A representação do espaço geográfico
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A representação do espaço geográfico

on

  • 61,836 views

 

Statistics

Views

Total Views
61,836
Views on SlideShare
61,821
Embed Views
15

Actions

Likes
4
Downloads
451
Comments
3

3 Embeds 15

http://trabsdegeo.blogspot.com 10
http://www.trabsdegeo.blogspot.com 4
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A representação do espaço geográfico A representação do espaço geográfico Presentation Transcript

  • Geografia Homem & Espaço 1º Ensino MédioA representação do espaço geográfico.
    Prof. João Luís Paiva
  • Observe as representações e a fotografia.
    Vegetação original (Mata Atlântica) no município do Una (BA).
    Mário Yoshida
    Fonte:Veja. São Paulo: Abril, 1197. p. 82-83 (adaptado).
    Mata Atlântica no município do Una, BA.
  • Conversa
    Os mapas e a fotografia são de que lugar?
    Em sua opinião, os mapas e a fotografia fornecem algum tipo de informação? Por quê?
    Houve modificação na paisagem com o passar do tempo? O que mudou?
  • Como estão representados:
    os rios?
    A vegetação original?
    Os limites de município?
    O oceano?
    A área central do espaço urbano de Una?
    De que forma você obteve essas informações?
    Em sua opinião, o que é um mapa?
  • Mapas
    São a representação da superfície curva do planeta Terra
    Eles nos oferecem uma visão vertical do espaço geográfico.
    sobre uma superfície plana, ou seja, uma folha de papel.
    Esse tipo de visão, no entanto, em geral não corresponde ao modo como observamos os elementos.
    Ao olharmos para uma árvore, uma casa, um prédio, uma estrada ou uma ponte, a visão que temos é lateral ou oblíqua.
    Mesmo do alto de um edifício com muitos andares ou da janela de um avião, enxergamos a superfície e seus elementos de maneira oblíqua.
  • Delfim Martins / Pulsar Imagens
    BASE – Aerofotogrametria e Projetos S/A
    Visão vertical de trecho da cidade de Florianópolis, SC (2002).
    Visão oblíqua de trecho da cidade de Florianópolis, SC (2007).
  • A interpretação de mapas
    Os mapas contêm informações sobre o espaço geográfico.
    Ao interpretá-los, tomamos conhecimento de determinados aspectos e características do espaço.
    Por essa razão, os mapas são recursos de grande utilidade para a Geografia.
  • As informações dos mapas estão representadas por:
    símbolos, cores e linhas.
    Recursos visuais gráficos que, aplicados aos mapas, recebem o nome de cartográficos.
    Para ler mapas, precisamos interpretar seus recursos visuais cartográficos.
    Por isso, afirmamos que os mapas apresentam uma linguagem gráfica.
  • Analise o mapa.
    Brasil - vegetação (início do século XXI)
    Carlos Tadeu de Carvalho Gamba
  • Conversa
    Um dos elementos do mapa é o título, que, de certa forma, resume as suas informações. No caso desse mapa, o título está na parte superior. Qual é ele?
    A escala informa quantas vezes o espaço foi reduzido para ser representado por meio do mapa. Coloque uma régua sobre a escala para medir o intervalo, em centímetros, entre o zero e o 533. A quantidade de centímetros refere-se ao mapa; a de quilômetros, à medida real. Quantos centímetros do mapa representam 533 km na realidade?
  • No mapa existem símbolos, cores e linhas. Para saber seus significados, o que devemos observar?
    Quais informações do espaço geográfico podemos obter ao interpretar a linguagem gráfica desse mapa?
    Cite estados cuja vegetação foi alterada pela ação humana.
    Cite estados que no início do século XXI apresentavam áreas amplas de vegetação original.
  • No mapa, vimos que a paisagem vegetal pode ser representada por meio de cores, assim como o oceano e a área devastada pela ação humana. Em todos os mapas, a cor azul é destinada à representação de rios, lagos e oceanos.
    Ao ler e analisar o mapa, observamos que boa parte da vegetação foi alterada pela ação humana.
