Your SlideShare is downloading. ×
RENASCIMENTO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

RENASCIMENTO

32,110
views

Published on

RENASCIMENTO

RENASCIMENTO


3 Comments
12 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
32,110
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1,155
Comments
3
Likes
12
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 1300 - 1650 Renascimento 1300 - 1650
  • 2. O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse período muitos progressos e incontáveis realizações no campo das artes, da literatura e das ciências, que superaram a herança clássica. O ideal do humanismo foi sem duvida o móvel desse progresso e tornou-se o próprio espírito do Renascimento. Trata-se de uma volta deliberada, que propunha a ressurreição consciente (o re-nascimento) do passado, considerado agora como fonte de inspiração e modelo de civilização. Num sentido amplo, esse ideal pode ser entendido como a valorização do homem (Humanismo) e da natureza, em oposição ao divino e ao sobrenatural, conceitos que haviam impregnado a cultura da Idade Média.  Características gerais:  * Racionalidade  * Dignidade do Ser Humano  * Rigor Científico  * Ideal Humanista
  • 3. PINTURA Principais características:   * Perspectiva: no desenho ou pintura, as diversas distâncias e proporções que têm entre si, os objetos vistos à distância, segundo os princípios da matemática e da geometria.   * Uso do claro-escuro: pintar algumas áreas iluminadas e outras na sombra, esse jogo de contrastes reforça a sugestão de volume dos corpos.   * Realismo: o artistas do Renascimento não vê mais o homem como simples observador do mundo que expressa a grandeza de Deus, mas como a expressão mais grandiosa do próprio Deus. E o mundo é pensado como uma realidade a ser compreendida cientificamente, e não apenas admirada.   * Inicia-se o uso da tela e da tinta à óleo.   * Tanto a pintura como a escultura que antes apareciam quase que exclusivamente como detalhes de obras arquitetônicas, tornam-se manifestações independentes. *  Surgimento de artistas com um estilo pessoal, diferente dos demais, já que o período é marcado pelo ideal de liberdade e, conseqüentemente, pelo individualismo.    
  • 4. Sandro Botticelli - os temas de seus quadros foram escolhidos segundo a possibilidade que lhe proporcionavam de expressar seu ideal de beleza. Para ele, a beleza estava associada ao ideal cristão. Os principais pintores foram : Por isso, as figuras humanas de seus quadros são belas porque manifestam a graça divina, e, ao mesmo tempo, melancólicas porque supõem que perderam esse dom de Deus. Obras destacadas: A Primavera e O Nascimento de Vênus.
  • 5. Rafael Suas obras comunicam ao observador um sentimento de ordem e segurança, pois os elementos que compõem seus quadros são dispostos em espaços amplos, claros e de acordo com uma simetria equilibrada. Foi considerado grande pintor de “Madonas”. Obras destacadas: A Escola de Atenas e Madona da Manhã.
  • 6. Michelângelo   - entre 1508 e 1512 trabalhou na pintura do teto da Capela Sistina, no Vaticano. Para essa capela, concebeu e realizou grande número de cenas do Antigo Testamento. Dentre tantas que expressam a genialidade do artista, uma particularmente representativa é a criação do homem.  Obras destacadas: Teto da Capela Sistina e a Sagrada Família
  • 7. Para seu conhecimento A Capela Sistina foi construída por ordem de Sisto IV. E é na própria Capela que se faz o Conclave: reunião com os cardeais após a morte do Papa para proceder a eleição do próximo. Lareira que produz fumaça negra - que o Papa ainda não foi escolhido; fumaça branca - que o Papa acaba de ser escolhido, avisa o povo na Praça de São Pedro, no Vaticano  
  • 8. Leonardo da Vinci - ele dominou com sabedoria um jogo expressivo de luz e sombra, gerador de uma atmosfera que parte da realidade mas estimula a imaginação do observador. Foi possuidor de um espírito versátil que o tornou capaz de pesquisar e realizar trabalhos em diversos campos do conhecimento humano. Obras destacadas: A Virgem dos Rochedos e Monalisa.
