Your SlideShare is downloading. ×
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
PINTORES
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

PINTORES

2,665

Published on

PINTORES

PINTORES

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,665
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Parceiros de Tercetos P I N T O R E s Clicar com o mouse para trocar slide
  • 2. Participantes: Participantes: Denise Severgnini Mardilê Fabre Vilma Sunny Lóra Cláudia Zin Gilnei Nepomuceno Bhall Marcos José de Castro Mari Saes Marineusa Santana
  • 3. Música – Henri Matisse Ao explorar ora o ritmo das curvas, como em "A música" ( 1909 ) e "A dança " (1933), ora o contraste entre linhas e chapadas, como em "Grande natureza morta com berinjelas" (1911-1912), Matisse procurou uma composição livre, sem outra ligação que não o senso de harmonia plástica. Sua cor não se dissolvia em matizes, mas era delimitada pelo traço .
  • 4. Canção//Música Vozes em uníssono//é consonância perfeita, entoam melodia.//em ritmos e sons mesclados, Perfeita harmonia.//... Nascida da emoção. Mardilê Fabre//Denise Severgnini Canção Vozes em uníssono entoam melodia. Perfeita harmonia. Mardilê Fabre
  • 5. Melodia Suave e delicado ecoa... Mantra de amor. Mari Saes Melodia//Em resposta... Suave e delicado//sonoro e apaixonado ecoa...//ribomba Mantra de amor.//silêncio sem dor... Mari Saes//Denise Severgnini
  • 6. Mulheres Musicais Seres duplos, afinados... Executam várias funções são músicas de amor... Denise Severgnini Melodias Etéreas Indeléveis Abrangentes Mardilê Fabre Melodias // Harmoniosas Etéreas // Suaves Indeléveis // Incessantes Abrangentes // Convidativas Mardilê Fabre// Mari Saes
  • 7. Melodias // Harmoniosas // Amorosas Etéreas // Suaves // Cantadas Indeléveis// Incessantes // Enlevadas Abrangentes // Convidativas // Apaixonadas... Mardilê Fabre // Mari Saes// Vilma Música e moças ao violão. Sugestão... Vilma
  • 8. As músicas são... Partituras, notas, sons... Doces melodias que alegram a vida e curam as decepções. Cláudia Zin As músicas são... // Paixão e Fantasia Partituras, notas, sons... // emoções e fantasias. Doces melodias que alegram a vida // que espalham a esperança e curam as decepções.// e cicatrizan as feridas. Cláudia Zin // Mari Saes
  • 9. "Música" Cordas a vibrar em acordes sonoros dedilhados no ar. Cláudia Zin Música" // Aveludada Cordas a vibrar // Cantares a soar em acordes sonoros // em harmonia toante dedilhados no ar. // Plangem vibrantes. Cláudia Zin // Mardilê Fabre
  • 10. Canto Partitura no chão som no violão música no alto... Vilma Canto // Ária Partitura no chão // Nova composição som no violão // Ensaiam vozes música no alto... // Música inédita Vilma // Mardilê Fabre
  • 11. Sublimação Violão que tange Letra que revela Coração que plange Mardilê Fabre Sublimação // Enlevo Violão que tange // música sonora Letra que revela // poema de agora Coração que plange // alma que chora... Mardilê Fabre // Vilma Sublimação // Enlevo // Sinfonia Violão que tange // música sonora // Acordes de luz Letra que revela // poema de agora // Na clave de sol Coração que plange // alma que chora... // Poesia traduz Mardilê Fabre // Vilma // Gilnei Nepomuceno
  • 12. ALMAS DESNUDAS Azul e amarelo vestem corpos Canções adornam as almas Ausentes roupagens de sonhos Denise Severgnini ALMAS DESNUDAS // ROUPAS TRANSPARENTES Azul e amarelo vestem corpos // Suores nos rostos Canções adornam as almas // Amantes desfraldas Ausentes roupagens de sonhos // Em galopes risonhos Denise Severgnini // Gilnei Nepomuceno
  • 13. ALMAS DESNUDAS // ROUPAS TRANSPARENTES /// SONHOS EXPOSTOS Azul e amarelo vestem corpos // Suores nos rostos /// Tensão no ar Canções adornam as almas // Amantes desfraldas /// em noites  insones Ausentes roupagens de sonhos // Em galopes risonhos /// me exponho... Denise Severgnini // Gilnei Nepomuceno//Mari Saes
