Ferramentas criativas desenho de moda

14,143 views
13,875 views

Published on

Consiste na apresentação de ferramentas criativas como suporte metodológico e facilitador na criação de modelos para uma coleção de moda.

Published in: Lifestyle
1 Comment
22 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
14,143
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
81
Actions
Shares
0
Downloads
480
Comments
1
Likes
22
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ferramentas criativas desenho de moda

  1. 1. Cacilda Vitória
  2. 2. FERRAMENTAS CRIATIVAS NA CONCEPÇÃO DO DESENHO DE MODA Concepção 1 Ação pela qual um ser é concebido, gerado. 2 Faculdade de compreender: ter a concepção fácil. 3 Conhecimento; idéia, opinião: uma concepção original da vida. ( Aurélio) Concepção 1 Ato de conceber ou ser concebido. 2 Geração. 3 Faculdade de compreender as coisas; percepção. 4 Fantasia, imaginação. 5 Criação ou obra do espírito. 6 Imagem de uma coisa na mente. (Michaellis) Desenho: materialização de idéias.
  3. 3. E a receita do bolo?
  4. 4. ENTÃO... A GRANDE QUESTÃO... EU SOU CRIATIVO (A)? O QUE É CRIATIVIDADE? FERRAMENTAS CRIATIVAS... QUEM PODE USÁ-LAS? SOMENTE QUEM É CRIATIVO?
  5. 5. QUANTO À CRIATIVIDADE, RESPONDA VERDADEIRO OU FALSO: Alencar, Eunice Soriano. Como desenvolver o potencial criador: um guia para a liberação da criatividade em sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes,1990. 2. ( ) A criatividade consiste em um lampejo de inspiração, que ocorre sem uma razão explicável. 3. ( ) A criatividade depende apenas de características do próprio indivíduo. 4. ( ) A criatividade é uma questão de tudo ou nada. Alguns indivíduos são criativos e outros não. 5. ( ) A criatividade manifesta-se apenas nos trabalhos e produções dos grandes talentos artísticos e nas novas propostas de inventores e cientistas. 1. ( ) A criatividade é um “dom” presente em alguns poucos indivíduos.
  6. 6. “ Todos nós temos potencial criativo, basta apenas desenvolvê-lo.” Torrance, 1965
  7. 7. O PENSAMENTO CRIATIVO – ALGUMAS CARACTERÍSTICAS: 4. ORIGINALIDADE Respostas infrequentes ou incomuns. 2. FLUÊNCIA Abundância ou quantidade de idéias diferentes sobre um mesmo assunto. <ul><li>CURIOSIDADE </li></ul><ul><li>investigativa, </li></ul><ul><li>“ por quê?” e “e se…?” </li></ul>5. CONFRONTANDO DESAFIOS Oportunidades de exercitar a criatividade e conceber algo novo e valioso. “ como eu posso superar isto?” 6. DESCONTENTAMENTO CONSTRUTIVO Percebem o que está errado no ambiente em volta delas. Transformam este descontentamento em motivação para fazer algo construtivo. 3. FLEXIBILIDADE Capacidade de combinar idéias, estabelecer conexões inusitadas e gerar muitas soluções potenciais.
  8. 8. 7. MENTE ABERTA Para novas idéias e fatos. Ausência de rigidez, pré-conceitos e bloqueios mentais. 8. SUSPENSÃO DO JULGAMENTO Imaginar e criticar ao mesmo tempo, é como dirigir com o pé no freio. 9. SÍNTESE Olhe as árvores, sem perder a visão da floresta. Olhe os detalhes sem perder de vista o todo. 10. OTIMISMO Acredite. Pessoas que acreditam que um problema pode ser resolvido acabam por encontrar uma solução. 11. ETERNO APRENDIZ Prazer em aprender coisas novas. O PENSAMENTO CRIATIVO – ALGUMAS CARACTERÍSTICAS:
  9. 9. <ul><li>Quais destas atitudes mentais caracterizam sua maneira de lidar com seus desafios? </li></ul><ul><li>Quais são seus pontos fortes? </li></ul><ul><li>Quais atitudes você precisa desenvolver para fortalecer sua criatividade? </li></ul><ul><li>Focalize naquelas que você considera essenciais para o aprimoramento de sua criatividade e prepare um plano de ação. </li></ul>
