Your SlideShare is downloading. ×
PINE Flash Note: Câmbio - O sucesso da "Linha Maginot Tupiniquim"
PINE Flash Note: Câmbio - O sucesso da "Linha Maginot Tupiniquim"
PINE Flash Note: Câmbio - O sucesso da "Linha Maginot Tupiniquim"
PINE Flash Note: Câmbio - O sucesso da "Linha Maginot Tupiniquim"
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

PINE Flash Note: Câmbio - O sucesso da "Linha Maginot Tupiniquim"

826

Published on

O termo "Linha Maginot" é originário da primeira guerra mundial e se refere à construção de um sistema de fortificações para defesa da França contra seus agressores. Infelizmente, ele foi usado como …

O termo "Linha Maginot" é originário da primeira guerra mundial e se refere à construção de um sistema de fortificações para defesa da França contra seus agressores. Infelizmente, ele foi usado como metáfora para algo em que se utiliza apesar da sua ineficiência. Contudo, a Linha Maginot cumpriu o que se propunha: ela protegeu uma parte da França e forçou o inimigo a contorná-la via mar do Norte, pois a sua construção foi interrompida antes de chegar até lá. Este não é o caso do Brasil; a nossa Linha Maginot contra a crise externa e a volatilidade da taxa de câmbio perfaz USD 375 bilhões. Ou seja, ela está muito sólida e é difícil contorná-la principalmente após as fortificações reforçadas advindas dos IOFs da vida.

A fim de analisar isso, neste relatório nós mensuramos os fluxos líquidos e a oferta de dólares pelo saldo de derivativos - em um contexto de crise e elevação da volatilidade cambial -, as intervenções do Banco Central e a resposta de nossos modelos a este cenário. De olho apenas nos fluxos e nos derivativos, percebemos três fatores pressionando a desvalorização do real: (i) enfraquecimento do fluxo líquido de dólares, especialmente pela via financeira, (ii) posição total liquida vendida em real por parte dos estrangeiros no mercado de derivativos e, (iii) até o final de abril, as compras de dólares por parte do BC.

Esses três movimentos combinados com o acirramento da crise externa, o que aumenta a volatilidade da taxa de câmbio em relação à sua tendência estrutural, levariam o real médio mensal para o intervalo entre 1,95/USD e 2,02/USD no curto prazo. Além disso, acreditamos que o BC deve vender dólares no mercado a fim de manter o teto do real entre 2,05/USD e 2,11/USD entre maio e agosto. Os nossos cálculos para as intervenções do BC levam em consideração muito mais os efeitos disruptivos do aumento da desvalorização cambial e da abrupta elevação de sua volatilidade sobre o ambiente de negócios e sobre os investimentos corporativos do que o repasse da desvalorização do real para a inflação. Em outras palavras, caso o BC deixe a depreciação do real escorregar para níveis superiores a 2,10/USD, assumindo (é claro) elevada volatilidade, a nossa projeção para taxa de crescimento do PIB em 2012 seria revisada para um patamar inferior aos 2,3% que estimamos atualmente.
O presente texto é elaborado pela equipe de pesquisa econômica do PINE, banco focado em soluções de crédito para grandes empresas.

