Resolução da prova do colégio naval de 2002
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Resolução da prova do colégio naval de 2002

on

  • 1,679 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,679
Views on SlideShare
1,679
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
10
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Resolução da prova do colégio naval de 2002 Resolução da prova do colégio naval de 2002 Document Transcript

  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-7006Colégio Naval 2002 (prova azul)01) O número de múltiplos de 12 compreendidos entre 357 e 3578 é igual a(A) 268 (B) 269 (C) 270 (D) 271 (E) 2721ª SOLUÇÃO:   KKSeja A o número que denota a quantidade no intervalo 1, N de númerosque são divisíveis por k, tal que A , onde representa a parte inteira da divisãode N por k.Podemos notar que no intervalo 1, 3Nk      121235757 A existem 29 múltiplos de 12,123578Do mesmo modo no intervalo 1, 3578 A existem 298 m ltiplos de 12,12Assim o número de múltiplos de doze no intervalo de 357 a 3578 é igual a 298 – 29 =ú       269357 3578Ou podíamos ver que no intervalo 357, 3578 , 29,75; 298,16 ou12 12seja, ver quantas soluções inteiras existem no intervalo, isto é, quantos números inteirosexistem nesse intervalo 3      0, 31, 32, 33, 34,..., 298 298 30 1 299 30 269     Alternativa B2ª SOLUÇÃO: temos que 360 é o primeiro termo da seqüência, o último termo é 3578 divididopor 12, cujo quociente é 298 e o resto é 2, logo 3578 – 2 = 3576 é divisível por 12.Assim os números da seqüência são:  360; 372; 384; ...; 3576 usando o conceito de Progressão Aritmética, temos:" "A = A 1 onde A é um termo qualquer, A é o primeiro termo,1 1n é o número de termos e R é a razãon númerosn Rn n  ou diferença entre um termo qualquer e otermo anterior.Logo: A 3576, A 360, R=12 e n = ?13576 = 360 + ( n - 1) 12 dividindo por 12298 = 30 + ( n - 1) n - 1 = 298 - 30 n - 1 = 268 n = 268n     + 1n = 269Alternativa B
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700602) Se o conjunto solução da inequação 221 13 8 10 0x xxx               é S, então onúmero de elementos da interseção do conjunto S com o conjunto dos números inteiros éigual a(A)0 (B)1 (C)2 (D)3 (E)41ª SOLUÇÃO:   4 222 24 3 24 22 224 3 2 4 3 22 21 1 1 1 103 8 10 0 3 8 013 1 8 101 1 103 8 0 0113 3 8 8 10 3 8 10 8 30 0Observe que a soma dosx xx xx xx xx x x xx xxx xx xx x x x x x x xx x                                                                      4 3 24 3 2 3 2coeficientes de 3 8 10 8 3 é zero, issoindica que uma das raizes é um, logo divisível por (x - 1), assim fazendo a divisãoencontramos 3 8 10 8 3 = 1 3 5 5 3Do mesmo modo tex x x xx x x x x x x x                      3 23 2 224 3 2 22 24 3 22 22mos que 3 5 5 3 é divisível por 1Assim 3 5 5 3 1 3 2 3Logo 3 8 10 8 3 = 1 3 2 31 3 2 33 8 10 8 3Daí 0 0Observem que:) 1 0 (será zero quando x fox x x xx x x x x xx x x x x x xx x xx x x xx xa x                           22r igual a um)) 3 2 3 0 pois delta é menor do que zero.) 0 (pois está no denominador)Como no problema é pedido menor ou igual a zero, temos que x = 1b x xc x  Alternativa B