  • 9. Quando deparamos com o quadro da famosa MONALISA não conseguimos desgrudar os olhos do seu olhar, parece que ele nos persegue. Por que acontece isso? Será que seus olhos podem se mexer? Este quadro foi pintado, pelo famoso artista e inventor italiano Leonardo da Vinci (1452-1519) e qual será o truque que ele usou para dar esse efeito? Quando se pinta uma pessoa olhando para a frente (olhando diretamente para o espectador) tem-se a impressão que o personagem do quadro fixa seu olhar em todos. Isso acontece porque os quadros são lisos. Se olharmos para a Monalisa de um ou de outro lado estaremos vendo-a sempre com os olhos e a ponta do nariz para a frente e não poderemos ver o lado do seu rosto. Aí está o truque em qualquer ângulo que se olhe a Monalisa a veremos sempre de frente.
  • 10. ESCULTURA Em meados do século XV Roma adquire o seu prestígio. Protetores das artes, os papas deixam o palácio de Latrão e passam a residir no Vaticano. Ali, grandes escultores se revelam, o maior dos quais é Michelângelo, que domina toda a escultura italiana do século XVI. Algumas obras: Moisés, Davi e Piedade .
  • 11. Davi Michelângelo dominou a escultura e o desenho do corpo humano maravilhosamente bem, pois tendo dissecado cadáveres por muito tempo, assim como Leonardo da Vinci, sabia exatamente a posição de cada músculo, cada tendão, cada veia.
  • 12. Outro grande escultor desse período foi Andrea Verrocchio . Trabalhou em ourivesaria e esse fato acabou influenciando sua escultura. Obra destacada: Davi em bronze. Principais Características:   * Buscavam representar o homem tal como ele é na realidade.  * Proporção da figura mantendo a sua relação com a realidade.  * Profundidade e perspectiva.  * Estudo do corpo e do caráter humano. O Renascimento Italiano se espalha pela Europa, trazendo novos artistas que nacionalizaram as idéias italianas.
  • 13. Renascimento O pensamento medieval, dominado pela religião, cede lugar a uma cultura voltada para os valores do indivíduo. Os artistas, inspirando-se uma vez mais no legado clássico grego, buscam as dimensões ideais da figura humana e a representação fiel da realidade. Esse período corresponde à Baixa Idade Média e início da Idade Moderna (do século XIII ao XVI) e pode ser dividido em Duocento (1200 a 1299), Trecento (1300 a 1399), Quattrocento (1400 a 1499) e Cinquecento (1500 a 1599).
  • 14. DUOCENTO E TRECENTO – No século XIII, o gótico começa a dar lugar para uma arte que resgata a escala humana. São as primeiras manifestações do que, mais tarde, se chamaria Renascimento . A principal característica dessa mudança é o surgimento da ilusão de profundidade nas obras. Giotto é o pioneiro desse novo mundo. Nos afrescos de Giotto, na igreja de Santa Croce, em Florença, por exemplo, pode-se ver figuras mais sólidas do que as góticas, situadas em ambientes arquitetonicamente precisos, dando impressão de existência concreta: é o nascimento do naturalismo. No século XIV, escultores como Donatello (o "Michelangelo" do Trecento) aprimoram a técnica.
  • 15. QUATTROCENTO – No século XV desenvolve-se uma pintura impessoal e solene, misturando figuras geométricas e cores intensas, nasce a perspectiva, artifício geométrico que cria a ilusão de tridimensionalidade numa superfície plana. Aparece a técnica e seus princípios matemáticos em obras de pintura. A ela aderem artistas Sandro Botticelli ( Nascimento de Vênus ), Leonardo da Vinci ( Mona Lisa ), Rafael Sanzio ( Madona com menino ) e Michelangelo ( Davi , Moisés e Pietá ; teto e parede da Capela Sistina, no Vaticano; cúpula da Basílica de São Pedro).
