• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Ali El Hage SindipeçAs
 

Ali El Hage SindipeçAs

on

  • 1,832 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,832
Views on SlideShare
1,754
Embed Views
78

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

6 Embeds 78

http://7pmix.com 66
http://7pmix.blogspot.com 6
http://www.slideshare.net 2
http://7pmix.wordpress.com 2
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://www.7pmix.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • Booz Allen Hamilton Standard Colors Colors should be used in the color pairs whenever possible. Do not mix and match colors, use pairs together as shown. Black, White and Gray can be used with any of the other colors. Purple Pantone 2765 R 12 G 4 B 79 Green Pantone 357 R 15 G 67 B 24 Blue Pantone 2 88 R 11 G 31 B 101 Black Pantone Cool Gray 6 R 158 G 158 B 158 Red Pantone 485 R 252 G 5 B 14 Yellow Pantone 3965 R 232 G 244 B 4 Aqua Pantone 319 R 126 G 204 B 189 White

Ali El Hage SindipeçAs Ali El Hage SindipeçAs Presentation Transcript

  • Visão do setor de autopeças do Brasil sobre o impacto das novas tecnologias Ali El Hage Conselho de Administração
  • O setor de Autopeças no Brasil
  • Dimensão da indústria de autopeças em 2005
  • Exportação e Importação de autopeças por continente em 2005 Os percentuais indicam o peso de cada região no total da balança. Fonte: MDIC/Secex/Gerest. Exportação direta e indireta, em US$ FOB.
  • Nossas exportações
  • Exportação direta e indireta de autopeças, feita por fabricantes de autopeças e montadoras. Não inclui veículos. Desempenho anual
  • Tecnologias Automotiva
  • Inovações e tecnologias continuadamente agregadas nos veículos
  • O que será preciso em termos de capacitação e habilidades
    • Crescimento dos centros de projetos e design;
    • Introdução de ferramentas para desenho virtual;
    • Expansão de CAE e capacidade de modelagem;
    • Maior capacidade de transferência global de dados;
    • Aumento de treinamento no exterior com aprendizado
    • em processos de última geração;
    • Fortalecimento e aumento da integração e relacionamento
    • com universidades;
    • O custo da engenharia nos EUA, Japão e Europa já não é mais
    • viável. As empresas estão se voltando para o Brasil, Índia e China.
    • Muitos fornecedores estão vivenciando o mesmo, assumindo
    • responsabilidades globais.
  • O futuro do powertrain
  • Powertrain versus novos combustíveis
  • Tecnologia brasileira Flex para motores Bi-combustível – Total Flex Tri-combustível – Total Flex mais Gás Natural Tetra Fuel
  • Eletrônica
  • O conteúdo de componentes eletrônicos nos veículos vem aumentando
  • Materiais
  • Ligas especiais em alumínio utilização para diminuição do peso do veiculo Quando comparado à aplicação de outros metais, o alumínio ultrapassou o ferro fundido e passou a ser o segundo material mais utilizado no setor automotivo em todo o mundo. "A participação do alumínio na indústria automotiva mantém a tendência de alta à medida que as principais montadoras e fabricantes de veículos reconhecem o valor do metal em termos de economia de combustível, aumento da dirigibilidade e da segurança, além da diminuição dos níveis de emissão de poluentes “ O alumínio pode substituir o ferro fundido e o aço nos automóveis, poupando de 45 a 50 por cento de peso com aumento de performance e sem nenhuma perda de segurança (Alcan Aluminum Corporation)”.                                                                            
  • Ligas especiais em alumínio utilização para segurança veicular Neste ano, a América do Norte aplicará alumínio na fabricação de 2,1 milhões de estruturas de pára-choques e o Japão em 1,2 milhões de unidades. (Relatório Ducker Worldwide - 2005) Em termos de segurança veicular, o alumínio absorve duas vezes mais a energia de impacto numa colisão, podendo oferecer o dobro da resistência quando comparado ao aço. (The Aluminum Association Inc.) A alta relação resistência-peso das ligas de alumínio permite o uso de zonas de esmagamento maiores, que servem para reduzir as forças de impacto em ocupantes de um veículo no momento de uma colisão (The Aluminum Association Inc.) Indústria do alumínio fornece para a Renault estruturas de pára-choques que garantem uma melhor absorção de impacto do novo Mégane, que acaba de ser lançado no mercado nacional
    • A Nanotecnologia representa materiais e instrumentos construídos em escala do átomo e de moléculas.
    • A nanotecnologia já está presente em vários campos da vida moderna.