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-7006O polinômio 4 3 23 8 10 8 3x x x x    podia ter sido fatorado da seguinte forma:                           4 3 2 4 3 3 2 23 23 23 232223 8 10 8 3 3 3 5 5 5 8 33 1 5 1 1 5 31 3 5 5 31 3 3 5 51 3 1 5 11 3 1 1 5 11 1 3 1 51 1 3 3 3 5x x x x x x x x x xx x x x x xx x x xx x x xx x x xx x x x x xx x x x xx x x x x                                                         22 21 1 3 2 31 3 2 3x x x xx x x          2ª SOLUÇÃO:   2222 2 222 2 2 22 22 222 21 1 13 8 10 0 seja y =1 1 121 12 21 1Assim 3 8 10 0 3 2 8 10 03 6 8 10 0 3 8 4 0x x xx xxy x y x xx x xy x y xx xx x y yxxy y y y                                                                  221 23 8 4 0 8 4 3 4 64 48 168 4 8 4 12 8 4 4 22 e6 6 6 6 6 3y yy y y                         
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-70062 1 2 1Assim y 2 mas como y = 23 32Como "x" tem que ser inteiro 2 x = 13x xx xx         Alternativa B03) Se 52104 a e 52104 b , então a+b é igual a :(A) 10 (B) 4 (C) 22 (D) 15  (E) 23 SOLUÇÃO:    2 2 2222 22 222Usando o produto notável 2 , temos:4 10 2 5 4 10 2 54 10 2 5 2 4 10 2 5 4 10 2 5 4 10 2 54 10 2 5a b a ab bx a b x a b xxx                                          2 16 10 2 5 4 10 2 5               22 2222 2 222 28 2 6 2 56 2 5 2 5 2 1 5 5 1 5 2 1 5 1 5 2 5 16 2 58 2 6 2 5 8 2 5 1 8 2 5 18 2 5 2 6 2 2 6 2 2 5 1 5 1xx x xx x x x x                                            Alternativa D
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700604) Se x e y são números inteiros e positivos, representa-se o máximo divisor comum de x e ypor MDC ( x , y ); assim, o número de pares ordenados ( x , y ) que são soluções do sistema45),(810yxmdcyx(A) 6 (B) 8 (C) 10 (D) 16 (E) 18        Temos que e ., ,81018, , , 45Logo a + b = 18onde "a" e "b" são primos entre six ya bmdc x y mdc x yx y x ya bmdc x y mdc x y mdc x y       Onde os valores possíveis para os pares ordenados são:a b a b Serve ou não serve1 17 17 1 Serve2 16 16 2 não serve3 15 15 3 não serve4 14 14 4 não serve5 13 13 5 Serve6 12 12 6 não serve7 11 11 7 Serve8 10 10 8 não serve9 9 X X não serveLogo são seis os pares ordenados que são soluções do sistema.Alternativa A
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700605) Um relógio indica dois minutos menos do que a hora certa e adianta t minutos por dia. Seestivesse atrasado três minutos e adiantasse12t   minutos por dia, então marcaria a horacerta exatamente um dia antes do que vai marcar. O tempo t, em minutos, que esse relógioadianta por dia está compreendido entre(A)9291e (B)9392e (C)9594e (D)9796e (E)9998e1ª SOLUÇÃO:DIA ADIANTA21 dia __________ t minutos 2n dias__________ 2 minutosDIA ADIANTA11 dia __________ minutos2m dias__________ 3 minutosnt ntt         222 2 21 2 1 21 331223 2 3 2 6 21 1 1 12 11 2 1226 1 26 2 2 1 22 1 12 126 2 4 2 2 3 2 0 3 4 01 41 4 =0,5 2 não ser2 2t m mtcomo m ntt t t ttt t t tt tt tt tt t t t t t y yy e y t e t                                                        veAlternativa C
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-70062ª SOLUÇÃO:Como o relógio está atrasado 2 minutos, em "n" dias com adiantamento de"t" minutos por dia a hora estará certa, isto é:n t = 2 (1)Do mesmo modo, se estivesse atrasado 3 minutos em "n-1" dias coma 1diantamento do relógio em " " minutos a hora estará correta, ou seja:21 11 3 3 2 2 1 62 2 22 2 7 0 mas como nt = 24 2 7 0 2 3 0 2 3 (2)Pondo (2) em (1),tnn t nt t nt n tnt n tn t n t n t                                    2 21 2 1 2temos:2 3 2 2 3 2 0 3 4 01 41 4 =0,5 2 não serve2 2t t t t y yy e y t e t                   Alternativa C