  • 16. CINQUECENTO Em Veneza, no século XVI, com pintores com sua grandiosidade, com seu uso de cores, com seu senso espacial, com sua expressividade, começa a última fase do Renascimento. Abandonam a primazia da forma sobre a cor e a perspectiva rigorosa. Ticiano - Adão
  • 17. Principais Artistas do Renascimento
  • 18. Sandro Botticelli 1445 - 1510
  • 19. Aos 25 anos, Botticelli já possuía ateliê próprio. Entre as primeiras peças ali produzidas destacam-se a alegoria de "A fortaleza" e o "São Sebastião", que refletia a mestria na anatomia e no movimento da figura. Por volta de 1477 pintou uma de suas obras mais conhecidas, " A primavera ", em que apresentou Vênus, diante de uma paisagem arborizada, em companhia das Três Graças, Mercúrio e Flora, entre outras personagens mitológicas. O quadro era uma alegoria do reino de Vênus e a deusa representava os jardins, isto é, a cultura florentina da época.
  • 20. Em 1481 Botticelli foi chamado a Roma pelo papa Sisto IV para trabalhar na decoração da capela Sistina, onde realizou "A tentação de Cristo" e dois episódios da vida de Moisés, obras que lhe deram fama.
  • 21. Cenas da vida de Moisés 1481-82
  • 22.   Nesses anos realizou suas obras mais célebres, de caráter profano e mitológico, como "Marte e Vênus ", "Palas e o centauro“ e "O nascimento de Vênus“.     Na última delas, executada por volta de 1485, pintou Vênus sobre uma concha, emergindo da espuma do mar, para simbolizar o nascimento da beleza através do nu feminino. O desenho, delicado e rítmico, e o refinado emprego da cor, característicos de Botticelli, alcançaram aí perfeita expressão.
  • 23. Botticelli morreu em Florença em 17 de maio de 1510, quando triunfava na Itália a estética do alto Renascimento, a que suas últimas obras não foram alheias, pois várias delas mostram um alargamento de escala e uma imponência típicos da nova fase. “ Inferno”
  • 24. Michelangelo di Lodovico Simoni Buonarroti 1475 - 1564
  • 25. MICHELANGELO BUONARROTI (1475-1564) escultor, pintor, poeta e arquiteto italiano. Nasce na Itália, estuda em Florença e ganha a proteção de Lorenzo Medici. Em Roma, aos 23 anos, inicia a Pietá . De volta a Florença, esculpe Davi e pinta A Sagrada Família . Em 1508 começa a pintar sozinho os afrescos do teto da Capela Sistina, trabalho que dura quatro anos. Em 1538 pinta a parede do Juízo Final , na mesma capela. Oito anos depois, projeta a cúpula da Basílica de São Pedro.
  • 26. O legado artístico de Michelangelo constitui uma demonstração de gênio. A ele se devem obras imortais da escultura, como o "Davi" e o "Moisés "; da arquitetura, como a cúpula da basílica de São Pedro; e da pintura, como os afrescos da capela Sistina. O humanismo renascentista, de que o genial artista constitui uma figura paradigmática, levou-o também a escrever uma notável obra literária, tanto em prosa como em verso .   Michelangelo Buonarroti 1475-1564
  • 27. Michelangelo di Lodovico Simoni nasceu em 6 de março de 1475 na Itália. Quando ainda era criança, sua família mudou-se para Florença, onde, em 1488, entrou como aluno para o ateliê do pintor Domenico, com quem aprendeu as técnicas de afresco e painel. No ano seguinte, graças a Lourenço o Magnífico, passou a estudar escultura com Bertoldo di Giovanni no jardim onde a família senhorial de Florença conservava uma valiosa coleção de esculturas antigas.      Após a morte de Lourenço, em 1492, Michelangelo fugiu para Bolonha, onde esculpiu três estátuas para o túmulo de São Domingos.