  10. 10. PENSAMENTOS INIBIDORES DA CRIATIVIDADE - COMO MATAR IDÉIAS CRIATIVAS: CRÍTICAR E SENSURAR <ul><li>Barreira emocionais: </li></ul><ul><li>Medo do fracasso </li></ul><ul><li>Medo de brincar </li></ul><ul><li>Evitação de frustração </li></ul><ul><li>Imaginação empobrecida </li></ul><ul><li>Medo do desconhecido </li></ul><ul><li>Necessidade de equilíbrio </li></ul><ul><li>Medo de influenciar </li></ul><ul><li>Medo de perder o controle </li></ul>
  11. 11. A criatividade é como a musculatura humana, desenvolve-se à medida em que é utilizada. “ As minhas invenções são fruto de 98% de transpiração e 2% de inspiração.” Thomas Edison
  12. 12. ELEMENTOS DO DESIGN PRINCÍPIOS DO DESIGN ARQUIVO DE IMAGENS MOULAGE SCAMCEA TEMPESTADE DE IDÉIAS MAPA MENTAL CADERNO DE INSPIRAÇÃO PAINÉIS DE INSPIRAÇÃO
  13. 13. TEMPESTADE DE IDÉIAS | BRAINSTORMING + MAPA MENTAL | TEIA DE ARANHA <ul><li>Solução de problemas. Livre associação </li></ul><ul><li>Quanto mais idéias melhor através da livre associação. </li></ul><ul><li>Ausência completa de críticas e de julgamentos. </li></ul><ul><li>Idéias loucas ou cheias de humor são bem vindas. </li></ul><ul><li>Ninguém é dono da idéia. Ela pertence a todos e pode ser usada para gerar novas idéias. </li></ul><ul><li>A avaliação das idéias é feita posteriormente. </li></ul>Osborn 1965
  14. 14. TEMPESTADE DE IDÉIAS | BRAINSTORMING + MAPA MENTAL | TEIA DE ARANHA
  15. 15. SCAMCEA Objetivo: visualizar e reorganizar aspectos de um problema. Modificar : mudar significados, usos, movimentos, sons, odores, formas. Aumentar : o que pode ser acrescentado, multiplicado ou ampliado? Diminuir : o que pode ser eliminado? Condensado? Reduzido? Substituir : o que poderia substituir tal aspecto? Outro ingrediente? Outro material? Outro processo? Outra abordagem? Adaptar : o que mais com isto? Que outras idéias isto sugere? O que oferece um paralelo? Combinar : idéias, objetivos, partes, cores, materiais... A combinação dos recursos possibilitam uma infinidade de criação de modelos.
  16. 16. Vestido de 1500 luvas, Susie MacMurray Artista plástica brtânica 7531 etiquetas SCAMCEA 26 jaquetas de nylon Gary Harvey
  17. 17. <ul><li>OU BANCO DE IMAGENS: </li></ul><ul><li>Revistas </li></ul><ul><li>Pastas </li></ul><ul><li>Cadernos </li></ul><ul><li>Arquivos digitais </li></ul><ul><li>Catalogados por temas: </li></ul><ul><li>Pessoas </li></ul><ul><li>Objetos </li></ul><ul><li>Natureza </li></ul><ul><li>Automóveis... </li></ul>ARQUIVO DE IMAGENS
  18. 18. PAINÉIS DE INSPIRAÇÃO | TEMÁTICOS
  19. 19. <ul><li>É um diário ou agenda visual. </li></ul><ul><li>É pessoal. Espaço de descobertas. </li></ul><ul><li>Pode assumir diferentes formas. </li></ul><ul><li>Tema específico ou geral. </li></ul><ul><li>Deve ser “útil”. </li></ul><ul><li>Alimenta as criações. </li></ul><ul><li>É espontâneo, experimental. </li></ul>CADERNO DE INSPIRAÇÃO CADERNO DE IDÉIAS CADERNO DE ESBOÇOS CADERNO DO ARTISTA CADERNO DE ANOTAÇÕES CADERNO DO MOMENTO CADERNO DE RASCUNHO SKETCHBOOK MOLESKINE
  20. 20. <ul><li>Não é “bem-arrumadinho”, “bem-decoradinho”, “bem-planejadinho”. </li></ul><ul><li>Use sem moderação. </li></ul><ul><li>Contém: esboços, desenhos de observação, estudos com pintura, fotografia, colagens, amostras de tecidos, cores, aviamentos, objetos, pesquisa de textos e imagens, recordações pessoais... </li></ul><ul><li>Caderno durável, resistente, capa dura. </li></ul><ul><li>Fotos de roupas / protótipos. </li></ul>CADERNO DE INSPIRAÇÃO
  21. 21. MOULAGE OU MODELAGEM TRIDIMENSIONAL É como esculpir o tecido no corpo. Consiste basicamente em dar forma a um modelo e/ou moldes de peças básicas em três dimensões - largura, altura e profundidade. Nesta técnica, utiliza-se uma forma (busto, manequim) com medidas padronizadas, ou um modelo vivo.