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700606) Considere um triângulo e uma circunferência que passa pelos pontos médios dos seus trêslados. Se X, Y e Z, (X < Y < Z) são as medidas dos arcos dessa circunferência, em graus,exteriores ao triângulo, então(A) Z = 360° - y (B) Z = X + Y (C) X + Y +Z =180°(D) X + Y =180° (E) Z = 2X + YFazendo a figura de acordo com o enunciado e denotando os arcos conforme abaixo, temos:O arco AO por Z; O arco AM por X; O arco PN por Y; O arco MP por B eO arco NO por A.Observe que o quadrilátero AMNO é inscritível, pois, ON é paralelo a AB e MN é paralelo a AC,assim AMNO é um retângulo, logo os ângulos opostos são suplementares. Assim temos:Z + A = 180º e Z + X = 180º A = XA + Y + B = 180º Z + A = A + Y + B Z = Y + BComo MO é paralelo a BC, pois os pontos M e O são pontos médios, temos:AOM = MNB arco MP = arco A  M B = XDaí, como Z = Y + B Z = X + YAlternativa B
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700607) Se os lados de um triângulo medem, respectivamente 3X, 4X e 5X, em que X é umnúmero inteiro positivo, então a distância entre os centros dos círculos inscritos ecircunscritos a esse triângulo corresponde a(A)45x(B) 221 x(C) 2x (D)25x(E)65xSejam FC = a, EC = a, AF = R, AD = R, BD = b, BE = b.Onde R é o raio do cículo inscrito.a + R = 3XR + b = 4X como os lados são 3X, 4X e 5X, isso indica que o triângulo é retângulo.b + a =5X2a+ 2R + 2b = 12X a + R + b = 6XComo R + b = 4X a + R + b = 6X a = 2X4De a + R = 3X R = X e de R + b = 4X b = 3X5 6 5GE = BE - BG = GE = 3X - = GE =2 2 2Logo do triângulo OEG, temos:xX X X X   2 2 22 2 2 2 22X 5XD = X - D = X - D =2 4 45X X 5D = D =4 2X     Alternativa D
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-7006Observações sobre a questão 07:Se o triângulo for retângulo o raio do círculo inscrito é igual ao semi-perímetro menos ahipotenusa ou r = P - aTeorema: Em todo triângulo retângulo, a soma dos catetos é igual a soma dos diâmetrosdos círculos incrito e circunscrito ou seja b + c = 2r + 2RSe o triângulo retângulo tem os lados iguais a 3R, 4R e 5R, então os lados estão emProgressão aritmética, daí o raio do círculo inscrito é igual a razão (ou diferença entredois lados consecutivos) ou r = Razão.O problema poderia ter sido resolvido usando o teorema abaixo:Em qualquer triângulo à distância “D” do centro do círculo inscrito tendo “r” comoraio, ao centro do círculo circunscrito de raio R é dado pela relação. D = R R - 2rResolvendo o problema fazendo uso das observações acima temos:Como o triângulo tem os lados iguais a 3X, 4X e 5X r = X (raio do círculo inscrito)Sendo o triângulo retângulo, então 2R = 5X ( o diâmetro é igual a hipotenusa), assim:Usando a fórmula D = R× R - 2 25X 5Xr D = × -2X2 25 5 4 5 5 5D = D = D = D =2 2 2 2 2 4 2X X X X X X X             