  • 28. Celebrado como grande personalidade artística de seu tempo, Michelangelo morreu em Roma, em 18 de fevereiro de 1564, aos 88 anos de idade. Criação de Adão
  • 29. Rafael (Rafaello Sanzio) 1483-1520
  • 30. Rafael nasceu na Itália, em 6 de abril de 1483. Seu pai, Giovanni era um pintor sem muito talento mas dono de grande cultura e que educou o filho com o amor pela arte. Foi dele que Rafael herdou os primeiros ensinamentos. Depois ligou-se ao pintor Pietro Perugino, de quem foi seguidor e de onde bebeu na fonte do conhecimento. De tal forma foi essa influência que os historiadores sentem muita dificuldade em distinguir o trabalho de Perugino do trabalho de Rafael. Ao longo da vida Rafael viveu em diversas cidades italianas incluindo Roma e Florença e era considerado como o Príncipe dos Pintores, o que naquela época não devia ser nada fácil. Na Europa, de um modo geral e na Itália, em particular, multiplicavam-se os grandes gênios.
  • 31. É interessante notar como Rafael representava muitas vezes os seus personagens em uma posição de adoração contemplativa, com a cabeça inclinada e olhos voltados para cima como fitando o infinito. Essa postura repete-se ao longo de vários quadros e em diversas circunstancias, como se o gesto tivesse um significado especial, o que de fato acontece. É quase como uma declaração da emoção sentida, indicando um embevecimento com o divino, uma postura de oração. Não é raro esse gesto em outros pintores, mas assume uma força especial no caso de Rafael Sanzio. Adoração contemplativa em olhares voltados para o infinito – uma marca registrada
  • 32. O artista desempenhou uma grande quantidade de tarefas ao longo da curta vida. Foi arquiteto e pintor, alem de ter tomado conta do patrimônio formado pelas antiguidades do Vaticano. Viveu em meio ao poder de papas e reis desde o nascimento até a morte. A sua vida foi organizada e desempenhou com desenvoltura um importante papel na sociedade, não só como artista, e sempre de uma maneira eficiente que o levou a ser muito respeitado por conta dos trabalhos realizados e pelo vasto conhecimento de todos os assuntos, inclusive científicos. Madonas com crianças nuas – tema recorrente no renascimento
  • 33. Rafael tinha um estilo mais leve e simples do que Leonardo da Vinci, por exemplo. Seus quadros são menos pesados e menos cheios, embora tenha feito trabalhos bem amplos e minuciosos. Rafael foi figura de destaque em seu tempo, um homem de carreira organizada que exerceu cargos importantes pela confiança dos poderosos da corte. Seu comportamento deve ter sido coerente para que assumisse tantas posições de destaque e seguisse por todo o tempo com relativa estabilidade em um ambiente onde imperava a ciumeira e futricas em busca de poder e proteção. Se teve uma vida curta, sua obra perpetua-se até nossos dias. Uma forma peculiar de representar os santos e o próprio Cristo
  • 34. A morte precoce de Rafael, no dia em que completava 37 anos, reforçou a aura mística que rodeava sua figura. Admirado pela aristocracia e pela corte papal, que o viam como o "príncipe dos pintores", foi encarregado pelo papa Júlio II de decorar com afrescos as salas do Vaticano hoje conhecidas como as salas de Rafael. “ A transfiguração ”
  • 35. Leonardo da Vinci
  • 36. LEONARDO DA VINCI (1452-1519), artista, arquiteto, inventor e escritor italiano. Nasce em Florença, se torna aprendiz de Andrea Verrocchio e recebe a proteção de Lorenzo de Medici. Entre 1482 e 1499 vive em Milão, onde pinta o afresco da Última ceia. Em Florença, entre 1503 e 1506, pinta a Mona Lisa . Vive em Roma, entre 1513 e 1517, onde se envolve em intrigas do Vaticano, e decide ir se juntar à corte do rei francês Francisco I. Nos estudos científicos, prenuncia a invenção de peças modernas como o escafandro, o helicóptero e o pára-quedas. Seu Tratado sobre a pintura é um dos livros mais influentes da história da arte. O maior representante do Renascimento, Da Vinci inaugura em sua arte e pensamento: "O homem é a medida de todas as coisas".
