Regiane Fernandes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Regiane Fernandes

  • 1,296 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,296
On Slideshare
1,296
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
10
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. IV CONGRESSO DA ACADEMIA DE ESPECIALISTAS EM ENFERMAGEM Fonte: http://fabinhofg.blogspot.com/2011/04/assedio-moral-no-trabalho-um-mal.html
  • 2. ASSÉDIO MORAL
    • - Mobbing (Itália, Alemanha e países escandinavos)
    • - Bullying (Inglaterra)
    • - Terror Psicológico
    • - Tortura Psicológica
    • - Humilhações no Trabalho
    Fonte: http://fernandogr.com.br/blog/?p=5212
  • 3. ASSÉDIO MORAL
    • Poder de direção do empregador
    Fonte: http://veritasverbis.blogspot.com/2009_01_01_archive.html
  • 4.  
  • 5. ASSÉDIO MORAL
    • Violação a um interesse juridicamente tutelado – DIGNIDADE
    • Conduta abusiva , de natureza psicológica , que atenta contra dignidade psíquica do indivíduo, de forma reiterada , tendo por efeito a sensação de exclusão do ambiente e do convívio social *
    *FILHO, Rodolfo Pamplona. Noções conceituais sobre assédio moral na relação de emprego. Revista LTr. 70-09/1079. Material da Aula 7 da Disciplina: Direitos Fundamentais e Tutela do Empregado, ministrada no Curso de Pós-graduação Televirtual em Direito e Processo do Trabalho, 2011.
  • 6. JURISPRUDÊNCIA
    • Caracterização : O que se denomina assédio moral, também conhecido como mobbing ou terror psicológico, é, a rigor, o atentado contra a dignidade humana, definido pelos doutrinadores, inicialmente, como “a situação em que uma pessoa ou um grupo de pessoas exerce uma violência psicológica extrema, de forma sistemática e freqüente e durante tempo prolongado sobre outra pessoa”. Esse comportamento pode ocorrer não só entre chefes e subordinados, mas também entre colegas de trabalho com vários objetivos, mas não se confunde com outros conflitos que são esporádicos ou mesmo com más condições de trabalho, pois o assédio moral pressupõe o comportamento (ação ou omissão) por um período prolongado, premeditado, que desestabiliza psicologicamente a vítima. Mas, para caracterização apta ao pleito reparatório, a violência psicológica há de ser intensa e insistente, cabalmente demonstrada, com repercussão intencional geradora do dano psíquico e a marginalização no ambiente de trabalho. (TRT - 3ª Região - 8ª T.; RO nº 00546-2003-066-03-00-MG; Rel. Juiz Heriberto de Castro; j. 17/11/2004; maioria de votos) ST 190/71 (e-21664).
  • 7. JURISPRUDÊNCIA
    • Quando o empregador obriga o seu empregado a submeter-se a exame psiquiátrico além do regular e periódico, sugerindo que ele seja portador de doença mental, acatando indicação do superior hierárquico motivada na suspeita de um comportamento “arredio e calado” que é atribuído ao obreiro, este empregador ultrapassa os limites de atuação do seu poder diretivo para atingir a dignidade e a integridade física e psíquica do empregado. A função natural da realização de exames médicos pelo empregado tem por objetivo salvaguardar a sua saúde, em cumprimento às normas de proteção à saúde e segurança do trabalhador instituídas na CLT. Nesse compasso, a indicação de exame psiquiátrico extraordinário consiste em ato desviado da sua função natural, que excede manifestamente os limites traçados pela boa-fé, pelos costumes e pela finalidade social para se transformar em instrumento cujo propósito é de degradar o ambiente de trabalho e criar embaraços para a execução normal do contrato, tornando o ato abusivo e, portanto, ilícito. O exercício abusivo do direito e o conseqüente ato ilícito em questão caracterizam o assédio moral, também denominado mobbing ou bullying , e enseja justa reparação da lesão dele decorrente, que vai atuar como lenitivo dos sentimentos de indignação e angústia suportados pelo ofendido. (TRT - 3ª Região - 5ª T.; RO nº 00227-2004-020-03-00-5-MG; Rela. Juíza Taisa Maria Macena de Lima; j. 27/7/2004; maioria de votos).