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700608)Observe o quadrado acima em que as letras representam números naturais distintos desde 1até 9. Se a adição de três números de cada linha, de cada coluna ou de cada diagonal, dessequadrado, tem sempre o mesmo resultado, então a letra E representa o número:(A) 1 (B) 2 (C) 3 (D) 4 (E) 5Solução:Primeiramente temos:Observe que, como a, b, c, d, e, f, g, h, i são números distintos que variam de 1 a 9, então:Como 1 + 2 + 3 + 4 + 5 + 6 + 7 + 8 + 9 = 45 45Doa b c d e f g h i xa b c d e f g h i                  mesmo modo, temos que:45153Por outro lado temos:15153 60 45 3 601545153 60 45 3 15 5a b c d e f g h i a b c d e f g h ia e ic e ga b c d e f g h i e eb e hd e fe e e                                               Alternativa E
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700609) Justapondo-se os números naturais conforme a representação abaixo, onde o sinal * indicao último algarismo, forma-se um número de 1002 algarismos.1234567891011121314151617181920212223..................*O resto da divisão do número formado por 16 é igual a(A) 2 (B) 4 (C) 6 (D) 8 (E) 10Solução:Temos que:De 1 à 9 9-1+1 = 9 algarísmos189 algarísmosDe 10 à 99 99-10+1=90 90 2=180 algarísmosLogo 1002 - 189 = 813 algarísmos 813 3 271 númerosAssim, sendo X um número de três algarísmos, te    mos:X - 100 + 1 = 271 X = 271 + 100 - 1 X = 370Daí a seguência de números 1234567891011...368369370Fato teórico:Um número é divisível por dois se é par e um número é par se o último algarísmoa dire ita for divisível por dois ou seja é par (algarismo das unidades).Um número é divisível por quatro guando os dois últimos algarísmos da direitafor divisível por quatro (algarísmos das unidades e das dezenas).Um número é divisível por oito quando os três últimos algarísmos da direitafor divisível por oito (algarísmos das unidades, das dezenas e das centenas).Podemos mostrar que isso vale para dezesseis, isto é:Um número é divisível por dezesseis se os quatro últimos algarísmos dadireira for divisível por dezesseis.Então 16 | 1234567891011...368369370 16 | 9370Que tem como resto 10Alternativa E
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700610) Se 2 1x y  , com X e Y reais, então o maior valor da expressão 2 23x xy y  éigual a(A)45(B)47(C)813(D)817(E)1631Solução:     2 2 2 2 2 2 2 22 1 4 4 1 3 2 12 2 2 2 2 23 2 1 1 12 112 2O maior valor de 1, onde é ( ) 1, ou sejaé função de depende do valox y x xy y x xy y x x xyx xy y x x xy x x K K x xK x xK x x K K x x xK x ou                                  2 2r de , esse valor é obtido quando = .4Assim fazendo as contas, temos:4 1 4 1 1 55 5=4 4 1 4x Kab acK Ka               Alternativa A
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700611) Considere um triângulo eqüilátero ABC, inscrito em um círculo de raio R . Os pontos M e Nsão, respectivamente, os pontos médios do arco menor AC e do segmento BC . Se a reta MNtambém intercepta a circunferência desse círculo no ponto P, PM, então o segmento NPmede(A)27R(B)233R(C)1473R(D)75R(E)35RFazendo a figura conforme o enunciado, ligando os pontos B e M, P e C, A e N, temos a figuraabaixo:Observe que o triângulo BNO é retângulo com ângulos de 30º, 60º e 90º, como BO é igual aoRaio, denotado por R, temos que o lado oposto ao ângulo de 30º é igual à metade dahipotenusa e o lado oposto ao ângulo de 60º é igual a metade da hipotenusa vezes a raiz detrês.Os ângulos MBN e NPC são congruentes pois são metade do arco MC, do mesmo modo osângulos BMN e PCN são congruentes pois são metade do arco BP, logo os triângulos PCN eBMN são semelhantes, daí:
