiões com maior números de alunos são a s regiões Sul e Sudeste. (figura 1), mas as regiões que maiscresceram em números de alunos, proporcionalmente no país, foram as regiões Sul e Norte. Figura 1: A geografia da EAD no BrasilProceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 305
  6. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à EducaçãoAtualmente o Brasil possui cerca de 970 mil alunos matriculados em cursos a distância, nas 257 Instituições de EnsinoSuperior (IES) credenciadas pelo MEC. E este número é muito maior se considerarmos o universo de alunos/profissionaisque participam dos cursos a distância no mundo corporativo (ABREAD, 2008).Se somarmos o número de cursos de extensão, aperfeiçoamento e de qualificação, chegaremos à conclusão que, dos cursos adistância oferecidos atualmente no Brasil, cerca de 58% estão relacionados à educação adulta, ou educação executiva.O crescimento na oferta do número de cursos se reflete nos alunos. Na prática, assistimos a um crescimento de 213% nonúmero de alunos regularmente matriculados em cursos de EaD credenciados no Brasil, nos últimos 4 anos.Apesar do crescimento exponencial deste mercado, os números ainda são tímidos, o que revela um grande potencial para ospróximos anos. Dos atuais 1.181 cursos a distância oferecidos no Brasil em 2007, cerca de 47% são de pós-graduação,mestrado ou de aperfeiçoamento e extensão a distância e estão relacionados à educação adulta, ou educação executiva(Gráfico 1). Mas esta proporção já foi maior, pois em 2006 estes mesmos cursos representavam cerca de 58%.Esta redução em termos percentuais deve-se ao grande crescimento da oferta de Graduações a distância que representavam23% da oferta dos cursos em 2006 e, hoje, representam mais de 37% dos cursos, um crescimento de 112%. Gráfico 1: Evolução do número de cursos a distância no BrasilO crescimento na oferta do número de cursos se reflete nos alunos. Na prática, assistimos a um crescimento de 213,8% nonúmero de alunos regularmente matriculados em cursos de EaD credenciados no Brasil (tabela 4). Em termos absolutos, issose reflete, no período de 2004 e 2006, em um aumento de 309.957 estudantes para 972.826. Tabela 4: Número de Instituições Credenciadas para oferta de cursos EaDNestes cursos analisados as tecnologias/mídias mais utilizadas para disponibilizar material, dar suporte aos alunos eprofessores são: material impresso: 77,1%; e-learning: 62,9%; CD-ROM: 49,3% ; Vídeo: 45% ; TV: 23,6% e Satélite: 11,4%.Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 306
  7. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à EducaçãoExperiência pioneiraUm grande marco na Educação a Distância no Brasil a criação, em 2005, da Universidade Aberta do Brasil (UAB), peloMinistério da Educação (MEC). Tem o objetivo de formar professores para a educação básica. A UAB não é uma instituiçãode ensino superior tradicional, mas uma articulação entre universidades estaduais, federais e institutos federais de educação,ciência e tecnologia (Ifets) para levar ensino superior público de qualidade aos municípios brasileiros nos quais não há cursosde formação superior, ou cujas ofertas são insuficientes para atender a todos. (MEC, 2009)Os cursos são oferecidos a distância em parceria com universidades públicas brasileiras. Os alunos são acompanhados nodecorrer do curso por tutores responsáveis pelo monitoramento e desempenho de suas atividades e dificuldades deaprendizagem. Para participarem do projeto, as instituições interessadas devem cumprir, além dos dispositivos do decretopertinente, os demais dispositivos da legislação e normalização relacionados à educação, tais como a titulação do corpodocente; os exames presenciais; a apresentação presencial de trabalhos de conclusão de curso ou de monografia.Tendo em vista que, segundo dados recentes do MEC, apenas 30% dos municípios brasileiros têm acesso ao ensino superior,e que os outros 70% não contam com oferta regular de ensino, o sistema da UAB é altamente relevante, pois pretende supriressa demanda por meio da oferta (projetada) de um milhão de vagas até 2010. Atualmente hoje há 560 pólos e 74 instituiçõespúblicas de ensino superior vinculados à