  22. 22. Por que elementos e princípios do design? Roupa é imagem, é comunicação não-verbal. <ul><li>LINGUAGEM NÃO-VERBAL </li></ul><ul><li>Linhas, formas, cores, texturas; e pontos: pontos de atenção como um decote, um bolso, ou uma flor. </li></ul><ul><li>Discurso: combinação de textura com cor; dimensões com formas; e as mais variadas combinações entre linhas, retas horizontais, verticais, diagonais, ou curvas diversas. </li></ul><ul><li>Educação do olhar </li></ul><ul><li>Nessas combinações, encontramos simetrias e assimetrias, contrastes e repetições, unidade, descontinuidade, ambigüidades, equilíbrio, harmonia enfim, os mais diversos modos de organizar os elementos no discurso da roupa que se cria ou que se veste. </li></ul><ul><li>LINGUAGEM VERBAL </li></ul><ul><li>Palavras </li></ul><ul><li>Discurso: combinação de palavras </li></ul>
  23. 23. ELEMENTOS DO DESIGN <ul><li>SILHUETA </li></ul>2. LINHA 3. TEXTURA 4. COR <ul><li>Criar é uma questão de misturar elementos conhecidos de uma maneira nova e estimulante para gerar combinações e produtos diferentes </li></ul><ul><li>São uma parte importante do conjunto de ferramentas estéticas e o meio pelo qual os estilistas podem sutilmente ajustar o foco e os efeitos de um modelo </li></ul><ul><li>Saber onde encontrá-los e como modificá-los ajuda a observar as criações com objetividade </li></ul><ul><li>São a chave para entender por que um modelo deu certo ou não. </li></ul>
  24. 24. ELEMENTOS DO DESIGN. <ul><li>SILHUETA </li></ul>2. LINHA 3. TEXTURA 4. COR
  25. 25. <ul><li>SILHUETA </li></ul>A alma da roupa Silhuetas Volume Proporção Tops e bottoms Excesso de tecido Modelagem ELEMENTOS DO DESIGN: silhueta , linha, textura e cor. É o primeiro impacto causado por uma roupa, é a forma de seu contorno. Uma coleção não deve ter muitas variações na silhueta. A amplitude e o volume (ou a ausência destes) em um modelo são visíveis na silhueta. Podem ser: fluidas, justas, retas, geométricas, assimétricas, volumosas, transpassadas...
  26. 26. ELEMENTOS DO DESIGN: silhueta, linha , textura e cor. 2. LINHA <ul><li>A linha conduz o olhar do observador –caminho visual-, provocando reações emocionais e psicológicas. </li></ul><ul><li> Os usos mais comuns da linha são as junções das peças dos moldes e os ajustamentos. Buscar equilibrar os efeitos das linhas do modelo. </li></ul>
  27. 27. LINHA: CAMINHO VISUAL
  28. 28. 3. TEXTURA <ul><li>O designer de moda precisa ter experiência sobre o comportamento dos tecidos. O tecido é escolhido por sua compatibilidade com a estação, linhas e silhuetas desejadas, preço para o mercado-alvo e cor. </li></ul><ul><li>É elemento visual e sensual de um modelo. Qualidades: textura, caimento. </li></ul><ul><li>O tecido pode ser o sucesso ou o fracasso de um estilo que parecia bom no papel. </li></ul>SEDOSA BRILHOSA RENDADA ELEMENTOS DO DESIGN: silhueta, linha, textura e cor. MACIA
  29. 29. 4. COR <ul><li>É o reflexo da luz sobre um objeto. Provoca reação intuitiva, emocional e física. </li></ul><ul><li> Seu uso influencia a percepção da forma. Determina o clima da coleção, </li></ul><ul><li>ou sua “sintonia” com a estação, diferencia as coleções. </li></ul><ul><li> A cor possui três características: gama , que se refere ao próprio nome da cor (amarelo, azul...); o valor ou contraste , que indica se a cor é clara ou escura (aproxima-se do branco ou preto); e a intensidade , indicando se a cor é forte ou apagada. </li></ul>ELEMENTOS DO DESIGN: silhueta, linha, textura e cor .
  30. 30. 1. REPETIÇÃO Regular ou irregular, na estrutura do look, nos detalhes, na estampa É o uso de elementos de estilo, detalhes ou acabamentos mais de uma vez em uma mesma roupa Quebrar o padrão tem o efeito de chocar e atrair os olhares . PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL
  31. 31. 2. RITMO Repetição em padrão elaborado, regular, na estrutura do look ou estampa. Ex.: listras, botões de 2 em 2. PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL
  32. 32. 3. GRADAÇÃO PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL Repetição complexa, em que cada vez o padrão se apresenta com uma dimensão maior ou menor que a anterior em seqüência, do maior para o menor ou vice-versa. Tamanho: detalhes, aviamentos... Cores:estampa Concentração: bordados A gradação pode adicionar interesse e movimento à uma forma.
