PINE: IPCA E SEUS CONDICIONAMENTOS ATUAIS

339 views
314 views

Published on

Na agenda brasileira desta semana destacamos as surpresas negativa, em termos de maior inflação, na divulgação do IGP-DI (observado: 1,52%, Pine: 1,45%, último: 0,69%) e do IPCA de julho (observado: 0,43%, Pine: 0,39%, último: 0,08%). Com isto, o IGP-DI acumulado nos últimos 12 meses passou de 5,7% para 7,3%, maior patamar desde setembro/11, enquanto o IPCA teve sua primeira aceleração (5,2%) desde setembro último também. Para agosto, a nossa expectativa preliminar é de IPCA em 0,36%, abaixo portanto da variação mensal de julho, e IGP-DI pouco abaixo de 1,00%.

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
339
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PINE: IPCA E SEUS CONDICIONAMENTOS ATUAIS

  1. 1. Na agenda brasileira desta semana destacamos as surpresas negativa, em termos de maiorinflação, na divulgação do IGP-DI (observado: 1,52%, Pine: 1,45%, último: 0,69%) e do IPCA dejulho (observado: 0,43%, Pine: 0,39%, último: 0,08%). Com isto, o IGP-DI acumulado nosúltimos 12 meses passou de 5,7% para 7,3%, maior patamar desde setembro/11, enquanto oIPCA teve sua primeira aceleração (5,2%) desde setembro último também. Para agosto, anossa expectativa preliminar é de IPCA em 0,36%, abaixo portanto da variação mensal dejulho, e IGP-DI pouco abaixo de 1,00%. Fontes: IBGE, FGV e Pine ResearchNeste ambiente, revisamos para cima nossas projeções de IPCA de 2012 para 5,0% (4,8%anterior), em linha com a mediana das projeções do Relatório Focus, e de IGPs mais próximosde 8,0% (anteriormente em 7,5%). Como temos alertado há um tempo, diferente do cenáriode melhora proeminente da inflação no 1S12, para segundo é importante considerar os riscosinflacionários advindos (i) da seca norte-americana, que hoje afeta o preço dos grãos e ospreços ao produtor brasileiro e (ii) da opção do governo em manter o real em nívelrelativamente desvalorizado (ver gráfico abaixo), fato que tende a potencializa o efeitoinflacionário da alta das commodities.
  2. 2. Fontes: IBGE, BCB e Pine ResearchIsto, não devemos esquecer, em um ambiente de pleno emprego e com perspectiva deaceleração da atividade: ainda que a hiato do produto, segundo nosso cálculos, devapermanecer negativo (produto efetivo abaixo do “potencial”) pelos próximos trimestres, amanutenção da taxa de desemprego abaixo de 6,0%-6,5% implica o crescimentodo PIB realacima do seu potencial (estimado) no início de 2013 (gráficos abaixo).
  3. 3. Fontes: IBGE e Pine ResearchA crise externa, de fato, amortece esta tendência. De qualquer forma, é necessário percebera discrepância entre a produção brasileira e a demanda doméstica e, da mesma forma, adesconexão entre a inflação de bens comercializáveis no exterior e não-comercializáveis, osquais são diretamente ligados à economia interna. Em resumo, os riscos daqui para frente sãode inflação maior, contidos pela perspectiva de baixo crescimento mundial e pelapossibilidade de novas rodadas de desonerações por parte do governo. Assim, estimamos IPCAvindo de 5,0% em 2012 para 5,3% ao final de 2013.
  4. 4. Fontes: IBGE e Pine ResearchResearch: Economia - PINEMarco MacielMarco Antonio Caruso Caso não queira receber mais esta mensagem, responda a este e-mail digitando a palavra "REMOVER" no campo assunto.

×