UAB (figura 2). O diagrama abaixo exemplifica como a rede e suas articulaçõesfuncionam. Figura 2: O Funcionamento da rede UAB Fonte: MEC (2009)Assim, dada a situação atual do ensino superior no Brasil, que demanda um aumento circunstancial do número de vagas paraos próximos anos, a EaD pode ser utilizada como uma forma de ampliação do alcance dos cursos ministrados pelas IES(Instituições de Ensino Superior), proporcionando maiores chances de ingresso aos alunos interessados. O desafio,obviamente, é garantir a qualidade dos cursos, impedindo que a iniciativa deságüe em uma espécie de “delivery” de cursos.Educação corporativaNo Brasil, ao menos 600 empresas já têm algum tipo de treinamento a distância, segundo dados da E-Learning Brasil.Estima-se que, em 2008, 2,9 milhões de brasileiros freqüentaram algum curso a distância. Isso significa que uma, em cada 70pessoas no país, participou de um curso nesta modalidade de ensino, de acordo com a Secretaria de Ensino a Distância(SEED), do Ministério da Educação (MEC).Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 307
  8. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à EducaçãoAs universidades corporativas surgiram no Brasil nos anos 90 e em 1999, eram apenas dez em todo o país. Passada umadécada, o número de empresas que investem nesse modelo de formação e aprimoramento de funcionários cresceu 2.400%,atingindo 250 unidades, segundo estimativas da professora, de acordo com Eboli (2009).A Associação Brasileira de Ensino a Distância (ABRAEAD, 2008) afirma que a EaD é um dos métodos mais utilizados pelasempresas para capacitar ou atualizar seus funcionários. Entre as modalidades, podemos encontrar, em primeiro lugar, ostreinamentos, seguidos do aperfeiçoamento e, então, pela reciclagem. Na prática, o interesse foca-se no curto prazo e nodesenvolvimento de vantagens competitivas mediante incremento do nível de competências.Diferentemente dos cursos oferecidos por instituições educacionais, o índice de evasão é bem reduzido no caso da educaçãoexecutiva, e o grau de satisfação dos funcionários é elevado. Esse quadro só se altera quando considera-se os “cursoscompulsórios”, quando o funcionário é obrigado a participar.Dentre as vantagens que as empresas observam nos cursos a distância pode-se destacar a abrangência e alcance; redução decustos; a flexibilidade para o aluno conciliar o estudo e a vida profissional; a não-interferência na rotina de trabalho; e, porúltimo, o retorno percebido do aprendizado já no curto prazo para a empresa. Entre as desvantagens destacadas pelasempresas encontra-se os elevados índices de evasão; a ausência de intimidade com o método; o custo de implantação; e aimpessoalidade.Ainda segundo a ABREAD, as Universidades Corporativas que praticam EaD pretendem elevar seus investimentos nopróximo ano, centrando muito mais na própria educação a distância do que na educação presencial. Um ponto queconsiderado mais crítico, e sobre o qual encontra-se concordância na literatura, é a grande distância entre a educaçãocorporativa, voltada ao aprendizado através da prática (e na prática), e a educação acadêmica tradicional.IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS EM CURSOS PRESENCIAISA generalização da Internet como um potente recurso a serviço da sociedade do conhecimento, está fomentando odesenvolvimento de novos cursos. Esta nova situação supõe um grande desafio para os professores. Estamos imersos em umnovo marco no qual é necessário desvendar os grandes valores educacionais das ferramentas da Internet e as não menosimportantes pressões comerciais que as estão impulsionando.