• Save
Que sentido para a existência humana? (I)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
742
On Slideshare
742
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A Filosofia e o Sentido ..... Prof. Joaquim Melro
  • 2. Porque existe o ser e não o nada? Heideger
  • 3. “ Ah, perante esta única realidade, que é o mistério, 
 Perante esta única realidade terrível — a de haver uma realidade, 
 Perante este horrível ser que é haver ser, 
 Perante este abismo de existir um abismo, 
 Ser um abismo por simplesmente ser, 
 Por poder ser, 
 Por haver ser.” Álavaro de Campos
  • 4. “ Homem! Deixa a natureza aos Deuses e conhece-te a ti mesmo!” Sócrates
  • 5. Inútil definir este animal aflito. Nem palavras, nem cinzéis, nem acordes, nem pincéis são gargantas deste grito. Universo em expansão. Pinceladas de zarcão desde mais infinito a menos infinito. António Gedeão
  • 6.
    • Qui aimes-tu le mieux, homme énigmatique, dis ?
ton père, ta mère, ta soeur ou ton frère ?
- Je n'ai ni père, ni mère, ni soeur, ni frère.
- Tes amis ?
- Vous vous servez là d'une parole dont le sens m'est resté jusqu'à ce jour inconnu.
- Ta patrie ?
- J'ignore sous quelle latitude elle est située.
- La beauté ?
- Je l'aimerais volontiers, déesse et immortelle.
- L'or ?
- Je le hais comme vous haïssez Dieu.
- Eh ! qu'aimes-tu donc, extraordinaire étranger ?
- J'aime les nuages... les nuages qui passent... là-bas...
là-bas... les merveilleux nuages !
    • Charles Baudelaire
  • 7. “ (…) Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!” José Régio
  • 8. Mais do que a um país 
Que a uma família ou geração 
Mais do que a um passado 
Que a uma história ou tradição 
Tu pertences a ti 
Não és de ninguém 
 Mais do que a um patrão 
Que a uma rotina ou profissão 
Mais do que a um partido 
Que a uma equipa ou religião 
Tu pertences a ti 
Não és de ninguém 

Vive selvagem 
E para ti serás alguém 
Nesta viagem 

Quando alguém nasce, 
Nasce selvagem 
Não é de ninguém Resistência
  • 9. “ O homem não é nada mais do que aquilo que faz a si próprio”. Jean-Paul Sartre