  • 8. CLASSIFICAÇÃO * *FILHO, Rodolfo Pamplona. Noções conceituais sobre assédio moral na relação de emprego. Revista LTr. 70-09/1079. Material da Aula 7 da Disciplina: Direitos Fundamentais e Tutela do Empregado, ministrada no Curso de Pós-graduação Televirtual em Direito e Processo do Trabalho, 2011. Assédio Moral Vertical Descendente Ascendente Fonte: http://comofas.com/como-lidar-e-prevenir-assedio-mora/ Fonte: http://www.senado.gov.br/portaldoservidor/jornal/jornal73/comportamento_assedio.aspx
  • 9. CLASSIFICAÇÃO * *FILHO, Rodolfo Pamplona. Noções conceituais sobre assédio moral na relação de emprego. Revista LTr. 70-09/1079. Material da Aula 7 da Disciplina: Direitos Fundamentais e Tutela do Empregado, ministrada no Curso de Pós-graduação Televirtual em Direito e Processo do Trabalho, 2011. Assédio Moral Horizontal Fonte: http://gestaocircular.wordpress.com/2011/08/05/assedio-moral-como-evitar/
  • 10. CLASSIFICAÇÃO * *FILHO, Rodolfo Pamplona. Noções conceituais sobre assédio moral na relação de emprego. Revista LTr. 70-09/1079. Material da Aula 7 da Disciplina: Direitos Fundamentais e Tutela do Empregado, ministrada no Curso de Pós-graduação Televirtual em Direito e Processo do Trabalho, 2011. Assédio Moral Misto Fonte: http://www.bancariosbahia.org.br/index.php?menu=charge&COD_CHARGE=38 Fonte: http://comofas.com/como-lidar-e-prevenir-assedio-mora/
  • 11. JURISPRUDÊNCIA
    • Segundo a autora MARIE-FRANCE HIRIGOYEN, o assédio moral no trabalho é qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, comportamento, atitude...) que atente, por sua repetição ou sistematização, contra a dignidade ou integridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho. O assédio moral se configura pela utilização tática de ataques repetitivos sobre a figura de outrem, seja com o intuito de desestabilizá-lo emocionalmente, seja com o intuito de se conseguir alcançar determinados objetivos empresariais. Se, por um lado, o objetivo pode ser apenas e tão-somente a “perseguição” de uma pessoa específica, objetivando a sua iniciativa na saída dos quadros funcionais, pode, também, configurar o assédio moral na acirrada competição, na busca por maiores lucros, instando os empregados à venda de produtos, ou seja, a uma produção sempre maior. O assédio ocorre pelo abuso do direito do empregador de exercer o seu poder diretivo ou disciplinar: as medidas empregadas têm por único objetivo deteriorar, intencionalmente, as condições em que o trabalhador desenvolve o seu trabalho, numa desenfreada busca para atingir os objetivos empresariais. O empregado, diante da velada ameaça constante do desemprego, vê-se obrigado a atingir as metas sorrateiramente impostas a ele - ferindo o decoro profissional. (TRT - 3ª Região - 1ª T.; RO nº 01301-2003-011-03-00-9-MG; Rela. Juíza Adriana Goulart de Sena; j. 16/8/2004; v.u.).
  • 12.  
  • 13. EFEITOS
  • 14. DENÚNCIAS – COREN-SP
    • Admissão – Resolução COFEN 370/2010
    • Art. 22. A denúncia será apresentada por escrito ou, quando verbal, reduzida a termo por servidor ou Conselheiro contendo os seguintes requisitos:
    • I- Presidente do Conselho a quem é dirigida;
    • II- nome, qualificação e endereço do denunciante;
    • III- narração objetiva do fato ou do ato, se possível com indicação de localidade, dia, hora, circunstâncias e nome do autor da infração;
    • IV- o nome e endereço de testemunhas, quando houver;
    • V- documentos relacionados ao fato, quando houver; e
    • VI- assinatura do denunciante ou representante legal.
    ANO FALE CONOSCO PROCESSOS AUTUADOS 2009 17 06 2010 30 11 2011 ( até 30/11/2011) 29 06
  • 15. RESOLUÇÃO COFEN 311/2007
    • Enquadramento
    • PROIBIÇÕES
    • Art. 8º - Promover e ser conivente com a injúria, calúnia e difamação de membro da equipe de enfermagem, equipe de saúde e de trabalhadores de outras áreas, de organizações da categoria ou instituições.
    • Art. 9º - Praticar e/ou ser conivente com crime, contravenção penal ou qualquer outro ato, que infrinja postulados éticos e legais.