    • Em torno de 2014, os negócios com produtos nano-estruturados superará a casa do US$ 2,3 trilhões.
    Nanotecnologia
  • A nova pintura dos Mercedes Benz é resistente à riscos e arranhões graças às ligações cruzadas de alta densidade e nanopartículas de cerâmica. A AUDI é uma das empresas pioneiras na aplicação de nanotecnologia no seus automóveis, através do Centro de Pesquisas Nanotecnológicas da Audi. Nanotecnologia
  • A General Motors foi uma das primeiras a usar nanocompósitos na fabricação de veículos. As pesquisas envolvendo nanotecnologias abrangem diversas áreas da FORD. Nanotecnologia
  • Nanotecnologia Autopeças nano estruturadas. Catalisador.
  • Segurança (visibilidade). Aditivos para combustível. Nanotecnologia
  • Nano plásticos Nanotecnologia
  • Meio Ambiente
  • Poluição do Ar: 100 milhões toneladas de enxofre/ano – chuva ácida. Efeito estufa- CO – (Monóxido de Carbono); dióxido de enxofre. Efeitos saúde: doenças respiratórias, circulatórias, sistema nervoso, e imunológico. Ex.: tosse,dor de cabeça, stress, câncer, ataque cardíaco. 400 mil chineses morrem/ano doenças ligadas poluição atmosférica (entre as 20 cidades mais poluídas do mundo, 16 são chinesas - Sheninang). Crescimento 3,20% em 2005 produção mundial de veículos. (600 milhões carros de passeio e 220 veículos comerciais). Efeito Estufa: gases poluentes indústrias, automóveis, queimadas – em 100 anos aumento da temperatura média do planeta de 1.4 a 5.8 graus Celsius. Efeitos cancerígenos dos raios solares. Aquecimento Global – mudanças climáticas transformando o perigo em oportunidades
  • Camada de Ozônio 1987 - Protocolo de Montreal 1987 – eliminação gradual gases refrigeradores e sprays (CFCs). 2003 - Recuperação da camada de Ozônio na atmosfera: Protocolo de Kioto - redução gases efeito estufa; 20% do combustível , oriundo de fonte renovável. Negociações de Cota de Carbono: Metas e incentivos para ampliação uso de combustíveis limpos e renováveis. Relatório economista Nicholas Stern – Reino Unido, 30/11/2006: Investir 1% PIB Global (cerca de 351.3 bilhões de dólares) já, para deter e controlar mudanças climáticas. Impostos: verde, ecológico, tráfego veículos e aviões, redução de emissões, combustível eficiente , menor consumo por km. Ganhos e resultados do investimento na redução de poluentes
  • Normas e legislações mundiais – metas e necessidade de investimento tecnológicos
    • Estados Unidos EPA (2006/2007 –
    • Emissions Protection Agency).
    • Européias (Euro III, IV, V).
    • Brasil
      • CONAMA (Conselho Nacional Meio Ambiente);
      • Proconve 6 (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores; criado 1986 pelo CONAMA).
  • Combustíveis
  • Preços Mundiais: 60 US$/barril há 1 ano. 40 US$/barril há mais de 2 anos. Tempo suficiente para reconhecer: “ Fim do petróleo barato” Países geopoliticamente instáveis. Reservas exaurindo: exploração desenfreada. Preocupação com o meio ambiente. Petróleo
  • Brasil – matriz de combustíveis veiculares
  • Biodiesel fontes e locais de extração
  • Biodiesel processo de produção
  • H-BIO A preocupação mundial com o desenvolvimento sustentável evidenciou a necessidade da definição de limites de emissão para as tecnologias automotivas. Desde então, pesquisadores têm buscado a produção de combustíveis menos poluentes, economicamente viáveis e de origem renovável para alcançar as melhorias ambientais desejadas. Neste sentido, o processo H-BIO contribui para a produção de óleo diesel usando uma parcela de matéria-prima renovável.                                                                                                                                                       
  • Hidrogênio Há muitos carros capazes de rodar com H 2: O que falta? – O próprio H 2: Para produção de H 2 : Grande quantidade de enérgia: H 2 + 1/2O 2 H 2 O + calor + energia elétrica Infra-estrutura: H 2 resfriado até – 253 O C ou pressurizado até 700 Bar (3 vezes maior que o G.N.V.)
  • Célula de combustível As pilhas comuns convertem energia química em eletricidade e esgotam-se; As células combustíveis não armazenam energia; Convertem a energia química de um combustível com que são abastecidas em eletricidade; Reação eletroquímica entre o hidrogênio e um oxidante (ar ou oxigênio); Operação contínua graças ao abastecimento com hidrogênio.
  • Btl - biomass to liquid “ Sundiesel” – choren Matéria orgânica desidratada é convertida em um gás sintético em um sistema de fornalhas e catalizadores Reator Fischer Tropsch extrai o diesel desse gás – já utilizado para liquefazer carvão e g.n.
  • Potencial dos futuros combustíveis
  •