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-7006 22222 2= , mas antes de continuar temos que determinar MN, assim:3 3MN 2 2 2 cos 30º2 23MN 4 24PN NCBN MNR RR RRR            232RR 322 22 2 2 2 22 2 2 22 23 3MN 4 3 MN4 44 3 7 7 7MN MN MN MN4 4 4 4 2Daí, temos:=32R RR R RR R R R RRPN NC PNBN MN R              32R 7233927 2 79 7 9 7142 7 7RRPN PNR RPN PN      Alternativa C
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700612) Em um trapézio cujas bases medem A e B, os pontos M e N pertencem aos lados não-pararelos. Se o segmento MN divide esse trapézio em dois outros trapézios equivalentes,então a medida do segmento MN corresponde a(A) média aritmética de A e B. (B) média geométrica das bases.(C) raiz quadrada da média aritmética de A2e B2.(D) raiz quadrada da média harmônica de A2e B2. (E) média harmônica de A e B.Fazendo a figura conforme o enunciado, prolongando os lados não paralelos AD e BC de talmaneira que o ponto “P” seja a interseção desses prolongamentos, temos, assim construídotrês triângulos semelhantes, saber:(semelhantes), assim:222 2 22A área do trapézio ABMN pode ser dada porDo mesmo modo a área de MNCD pode ser dada porABP MNP DCPS a kABPS SSMNP DCPABP k S x kMNPa x bS b kDCPS SMNP ABPS SDCP MNP            Como essas áreas são equivalentes temos:22 2 2 22 2 2 2 2 2 22 22 2S S S S S S SMNP ABP DCP MNP MNP DCP ABPa b a bx k b k a k x a b x x                   Alternativa C
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700613) Dois ciclistas, com velocidades constantes, porém diferentes, deslocam-se em uma estradaretilínea que liga os pontos A e B. Partem de A no mesmo instante e quando alcançam B,retornam a A, perfazendo o movimento A-B-A-B, uma única vez. Quando o mais veloz alcançao ponto B, pela primeira vez, retorna no sentido de A encontrando o outro a 4 km de B.Quando o mais lento atinge o ponto B, retorna imediatamente e reencontra, no meio dopercurso, o outro que está vindo de A. Desprezando-se o tempo gasto em cada mudança nosentido de percurso, a distância entre os pontos A e B, em km, é igual a(A) 10 (B)12 (C)14 (D)16 (E) 18 4V V4 4 4V e V 14V V 4dd d dx t xx y dt t dy yt            22 52 2V V V V 52 2 1 2 2V e V 23V V V V 31 12 2 21De 1 e 2 , temos:4 53 12 5 20 2 32 164 3ddd d d dd d dtx x x xx y d d dt td dy y y ytdd d d dd                    Alternativa D
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700614) Considere a equação 2 26 m 1 0x x    com o parâmetro m inteiro não nulo. Seessa equação tem duas raízes reais e distintas com o número 4 compreendido entre essasraízes, então o produto de todos os possíveis valores de m é igual a(A)-2 (B)-1 (C) 2 (D) 4 (E) 6Solução:2 2 2 22 2Seja p(x) = 6 m 1 para x = 4 p(4) = 4 6 4 m 1p(4) = 16 24 m 1 p(4) = m 9Por teoria sabemos que a condição para um número (alfa) estar entre as raízesdox x             22Trinômio do Segundo Grau, ( ) é que a p( ) < 0.Assim a p(4) < 0, como a = 1 m 9 0p x ax bx c                Logo m 3, 3 , sendo que m 0 pelo enunciado.Daí "m" pode ser um dos valores do conjunto abaixo:-2, -1, 1, 2Assim o Produto = 2 1 1 2 4       Alternativa D