    • ...
    • Art. 78 - Utilizar, de forma abusiva, o poder que lhe confere a posição ou cargo, para impor ordens, opiniões, atentar contra o pudor, assediar sexual ou moralmente, inferiorizar pessoas ou dificultar o exercício profissional.
  • 16. PROVA
    • “ A gravação da conversa de um dos interlocutores não configura interceptação, sendo lícita como prova no processo penal, aplicando-se, nesse caso, o princípio da proporcionalidade, que permite o detrimento de alguns direitos para que prevaleçam outros de maior valor”.
    • (STJ, RHC, 7216/SP, 5ª T., RT n. 755/580)
  • 17. JURISPRUDÊNCIA
    • A prova documental e oral, inclusive o depoimento da testemunha da reclamada, é absolutamente favorável à alegação da reclamante de que vinha sendo discriminada em face da sua condição de gestante, pela determinação de que não fizesse contato com seus clientes e não tivesse acesso à Internet no desempenho de seu mister de gerente de conta de investimentos, tudo com o objetivo de forçá-la a renunciar à estabilidade provisória de que era detentora e se desligar do quadro de empregados do banco. É evidente o ato lesivo praticado pelo reclamado, em total desrespeito à condição da reclamante, com inegável repercussão nos bens imateriais tutelados pela Constituição Federal, razão pela qual a indenização por danos morais é medida legal que se impõe. (TRT - 3ª Região - 7ª T.; RO nº 00738.2004.016. 03.00.8-MG; Rel. Juiz Luiz Ronan Neves Koury; j. 16/12/2004; v.u.) ST 191/73 (e-21764).
  • 18. ASSÉDIO MORAL
    • Não há tipificação penal
    • Crimes contra honra – art. 138 a 140
    • Perigo de vida e da saúde – art. 130/136
    • Induzimento ao suicídio – art. 122
    • Lesão corporal e homicídio – art. 129/122
  • 19. ASSÉDIO MORAL
    • Reparação dano moral
    • Art. 186 – Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.
    • Art. 187 – Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa fé ou pelos costumes.
    • Art. 927 – aquele que, por ato ilícito, causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo.
  • 20. ASSÉDIO MORAL
    • Serviço Público
    • Conduta do assediador pode ser punida, pois afronta o dever de moralidade, podendo constituir-se em incontinência de conduta. *
    • Sanções disciplinares
    *BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria –Executiva. Assédio: violência e sofrimento no ambiente de trabalho: assédio moral. Ed. do Ministério da Saúde, 2009. p. 11.
  • 21. ASSÉDIO MORAL
    • Assediado
    • Despedida Indireta – alínea “ e ”, artigo 483 CLT (praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas de sua família, ato lesivo da honra e boa fama) *
    • Assediante
    • Justa causa – artigo 482, alínea “ j ” CLT – ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em legítima defesa, própria ou de outrem. *
    *FILHO, Rodolfo Pamplona. Noções conceituais sobre assédio moral na relação de emprego. Revista LTr. 70-09/1079. Material da Aula 7 da Disciplina: Direitos Fundamentais e Tutela do Empregado, ministrada no Curso de Pós-graduação Televirtual em Direito e Processo do Trabalho, 2011.
  • 22. JURISPRUDÊNCIA
    • Assédio Moral - Dano existencial decorrente de terrorismo psicológico e degradação deliberada da integridade, dignidade, das condições físicas e psicoemocionais do trabalhador mediante conduta de conteúdo vexatório e finalidade persecutória - Inocorrência. Ausência de comprovação de fatos tendentes à desestabilização do trabalhador em seu local de trabalho, em relação aos pares e a si mesmo, com o fim de provocar o despedimento, a demissão forçada ou induzida ou prejuízo das perspectivas de progressão na carreira. Mácula que só se considera existente quando perceptível ao senso comum de indivíduo médio e que possua o condão de afetar negativamente a auto-estima por seu potencial razoavelmente aferível como ofensivo ou degradante a algum dos direitos da personalidade. (TRT - 2ª Região - 7ª T. RO nº 02445200447102005, Rel. Des. Luiz Antonio M. Vidigal)
  • 23.  
  • 24. Obrigada. E-mail: [email_address] [email_address] Tel.: (11) 3225-6313 – COREN-SP (11) 2872-9643 – Kowatsch Advogados (Franz)