    Isso pode nos levar a alguns questionamentos:
    Quais as consequências dessa ação para os animais, os vegetais, o solo, os rios e para a sociedade?
    Por que ocorreu a derrubada da vegetação?
    Ao buscar respostas para essas perguntas, estamos, na verdade, analisando as relações dos seres humanos entre si e com a natureza. Estamos analisando o espaço geográfico.
  • Cartografia e cartógrafo
    A elaboração de mapas é uma das atividades realizadas pela cartografia. Ela engloba tarefas como: a obtenção de informações sobre o espaço a ser mapeado, a pesquisa em livros e outros escritos, a confecção de mapas, a sua impressão e a sua publicação. O cartógrafo é o profissional que trabalha na elaboração de mapas.
  • Projeções
    A representação da superfície da Terra num plano só é possível graças as projeções. Esse tipo de representação, porém, apresenta alguns problemas. É como abrir uma bola de futebol em gomos e tentar montar com eles uma figura plana como um retângulo.
    Ao unir os “gomos” que se formam, o que acontece com a superfície dos continentes, principalmente nos trechos próximos aos polos?
  • Para representar uma superfície curva, como a da Terra, em uma superfície plana, é preciso fazer algumas alterações de suas formas.
    Uma das aplicações mais importantes das projeções é o planisfério, que é a representação de toda a esfera em um só plano. Uma das projeções mais utilizadas para a elaboração do planisfério terrestre é a cilíndrica, criada em 1569 pelo cartógrafo Mercator.
    Se você observar o globo terrestre, verá que os paralelos são círculos de tamanhos diferentes, dos quais o maior é o Equador. Eles vão ficando menores conforme se aproximam dos polos. Os meridianos são semicírculos de mesmo tamanho que vão de um polo ao outro.
    Veja ao lado a projeção de Mercator.
    Mário Yoshida
    Fonte:Atlas Britannica. Encyclopaedia Britannica, 1995. p. 35 (adaptado).
  • Projeção de Peters
    Projeção de Robinson
    Fonte: Arno Peters. Peters Atlas. Paris: Vicens-Vives, 1991. p. 11 (adaptado).
    Fonte: Atlas Britannica. Encyclopaedia Britannica, 1995. p. 2 (adaptado).
  • Escalas
    Como o mapa é uma representação reduzida de uma superfície maior, pode haver deformações.
    Todo mapa é feito em uma determinada escala. Ela indica quantas vezes o tamanho real do lugar representado foi reduzido.
    Essa redução deve ser realizada, portanto, de modo a manter as proporções das diversas medidas.
    A escala deve vir indicada em todo o mapa, informando a relação entre o tamanho do desenho e o tamanho real.
    A redução proporcional é feita por meio de escalas. O uso de escalas possibilita reduzir o tamanho de uma superfície e, ao mesmo tempo, conservar suas proporções.
    Essa indicação pode ser feita de duas formas: por meio de escala numérica ou da escala gráfica.
  • Escala numérica
    Brasil – Divisão política
    A quantidade de vezes que um mapa foi reduzido pode ser indicada na escala numérica. Na escala 1 : 100, por exemplo, a redução é de 100 vezes e na escala 1 : 1000 de 1000 vezes.
    Toda escala numérica deve ser lida da seguinte forma:
    • 1 : 100 (1 para 100 — cada
    1 cm desenhado equivale a
    100 cm reais).
    Mário Yoshida
    Fonte:Atlas Nacional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p. 33 (adaptado).
    A escala do mapa do Brasil ao lado é de 1 : 60 000 000 (1 para 60 milhões). Isso significa que cada 1 cm no mapa equivale a
    60 000 000 cm reais.
    Mas, para fazer uma leitura da escala, é preciso transformar essa medida em quilômetros, de modo que se possa ter uma noção concreta de distância.
  • Escala gráfica
    Brasil – Divisão política
    É apresentada em uma linha reta dividida em partes iguais, como uma régua.
    Mário Yoshida
    Nela, as distâncias reais já estão indicadas. No mapa, cada espaço de 1 cm corresponde a 600 km de terreno; 2 cm correspondem a 1.200 km, e assim sucessivamente.
