Que sentido para a existência humana? (I)

459
-1

Published on

Published in: Education, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
459
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Que sentido para a existência humana? (I)

  1. 1. A Filosofia e o Sentido ..... Prof. Joaquim Melro
  2. 2. Porque existe o ser e não o nada? Heideger
  3. 3. “ Ah, perante esta única realidade, que é o mistério, 
 Perante esta única realidade terrível — a de haver uma realidade, 
 Perante este horrível ser que é haver ser, 
 Perante este abismo de existir um abismo, 
 Ser um abismo por simplesmente ser, 
 Por poder ser, 
 Por haver ser.” Álavaro de Campos
  4. 4. “ Homem! Deixa a natureza aos Deuses e conhece-te a ti mesmo!” Sócrates
  5. 5. Inútil definir este animal aflito. Nem palavras, nem cinzéis, nem acordes, nem pincéis são gargantas deste grito. Universo em expansão. Pinceladas de zarcão desde mais infinito a menos infinito. António Gedeão
  6. 6. <ul><li>Qui aimes-tu le mieux, homme énigmatique, dis ?
ton père, ta mère, ta soeur ou ton frère ?
- Je n'ai ni père, ni mère, ni soeur, ni frère.
- Tes amis ?
- Vous vous servez là d'une parole dont le sens m'est resté jusqu'à ce jour inconnu.
- Ta patrie ?
- J'ignore sous quelle latitude elle est située.
- La beauté ?
- Je l'aimerais volontiers, déesse et immortelle.
- L'or ?
- Je le hais comme vous haïssez Dieu.
- Eh ! qu'aimes-tu donc, extraordinaire étranger ?
- J'aime les nuages... les nuages qui passent... là-bas...
là-bas... les merveilleux nuages ! </li></ul><ul><li>Charles Baudelaire </li></ul>
  7. 7. “ (…) Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: &quot;vem por aqui&quot;!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!” José Régio
  8. 8. Mais do que a um país 
Que a uma família ou geração 
Mais do que a um passado 
Que a uma história ou tradição 
Tu pertences a ti 
Não és de ninguém 
 Mais do que a um patrão 
Que a uma rotina ou profissão 
Mais do que a um partido 
Que a uma equipa ou religião 
Tu pertences a ti 
Não és de ninguém 

Vive selvagem 
E para ti serás alguém 
Nesta viagem 

Quando alguém nasce, 
Nasce selvagem 
Não é de ninguém Resistência
  9. 9. “ O homem não é nada mais do que aquilo que faz a si próprio”. Jean-Paul Sartre

×