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
826
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Pine Flash Note: Câmbio – O sucesso da “Linha Maginot Tupiniquim”24 de maio de 2012 O Banco Central divulgou ontem à tarde os números do fluxo cambial referentes à terceira semana de maio, encerrada no último dia 18. Em comparação com as duas primeiras semanas, destacamos: • O fluxo comercial líquido (exportação menos importação) permanece positivo (USD 1,9bi), com números robustos frente à média histórica e à média observada desde o início do ano; mais interessante, a melhora do saldo comercial líquido se deu tanto pela ampliação das exportações (de USD 5,1bi para USD 5,7bi) quanto pela redução das importações (de USD 4bi para USD 3,8bi). No mês, contudo, o fluxo comercial acumulado (USD 3,7bi) perde força frente a abril (USD 7,5bi) e março (USD 6bi). Provavelmente, a desvalorização do real no mês passado frente a março e fevereiro, os IOFs (de outrora) sobre as posições vendidas em moeda estrangeira e, principalmente, as expectativas de desvalorização mais significativa do real frente ao dólar levaram os exportadores a postergarem as vendas da moeda norte- americana. • O fluxo financeiro líquido (compra menos venda de ativos financeiros) permanece negativo, com aceleração de sua queda para -USD 2,8bi; de fato, esta linha é responsável pelo recuo preliminar, observável no gráfico abaixo, do saldo líquido total de maio (comercial líquido decrescido do fluxo financeiro líquido). Para efeitos de comparação mensal, fizemos as respectivas médias diárias (já que maio ainda não acabou) que confirmam a forte influência da saída líquida de fluxos financeiros sobre desvalorização do real rumo a 2,0/USD (em média). Não há dúvida que a combinação de IOFs sobre posições vendidas em dólares com o acirramento da crise europeia responde pela saída líquida de dólares via segmento financeiro, pela queda da liquidez no mercado spot e futuro de câmbio e pela forte desvalorização do real no curto prazo. Fluxo líquido de dólares (comercial e financeiro) – média mensal diária 775 média diária (USD mln) 575 375 175 (25) (225) (425) jul-11 jan-11 jan-12 abr-11 abr-12 out-11 (X-M) Financeiro líquido Saldo Fonte: BC; elaboração: Pine Research • Levando em consideração apenas o enfraquecimento do fluxo, entendemos a queda do apetite do BC nas compras de dólares, o qual não havia feito nenhuma intervenção no câmbio ao longo de maio (até o dia 18) em função das baixíssimas liquidez e 1
  • 2. volatilidade de mercado. O inverso ocorreu em março e abril, quando o BC mais do que enxugou o saldo líquido de entrada de dólares (ver gráfico abaixo), apesar de o nível de volatilidade ter permanecido relativamente baixo nos dois meses anteriores, indicando o claro objetivo do BC de desvalorizar o real. Fluxo líquido de dólares x intervenções do BC no mercado de câmbio 15.000 12.500 10.000 7.500 5.000 2.500 0 -2.500 -5.000 jan-11 jan-12 abr-11 abr-12 jul-11 out-11 Saldo Intervenções BC (Comercial+Financeiro) (+ compra) Fonte: BC; elaboração: Pine ResearchPara termos uma ideia mais ampla da oferta de dólares no país, ou seja, não restrita apenasao mercado spot de divisas estrangeiras, nós acompanhamos a posição líquida dosestrangeiros tanto no dólar futuro quanto no mercado de cupom cambial (DDI). Estas têmpouco oscilado em torno de zero (sem direção clara pró-real ou pró-dólar) desde meados deabril. Entretanto, desde a segunda semana de maio, as posições líquidas vendidas em reais,ou pró-dólar, têm sido caracterizadas por um pouco mais de tração. O gráfico abaixo tambémilustra a força das medidas do governo para conter as apostas no real apreciado no mercadofuturo. Posições líquidas dos bancos estrangeiros 17.000 12.000 Vendido BRL 7.000 2.000 -3.000 -8.000 -13.000 Comprado BRL -18.000 -23.000 jan-09 jan-10 jan-11 jan-12 jul-09 jul-10 jul-11 Estrangeiros BMF Fonte: BM&F; elaboração: Pine Research 2
  • 3. Logo, de olho apenas nos fluxos e nos derivativos, percebemos três fatores pressionando adesvalorização do real: (i) enfraquecimento do fluxo líquido de dólares, especialmente pelavia financeira, (ii) posição total liquida vendida em real por parte dos estrangeiros nomercado de derivativos e, (iii) até o final de abril, as compras de dólares por parte do BC. Fluxo líquido total de dólares + saldo de derivativos x R$/USD jan-07 jan-08 jan-09 jan-10 jan-11 jan-12 jul-07 jul-08 jul-09 jul-10 jul-11 -15.000 2,5 -10.000 2,4 -5.000 2,3 2,2 0 2,1 5.000 2,0 10.000 1,9 15.000 1,8 20.000 1,7 25.000 1,6 30.000 1,5 FLUXO TOTAL (saldos + derivativos) BRL médio Fonte: BC e BM&F; elaboração: Pine ResearchEsses três movimentos combinados com o acirramento da crise externa, o que aumenta avolatilidade da taxa de câmbio em relação à sua tendência estrutural, levariam o real médiomensal para o intervalo entre 1,95/USD e 2,02/USD no curto prazo (entre junho e setembro).Essas duas curvas estão representadas pelas duas linhas inferiores da região hachurada nográfico a seguir. A linha inferior mostra a tendência que calculamos para o real, em torno de1,75/USD, se não houvesse tanto crise (portanto, com volatilidade muito baixa) quantodistorções de impostos e contribuições. A linha imediatamente superior à tendência mostra ocâmbio médio mensal contaminado por crises externas, volatilidade mais alta e distorçõesadvindas dos IOFs da vida. Logo, o teto do real no gráfico abaixo (ver a linha Sup mensal_vol)descreve o eventual caminho extremo (superior) do câmbio no curto prazo (de maio aagosto), entre 2,11/USD e 2,20/USD, caso o BC não interviesse no mercado por meio da vendade dólares via derivativos. Logo, o BC deve vender dólares no mercado a fim de manter oteto do real entre 2,05/USD e 2,11/USD entre maio e agosto, o que está representado nográfico por meio da linha Câmbio_BC.Os nossos cálculos para as intervenções do BC levam em consideração muito mais os efeitosdisruptivos do aumento da desvalorização cambial e da abrupta elevação de sua volatilidadesobre o ambiente de negócios e sobre os investimentos corporativos do que o repasse dadesvalorização do real para a inflação. Em outras palavras, caso o BC deixe a depreciação doreal escorregar para níveis superiores a 2,10/USD, assumindo (é claro) elevada volatilidade, anossa projeção para taxa de crescimento do PIB em 2012 seria revisada para um patamarinferior aos 2,3% que estimamos atualmente. 3
  • 4. Modelo Pine de câmbio: tendência e vol x extremos e intervenções do BC BRL: tendência (modelo estrutural) x vol 2,5 2,4 2,3 2,2 2,1 2,0 1,9 1,8 1,7 1,6 1,5 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 mai/08 mai/09 mai/10 mai/11 mai/12 set/08 set/09 set/10 set/11 set/12 Sup mensal_vol Média mensal_tendência Média mensal_vol Câmbio_BC Fonte: Bloomberg; elaboração: Pine ResearchMarco Antonio Maciel Marco Antonio CarusoEconomista-chefe EconomistaBanco Pine Banco PineDisclaimer: Esta matéria é de caráter estritamente informativo. O Pine não se responsabiliza porquaisquer decisões tomadas tendo como base os dados e comentários contidos neste material. 4

×