    Fonte:Atlas Nacional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p. 33 (adaptado).
  • Escalas maiores e escalas menores
    Observe os mapas.
    Fonte:Atlas Nacional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p. 33 (adaptado).
  • Conversa
    Em qual dos mapas o espaço foi reduzido mais vezes?
    Qual desses mapas representa mais elementos, ou seja, em qual deles há mais detalhes?
  • No mapa 1, ao observar a escala gráfica, verificamos que 1 cm corresponde a 790 km do espaço. A escala numérica desse mapa seria 1 : 79 000 000. No mapa 2, a escala indica que 1 cm corresponde a 290 km do espaço. A sua escala numérica seria 1 : 29 000 000.
    No mapa 1, o espaço foi reduzido 79 000 000 (79 milhões) de vezes. No mapa 2, o espaço foi reduzido 29 000 000 (29 milhões) de vezes. Se é assim, qual mapa apresenta escala maior?
    A escala maior é a do mapa 2, pois o espaço representado foi reduzido menos vezes. É por isso que é possível aplicar mais detalhes nesse mapa, como as capitais e as cidades principais. Se fôssemos representar todas essas cidades na região Centro-Oeste no mapa 1, os nomes, além de muito pequenos, ficariam sobrepostos uns aos outros. Seria um mapa de difícil leitura.
  • Tipos de mapa
    Os mapas fornecem informações sobre aspectos físicos ou naturais da superfície terrestre e sobre dados culturais, ou seja, resultantes da ação do homem. Existem, portanto, diversos tipos de mapa. Veja alguns exemplos:
    • Os mapas políticos mostram municípios, estados, países, seus limites, capitais e cidades importantes.
    • Os mapas físicos representam um ou vários elementos naturais, como os rios (hidrografia), as formas de relevo, as diferentes altitudes, os tipos de clima e os tipos de vegetação.
    • Os mapas econômicos representam as riquezas disponíveis e as atividades praticadas num continente, país, estado ou município: jazidas minerais, principais produtos agrícolas, tipos de indústria etc.
    • Os mapas de população, também chamados de demográficos, mostram a distribuição da população no espaço geográfico.
    • Os mapas históricos apresentam informações sobre determinado momento histórico.
  • Brasil: Divisão política (capitais)
    Brasil - Clima
    Mapas: Mário Yoshida
    Fonte:Atlas nacional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p. 33 (adaptado).
    Fonte:Anuário estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1999 (adaptado).
  • Brasil – Povos indígenas (século XVI)
    Brasil – Recursos minerais
    Fonte: Manoel M. de Albuquerque e outros. Atlas histórico escolar. Rio de Janeiro: MEC, 1983 (adaptado).
    Fonte:Atlas nacional do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. p. 82 (adaptado).
  • Conversa
    Que tipo de mapa permite verificar os climas do território brasileiro?
    Que tipo de mapa possibilita conhecer os estados produtores de petróleo do Brasil?
  • Atlas
    Atlas é um livro de mapas de vários tipos (físicos, políticos etc.), que também pode conter gráficos e tabelas. A maioria dos historiadores atribui a Cláudio Ptolomeu, que viveu no Egito no século II, a publicação do primeiro atlas. Mas foi Gerardus Mercator, cartógrafo do século XVI, o primeiro a usar o nome de atlas para uma coleção de mapas.
    Jupiter Unlimited / Other Images
    Mapa do Ártico criado em 1595 por Gerardus Mercator.
  • O domínio e as técnicas na elaboração dos mapas
    Dessa forma, à medida que os avanços tecnológicos possibilitavam um conhecimento mais detalhado do espaço, e os recursos e equipamentos se aprimoravam, os mapas passaram a apresentar uma riqueza de detalhes e uma precisão cada vez maiores.
    Os mapas fazem parte da história de todos os povos
    Como
    Resultado da necessidade de representar graficamente as diversas atividades praticadas e outras características do espaço geográfico.
    Ao longo da história foram ocorrendo modificações na maneira como os mapas eram elaborados.