  • 37. Síntese dos ideais estéticos que deram origem ao Renascimento, a obra de Madona del fusi Leonardo da Vinci, genial pintor, escultor, engenheiro, arquiteto e cientista, foi um dos pilares sobre os quais se assentaram diversos domínios da ciência e da arte.    A serviço de Ludovico Sforza, desenvolveu vários projetos de engenharia militar, realizou estudos hidráulicos sobre os canais da cidade e, como diretor das festas promovidas pela corte, organizou competições, representações e torneios, para muitos dos quais desenhou cenários e figurinos
  • 38. Leonardo voltou sua curiosidade para todos os campos do saber e da arte, e em cada um deles afirmou seu gênio. Apesar de não ter realizado as grandes obras com que sonhava na pesquisa científica, a vasta informação contida em seus apontamentos e desenhos é suficiente para demonstrar a universalidade de seu saber. Ao estudo da estática e da dinâmica dedicou algumas de suas pesquisas mais valiosas. Baseou-se na leitura da obra de Aristóteles e de Arquimedes, às quais foi um dos primeiros a acrescentar contribuição original.
  • 39.      A partir do vôo dos pássaros, Leonardo determinou os princípios da construção de um aparelho mais pesado do que o ar, capaz de voar com a ajuda da força do vento. Entre seus desenhos incluem-se esboços de um aparelho bastante parecido com o helicóptero moderno e o esquema de um pára-quedas.      De sua atividade como projetista militar destacam-se os vários desenhos de canhões, metralhadoras, carros de combate, pontes móveis e barcos, bem como estudos sobre a melhor maneira de abordagem de um barco grande por um pequeno, o esquema de um submarino. Leonardo inventou também máquinas hidráulicas destinadas à limpeza e dragagem de canais e máquinas de fiar. Também antecipou-se aos urbanistas com seus projetos de cidades.
  • 40. Dedicou-se também ao estudo da anatomia, física, botânica, geologia e matemática. Nesse período, pintou algumas de suas obras-primas -- a primeira versão da "Virgem dos rochedos" (c. 1483) e a "Última ceia" (1495-1497). Iniciou nessa fase a redação dos manuscritos do Tratado de Pintura , cuja primeira edição impressa data de 1651.      Quando, em 1499, tropas francesas invadiram Milão, Leonardo voltou para Florença, já como artista consagrado. No ano seguinte estava de volta a Florença, onde, durante o cerco de Pisa, desenvolveu um projeto para desviar o curso do rio Arno, de forma a cortar o acesso da cidade ao mar. No mesmo ano, começou a pintar "Mona Lisa", uma de suas obras mais conhecidas e na qual a arte da pintura atinge um de seus grandes momentos.  
  • 41.   Muitas de suas obras se perderam, foram destruídas ou ficaram inacabadas. Conhecem-se apenas cerca de 12 telas de Leonardo de autenticidade indiscutível. Ao longo de sua obra, visível a importância cada vez maior que o artista concede aos contrastes entre luz e sombra, e, principalmente, ao movimento. A "Última ceia", um dos quadros mais famosos do mundo, foi muito danificada e sofreu diversas restaurações, motivo pelo qual pouco resta do original.
  • 42.   Em 2 de maio de 1519, Leonardo morre, na França, deixando os desenhos e manuscritos para o amigo fiel Francesco Melzi . Enquanto viveu, Melzi guardou as obras com todo carinho, mas cometeu a insensatez de não incluir no seu testamento nenhuma cláusula que garantisse a continuidade deste cuidado. O filho, Orazio , que não tinha o minímo interesse por artes ou ciências, deixou que esta inestimável coleção se deteriorasse, se perdesse, fosse roubada ou vandalizada de uma maneira que só se pode descrever como criminosa.
  • 43. FIM Apresentação e Pesquisa: Arteterapeuta e Professora Andréa Espíndula