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700615) João vendeu dois carros de modelo SL e SR, sendo o preço de custo do primeiro 20% maiscaro que o do segundo. Em cada carro teve um lucro de 20 % sobre os seus respectivos preçosde venda. Se o total dessa venda foi R$ 88 000,00, o preço de custo do segundo modelo era,em reais, igual a(A) 30 000,00 (B) 32 000,00 (C) 34 000,00(D) 35 000,00 (E) 36 000,00Solução:Fato teórico: Venda com lucro – A venda de mercadorias pode oferecer um lucro e esse lucropode ser sobre o preço de custo ou sobre o preço de venda.Quando o lucro incidir sobre o PREÇO DE CUSTO, este valor será o principal, e como tal,corresponderá a 100%. Do mesmo modo quando o lucro incidir sobre o PREÇO DE VENDA,este valor será o principal, e como tal, corresponderá a 100%.SL preço 1,2 X1,2X + X = 2,2XSR preço X2,2 X __________ 80%2,2X × 100% = 88000 × 80% X = 3200088000 __________ 100% Alternativa E
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700616) Se X é um número inteiro tal que 1532 2 xxx , o número de elementos doconjunto solução dessa inequação é igual a(A) 0 (B) 1 (C) 2 (D) 3 (E) 4Solução:   2 22 3 5 1 antes de mais nada temos que 2 3 5 05 51 ou seja , 1, + e2 2Do mesmo modo 1 0 1 ou seja 1, + , feito isso, temos:222 22 3 5 1 2 3 5x x x x xx ou x xx x xx x x x x x                                      2 2 12 6 0 3 2 ou seja 3, 2.xx x x x           Das condições acima e tendo em mente que "x" tem que ser inteiro, temos que 1, 2x Alternativa C
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700617) Se um segmento AB tem 2 cm de comprimento, então a flecha do arco capaz de 135 °desse segmento mede(A) 12  (B) 2 (C) 12  (D) 3 (E) 22 1ª SOLUÇÃO: Fazendo a figura conforme o enunciado, temos:2 2 22 2 2 2 2Do triângulo ABC, temos:Usando a Lei dos cossenos 2 2 cos 135º2 2 2 2 44 2 2 4 2 1 22 2 2 2 2Agora vamos determinar o valor da flexa CD, observando o triânx x x xx x x x x                                              2 2 2 2 22 2 222 2 222gulo ACD, temos:4 2 241 12 2 2 22 2 2 24 2 2 2 22 2 2 2 2 2 2 24 2 2 2 2 4 4 2 2 6 4 24 2 2 23 2 2 3 2 2 Observe que 2 2 2 1 23 2 2 2 1 2 1x CD CD CDCD CD CDCD CD CDCD CDCD CD                                               Alternativa C
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-70062ª SOLUÇÃO: Uma saída rápida para QUESTÃO 17 é observar que AB é o lado doquadrado inscrito, isto é:2 2 2 22l = R 2 R 2 = 2 R= R = 24 2Ou observando o triângulo HOG R 1 1 R = 2 R = 2Observe que DO é igual a metade do lado do quardrado ou seja igual a 1,então como DC = CO - DO DC = 2-1raio      
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700618) Se a,b, c são algarismos distintos, no sistema de numeração decimal existe um úniconúmero de dois algarismos  ab tal que      2 2 2ab ba cc  .O valor de  a + b + c é igual a:(A)11 (B)12 (C)13 (D)14 (E) 15Solução:                        2 2 2 2 2 2222 210 10 1010 10 10 10 1011 11 9 9 1111 9 11 11ab ba cc a b b a c ca b b a a b b a c ca b a b ca b a b c                                 29 11 11a b a b c           2229 11 19 3116 e 51Daí a + b + c = 6 + 5 + 3 = 14Observações:Se 9 11 11Daí 3 11 11 2 para ser quadrado perfeito7 (menor valor) 3a b a b cc ca ba ba bc a b a b a bc a b c b b c bb c                                      25 15 que não convém ao problema, poisa, b e c são algarismos na base dez .Se 9 11 11Daí 3 3 11 3 11 2 para ser quadrado perfeito,temos:Se b 1 9, mas se b 1 10, nãocc a b a b a bc a b c b b c bc a                        serve;Se b 5 3, mas se b 5 6, daí 6 5 3 14 ok, serve ao problema.c a a b c           Alternativa D