    A partir do século XX, a confecção de mapas evoluiu bastante, com a utilização da fotografia aérea. Esse recurso permite obter informações mais precisas dos lugares, com base em uma visão vertical.
  • A obtenção de informações sobre o trecho do espaço geográfico é, portanto, essencial para a confecção de mapas, e também de maquetes e plantas.
    O processo de levantamento de informações a distância, com o auxílio de diversas técnicas, aviões, satélites artificiais e radares, recebe o nome de sensoriamento remoto. O emprego desse recurso, porém, não elimina o trabalho de campo, ou seja, medições, constatações e análises no próprio trecho do espaço geográfico a ser mapeado.
    BASE – Aerofotogrametria e Projetos S/A
    Fotografia aérea de trecho da cidade de Salvador, BA (2001).
  • Satélites artificiais e cartografia
    A partir de 1960, quando os Estados Unidos lançaram o primeiro satélite meteorológico, Desde então, o sensoriamento remoto passou a ser feito também por meio de satélites artificiais e o conhecimento do espaço geográfico mundial não parou de aumentar.
    Informações de diferentes tipos de satélites permitem a elaboração de uma variedade de mapas: devastação vegetal, recursos minerais, meteorológicos (previsão do tempo).
    Em função da maior precisão de informações, obtida com esse recurso, muitos mapas, cujo uso já havia sido consagrado, foram refeitos.
  • Observe a imagem de satélite de Brasília e o mapa correspondente.
    INPE
    Fernando Monteiro
    Imagem de satélite da cidade de Brasília, DF, de 18 de julho de 2004.
  • Globo terrestre
    É a forma mais fiel de representar graficamente a Terra.
    Ingram - Other Images
    No globo, os continentes ou outras partes menores do planeta são representados sem deformação.
    Ainda assim:
    Ele possui algumas limitações: seu transporte o fato de não oferecer uma visão mais detalhada da superfície terrestre e o de não permitir a observação de todas as partes ao mesmo tempo.
  • Plantas
    Nos mapas, as escalas são geralmente superiores a
    1 : 20 000. Eles representam áreas de municípios, estados, países, continentes ou toda a superfície terrestre. No entanto, se a área a ser representada for pequena, não será possível mostrá-la em detalhes num mapa.
    As representações gráficas de pequenas áreas recebem o nome de plantas. Elas são feitas em escalas grandes (até 1 : 20 000) e, em geral, apresentam vários detalhes.
    As plantas são muito usadas para representar um bairro ou uma cidade. As prefeituras utilizam-nas para facilitar a administração e o planejamento das cidades.
  • As plantas também são usadas por engenheiros e arquitetos para projetar casas, apartamentos e outras construções. Nesses casos, as escalas são bem maiores que as das plantas de cidades e bairros.
    Ilustrações: Fernando Monteiro
    Planta de apartamento.
    Planta de um trecho cidade da de São Paulo.
  • Maquete
    Nem todas as representações do espaço geográfico mostram uma visão bidimensional, como a planta e o mapa.
    A maquete é uma representação, em miniatura, de uma construção (casa, edifício, fábrica etc.) ou de um lugar. Ela pode ser feita de diferentes tipos de materiais.
    Diferentemente dos mapas e plantas, a maquete mostra uma visão tridimensional da área representada. Esta é a visão que temos das coisas em nosso dia a dia, pois vemos a altura, a largura e o comprimento, ou seja, três dimensões.
    • O que a fotografia mostra?
    • É uma representação em tamanho reduzido? Justifique.
    • Você conhece esse tipo de representação?
    Christof Gunkel
  • Observe as fotografias a seguir.
    1
    2
    3
    BASE – Aerofotogrametria e Projetos S/A
  • Conversa
    Qual é o tipo de visão da paisagem?
    Qual é o elemento central da fotografia?
    Como podemos caracterizar essa paisagem?
    Qual fotografia mostra uma visão mais detalhada da paisagem?