É preciso estudar e analisar detalhadamente como estas ferramentas impactam o processo de ensino e aprendizagem, e oquanto e como estas já estão difundidas nos processos de interação dos alunos dentro e fora do ambiente acadêmico.Os alunos de hoje cresceram num mundo conectados à rede, e chegam ao campus universitário com altas expectativas emrelação à tecnologia. Eles consideram a tecnologia como um veículo para interação social, que ocorre através dos instantmessages (MSN), celulares, wikis, blogs, e grande parte deles tem seu próprio notebook.No que se refere aos alunos especificamente, é preciso analisar o desenvolvimento do processo de aprendizagem através dasTICs e, em especial, os procedimentos mais adequados para o uso instrumental da Internet, ou seja, avaliar os valoresdidáticos mais relevantes, os cuidados e limites que estas aplicações têm no processo de aprendizagem.Capacitar os professores não significa simplesmente promover treinamentos de uso das novas TICs, mas, conduzir umprocesso articulado de mudança de mentalidade perante a educação, uma mudança do currículo e dos conteúdos dasdisciplinas, além de uma mudança dos materiais a serem trabalhados. Sabe-A aplicação de tecnologia nos cursos presenciaistem seguintes propósitos: a) Preparar a IES para incorporar os valores da Escola da Era Digital b) Institucionalização do uso das novas tecnologias e metodologias c) Organização e gerenciamento dos conteúdos desenvolvidos nas Faculdades, além do desenvolvimento e disponibilização de novos produtos e conteúdos (em acervo multimidiáticos, interativos) d) Oferta de currículo voltado à aprendizagem colaborativa e) Incentivo à pesquisa de metodologias e tecnologias educacionais f) Incentivo ao desenvolvimento de novos programas acadêmicos g) Melhorara a aprendizagem do corpo discente por meio da aplicação de novas metodologias e tecnologias h) Organização e gerenciamento dos conteúdos desenvolvidos pelo corpo docenteProceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 308
  9. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à EducaçãoA tecnologia de informação e comunicação é utilizada como um recurso, uma ferramenta para a construção de conhecimento.As formas de aplicação podem ser através de projetos colaborativos entre alunos e professores, ou atividades planejadassobre determinados temas, ou conteúdos didáticos de uma disciplina.Os alunos elaboram seus trabalhos utilizando softwares de simulação, ou qualquer um do pacote MS-Office, associados arecursos de web 2.0 (ex: blogs e wikis) ou até mesmo jogos com simulações. Para busca de informações utilizam os recursosdisponíveis que podem ser a própria Internet, bibliotecas virtuais, bancos de dados, participam de listas de discussão, fóruns,chats e assistem aulas gravadas via webcast, diretamente no seu iPod.Com a utilização da Tecnologia Educacional aplicada a um curso presencial, torna-se possível simular, praticar ou vivenciarsituações fundamentais para a compreensão de um conhecimento ou modelo que se está demonstrando.As tecnologias educacionais a ser utilizadas nos diversos cursos e programas das escolas devem ser planejadas compropósitos diversos aplicando a cada público-alvo uma metodologia diferente. Quanto maior o leque de opções (mix) emtermos de tecnologias puder ser disponibilizado nos diversos cursos, maior será o reconhecimento do mercado quanto àimagem de vanguarda e qualidade de ensino da escola.Com a incorporação das tecnologias de informação e comunicação, em especial a Internet, ao processo deensino/aprendizagem, faz-se necessária uma ação sistemática de planejamento e a implementação de novas estratégiasdidáticas e metodologias de ensino-aprendizagem.Ao lado das TICs, transformações socioeconômicas, políticas e culturais das últimas duas décadas colocam em xeque estãocurrículos e prioridades educacionais (o que ensinar), estilos de pedagogia e andragogia (como ensinar) e a própriainstitucionalização do ensino (quem detém o poder de ensinar e validar a aprendizagem), impelindo-nos a uma nova lógica deensino (LITTO, 1997; KENSKI, 1998).CONSIDERAÇÕES FINAISAs novas tecnologias de informação e comunicação têm colocado recursos como o computador, a Internet e todas as suasferramentas a serviço da educação. A tendência atual é aliar tecnologia à educação e, em virtude desta nova realidade, torna-se cada vez mais necessária a implementação de uma nova cultura docente e discente nas instituições educacionais no Brasil.A aplicação das novas tecnologias na educação implica numa revolução tão intensa nos paradigmas educacionais atuais, quepoderá levar a uma evolução na metodologia do ensino presencial, caracterizando-se, portanto, numa oportunidade ímparpara as instituições de ensino e os professores