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700619) Se a e b são dois números reais, denotarmos por  min ,a b o menor dos números a eb, isto é,  a, se a bmin ,a, se a ba b O número de soluções inteiras negativas da inequação  min 2x-7, 8 – 3x - 3x + 3 éigual a(A) 0 (B) 1 (C) 2 (D) 3 (E) 4Essa questão pelo erro de digitação  a, se aa, sebmainb,a b estaria ANULADA.Observação: Minha solução está sendo baseada na prova azul original e não digitação feitapor terceiros.Desconsiderando o erro, temos: min 2x-7, 8 – 3x - 3x + 3a) se 2x - 7 8 - 3x 2x + 3x 8 + 7 5x 15 x 3Resolvendo:2x - 7 > -3x + 3 5x > 10 x > 2 -, logo 2 < x 3b) se 2x - 7 8 - 3x 2x + 3x 8 + 7 5x 15 x 3Re              solvendo:8 - 3x > - 3x + 3 8 > 3 isso é verdade qualquer que seja o valor de x,mas como inicialmente x 3.Assim pelos itens a e b não existem soluções negativas.Alternativa A
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-700620) Considere os triângulos ABC e MNP. Se as medidas dos lados do segundo triângulo são,respectivamente, iguais às medidas das medianas do primeiro, então a razão da área de MNPpara a área de ABC é igual a(A)31(B)21(C)32(D)43(E)651ª SOLUÇÃO: Supondo que ABC seja eqüilátero, temos: 2 31 que é a área de um triângulo equilátero qualquer.4Sabendo-se que em um triângulo equilátero todos os pontos notáveis seconfundem (ou seja são coincidentes), temos que a mediana é a altura,lSABC    bissetriz e mediatriz. Assim o lado do triângulo MNP (equilátero) é23323usando a fórmula anterior2 42 3 33 324 24 16Daí e de 1 e 2 , :23 32162 34llSMNPlS S lMNP MNPvemllS SMNP MNPS SlABC ABC          3 31642l 3434SMNPSABC Alternativa D
  • Prof. Carlos LoureiroFormado Matemática -UFF – Niterói/RJCurso de Capacitação Permanente para Professores de Matemática do Ensino Médio no IMPAPromovido pela FAPERJ – SBM – IMPAPÓS Graduando UFRJ - Ensino da MatemáticaPÓS Graduando UFF - Novas Tecnologias no Ensino da Matemáticaprofessorcarlosloureiro@hotmail.com(21) 8518-70062ª SOLUÇÃO: Seja um triângulo ABC qualquer, seja “G” o ponto de encontro das três medianas(baricentro), é sabido que o baricentro divide a mediana na razão dois pra um, desse modopodemos construir a figura abaixo. Outro fato importante é que o baricentro determina emqualquer triângulo seis triângulos que possuem a mesma área, isto é, se a área do triânguloABC é S, então a área de cada um dos triângulos formados será S dividida por seis.Seja “D” o ponto médio do segmento CG, ligando os pontos “D” e “N” e observando otriângulo ACG, podemos concluir que DN é paralelo a AG e sua medida é metade de AG, assimsendo o triângulo DNG tem os lados com medidas X, Y e Z. O triângulo MNP formado pelasmedianas do triângulo ABC, tem lados cujas medidas são 3X, 3Y e 3Z, logo os triângulos DNG eMNP são semelhantes (caso LLL – lados proporcionais).Da semelhança entre os triângulos DNG e MNP, temos:S xDNGSMNP3 x2 21 13 9Mas pois á área de DNG é igual a metade da área do triângulo CNG.121 3Daí, 9 99 12 434Como a área de ABC é SS SDNG DNGS SMNP MNPSSDNGS S SDNG S S SMNP DNG MNPSMNPSS SMNP MNPS S SABC AB                    3 SC 4S34Alternativa D