  33. 33. 4. RADIAÇÃO Uso de linhas que saem de um eixo ou ponto central para direções diferentes. Ex.: drapeados, franzidos. PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL
  34. 34. 5. CONTRASTE Um dos mais úteis princípios de criação. Faz com que o olhar humano reavalie a importância de uma área focal em relação a outra. Pode ser extremo ou sutil. Ex.: tecido (textura, opacidade) ou cores. PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL
  35. 35. 6. HARMONIA Diz respeito à disposição formal bem harmoniosa no todo ou entre partes de um todo. Pela similaridade ou semelhança. Todo conjunto deve ter formas, cores e texturas que se relacionam e se interagem. Ex.: justaposição, ton-sur-ton, texturas parecidas. PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL
  36. 36. 7. EQUILÍBRIO É a distribuição do peso e importância visual dos elementos do design, resultando em equilíbrio visual, simetria, espelhamento, entre tops e bottoms Equilíbrio é um sentido de igualdade visual numa forma, figura, valor, cor, etc. O equilíbrio pode ser simétrico ou uniformemente equilibrado ou assimétrico ou não uniformemente equilibrado. Objetos, valores, cores, texturas, formas, figuras, etc., podem ser usados para criar um equilíbrio numa composição. PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL
  37. 37. 8. PROPORÇÃO Diz respeito a maneira como comparamos cada uma das partes em relação ao todo no design de uma peça. Ex.: os aviamentos em relação ao look. A proporção descreve o tamanho, posição ou quantidade de uma coisa comparada à outra. PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL
  38. 38. 9. SENSAÇÃO CORPORAL PRINCÍPIOS DO DESIGN: 1. REPETIÇÃO | 2. RITMO | 3. GRADAÇÃO | 4. RADIAÇÃO | 5. CONTRASTE | 6.HARMONIA | 7. EQUILÍBRIO | 8. PROPORÇÃO | 9. SENSAÇÃO CORPORAL A roupa não é uma experiência apenas visual, mas também tátil, sensorial.
  39. 39. <ul><li>Tema </li></ul><ul><li>Pesquisa </li></ul><ul><li>Tempestade de idéias </li></ul><ul><li>Pesquisa e seleção de imagens </li></ul><ul><li>Painel de inspiração </li></ul><ul><li>Leitura de imagem: </li></ul><ul><li>definição dos elementos </li></ul><ul><li>e princípios do design </li></ul><ul><li>pesquisa de materiais </li></ul><ul><li>Esboços / moulage </li></ul><ul><li>Construção </li></ul><ul><li>Acabamento </li></ul>UM EXEMPLO NA PRÁTICA: UNIVERSO
  40. 40. EXERCÍCIO DESENVOLVIDO NO 2º PERÍODO
  41. 41. LINGUAGEM DE MODA
  42. 42. LINGUAGEM DE MODA – AS IMAGENS FALAM
  43. 43. DESENHO DE MODA - TÉCNICAS
  44. 44. DESENHO DE MODA - TÉCNICAS
  45. 45. DESENHO DE MODA - TÉCNICAS
  46. 46. SEJA DIFERENTE! FAÇA DIFERENTE! “ Como personalidade, cada um de nós individualiza a criatividade e exerce-a em termos individuais.” Fayga, 1987
  47. 47. Acredite em seu potencial criador! Faça acontecer!
  48. 48. “ Para desenvolver uma mente completa estude a arte da ciência; estude a ciência da arte. Aprenda a enxergar. Perceba que tudo se conecta a tudo”. Leonardo da Vinci
  49. 49. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: http://criatividadeaplicada.com/2007/07/23/ferramentas-de-criatividade/ em 05/01/10 http://criatividadeaplicada.com/2007/07/04/10-atitudes-das-pessoas-muito-criativas/ em 22/04/2010 http://www.mattareassociados.com.br/mmn/boletim16/estrategia.htm em 20/04/2010 ALENCAR, Eunice Soriano. Como desenvolver o potencial criador: um guia para a liberação da criatividade em sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes,1990. BUZAN, Tony. Mapas mentais e sua elaboração: um sistema definitivo de pensamento que transformará a sua vida. São Paulo: Cultrix, 2005. JONES, Sue Jenkyn. Fashion design: manual do estilista.São Paulo: Cosac Naify, 2005. OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987. SEIVEWRIGHT, Simon. Fundamentos do design de moda: pesquisa e design. Porto alegre: Bookman,2009. SORGER, Richard & UDALE, Jenny. Fundamentos de design de moda. Porto Alegre: Bookman, 2009. TREPTOW, Doris. Inventando moda: planejamento de coleção. Brusque: D. Treptow, 2003. WECHSLER, Solange Múglia. Criatividade: descobrindo e encorajando. Campinas: Editora Psi Ltda,1998.
  50. 50. Obrigada! [email_address]

×