repensarem a prática de ensino e aprendizagem.A proposta pedagógica neste novo ambiente de aprendizagem deve ter como objetivo promover a autonomia e a reflexãocrítica dos alunos. Mas, este novo aluno, responsável pela sua própria instrução, ainda não existe e precisa ser criado, o quedemanda um grande esforço se considerarmos que uma grande mudança cultural estará em jogo neste processo. Por estarazão, é necessário dar a importância adequada aos aspectos das tecnologias de informação e comunicação aplicadas àeducação, bem como, o suporte aos alunos e professores, tendo sido este o foco principal deste estudo.Ensinar e aprender utilizando tecnologias exige paciência e preparo dos alunos e dos docentes. Os objetivos pedagógicosdevem estar associados à uma lista de métodos agregados a atividades presenciais aos possíveis métodos associados àatividades a distância. A infra-estrutura do curso no âmbito pedagógico, desenho do curso, apresentação, formas de interaçãoe ambiente de aprendizagem, associados à qualidade do material didático, constituem a chave do sucesso para aaprendizagem dos alunos. Por esta razão é dada muita ênfase à escolha de uma linguagem adequada para a elaboração domaterial didático.Uma vez que aprender se tornará uma atividade a ser prolongada por toda a vida, é preciso buscar desenvolver um ambienteque permita o compartilhamento de experiências entre os envolvidos neste processo, a fim de criar comunidades deaprendizagem, as quais envolvam as teorias do mundo acadêmico, com a prática do mundo corporativo.BIBLIOGRAFIA1. ABRAEAD -ANUÁRIO BRASILEIRO ESTATÍSTICO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA, (2008). São Paulo: Instituto Monitor/Abed.Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 309
  10. Maia et al. Tecnologia de Informação e Comunicação aplicada à Educação2. Dwyer, D., Barbieri, K., and Doerr, H. (1995). Creating a virtual classroom for interactive education on the Web. In Proceedings of the Third International World-Wide Web conference on Technology, tools and applications. http://www.igd.fhg.de/www/www95/.3. Eboli, M. (2009). Universidades corporativas crescem 2.400% em dez anos. Revista Veja. Edição 15 de maio de 2009. http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/universidades-corporativas-crescem-brasil-468630.shtml.4. Fernandes, J. (2009). Ciberespaço: Modelos, Tecnologias, Aplicações e Perspectivas: da Vida Artificial à Busca por uma Humanidade Auto-Sustentável. Sociedade Brasileira de Computação, 1998 v. II p. 109-162. Disponível em http://www.cic.unb.br/docentes/jhcf/MyBooks/ciber/ciber.pdf. Acessado em 10/07/2009.5. Feuerstein, R. (1985). Instrumental enrichment: an intervention program for cognitive modifiability. Baltimore, MD: University Park.6. Filatro, A. (2007). Design Instrucional Contextualizado. São Paulo: Senac São Paulo.7. Freire, P.(2006) Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 45ª ed., 2006.8. Kenski, V. (1998). Novas tecnologias: o redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente. In: Revista Brasileira de Educação. Mai/Jun/Jul/Ago, 1998, n.º 8.9. Litto, F (1997). Um modelo para prioridades educacionais numa sociedade de informação. In: Pátio – Revista Pedagógica, Ano I, n.3, p.15-21, Nov.97/jan98.10. Campus Computing Report.Br. (2008). São Paulo: Editora Altana.11. Maia, M. (2007). Educação a Distância. In: Revista GV-Executivo, volume 6 - número 5 - setembro-outubro 2007.12. Maia, M. e Meirelles, F.(2007). Novas tecnologias aplicadas em uma pós-graduação a Distância: o caso Gvnext. In: CINTED-UFRGS.13. MEC – Ministério da Educação e Cultura (2009) – Universidade Aberta do Brasil (UAB) - http://www.uab.capes.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=55&Itemid=7414. MEC-SEED Secretaria de Educação a Distância (2003). Referenciais de qualidade para Cursos a distância.15. Szabó, I. e Silva,R.(2006). A construção de conhecimento nas comunidades virtuais do ciberespaço. In Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Dez, 2006, 2-19.16. Vygotski, L.(2007) A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.Proceedings of the 3rd ACORN-REDECOM Conference Mexico City Sep 4-5th 2009 310

×