  • 14. Tarsila do Amaral (1886-1973) é a pintora mais representativa do Modernismo brasileiro. Seu quadro “Abaporu” (1928) inaugurou o movimento antropofágico nas artes plásticas. Suas obras estão ligadas a temas sociais, como “Operários”. Apesar de integrar-se ao Modernismo, não participou da Semana da Arte Moderna. Operários – Tarsila do Amaral
  • 15. Ansiedade Estáticos e ansiosos, aguardam silentes a  decisão. Mari Saes Ansiedade//Desempregados Estáticos e ansiosos,//rostos ambíguos aguardam silentes//desenham sonhos a  decisão.//conseguir empregos Mari Saes//Denise Severgnini
  • 16. Operários Rostos cansados Acordam o sol, e com ele dormem Denise Severgnini Operários // Obreiros Rostos cansados // Trabalho estafante Acordam o sol, // Voltam já é noite, e com ele dormem // Venceram mais um dia Denise Severgnini // Mardilê Fabre
  • 17. Fixos Parede de rostos sérios, só vejo os olhos Vilma Fixos  // Olhares Parede de rostos // inexpressivos sérios, só vejo // circunspectos os olhos // incompreensíveis Vilma // Mardilê Fabre Fixos // Olhares // Aguardam Parede de rostos // inexpressivos // esquecidos sérios, só vejo // circunspectos // perdidos os olhos // incompreensíveis // sofrem. Vilma // Mardilê Fabre // Mari Saes
  • 18. Fixos // Atentos Parede de rostos // Expostos sérios, só vejo    //  o semblante, os olhos[//e a alma./color] Fixos//Fila de emprego, Parede de rostos// é mural de agonia sérios, só vejo //semblantes preocupados os olhos//turvos de incertezas... Vilma//Denise Severgnini Fixos // Atentos Parede de rostos // Expostos sérios, só vejo // o semblante, os olhos//e a alma. Vilma // Mari Saes
  • 19. Fábrica ... fumaça na imensidão. ... poluição. ... coração da multidão. Cláudia Zin "Operários" Rostos, expressões. Corações a sonhar com dias melhores. Cláudia Zin DESCONFIANÇA Múltiplas faces expostas Respostas reais esperam As perguntas não toleram Denise Severgnini
  • 20. Feições Impassíveis Insondáveis Impenetráveis Mardilê Fabre Feições // Rostos Impassíveis // Absortos Insondáveis // Intrigantes Impenetráveis // Interessantes Mardilê Fabre// Mari Saes
  • 21. Trabalhador  // Empregado Solitário... sem ação. // Precisa emoção Unido... é força // Tem dominação que move a nação. // Faz o porvir acontecer. Cláudia Zin // Mardilê Fabre Trabalhador Solitário... sem ação. Unido... é força que move a nação. Cláudia Zin
  • 22. Mundo cão Seres mecânicos Ações robotizadas Emoções paralisadas Mardilê Fabre Mundo cão // Vida vazia Seres mecânicos //Vida incosciente Ações robotizadas // Atos involuntários Emoções paralizadas // Sentidos em suspenso... Mardilê Fabre // Vilma
  • 23. Rostos No muro ascendente dos rostos nenhum sorriso... A fábrica funciona Vilma Rostos // Faces No muro ascendente dos rostos // Feições desamparadas nenhum sorriso... // Máscaras? A fábrica funciona. // Robôs ou operários? Vilma // Mardilê Fabre
  • 24. Cândido Portinari (1903-1962), pintor social, reportou com a força do expressionismo, o drama do brasileiro. Dava importância ao trabalhador da terra. Uma característica de suas obras são mãos e pés deformados. Pintou a fauna e a flora do Brasil. Homenageou a terra e o povo brasileiros com sua arte. Foi também poeta. Meninos Soltando Pipas Cândido Portinari
  • 25. Vôo Livre Adorno leve e solto, risca o azul de infinita beleza... Mari Saes Vôo Livre//Pandorga Adorno leve e solto,//leve ilusão de seda risca o azul//conduzida por ingênua mão de infinita beleza...//flana no céu anil Mari Saes//Denise Severgnini
  • 26. Pandorga Sobe aos céus Fina seda e cordão Leva os sonhos meus   Denise de Souza Severgnini Pandorga//Pipa Sobe aos céus// alegrando os olhos meus Fina seda e cordão// a singrar a imensidão Leva os sonhos meus//o mais próximo de Deus Denise de Souza Severgnini// Bhall Marcos
  • 27. PANDORGA//LEVEZA Sobe aos céus//como ave e balão Fina seda e cordão//flutuam leve pelos ares leva os sonhos meus//no vôo da imaginação... Denise Severgnini//José de Castro Pandorga// Mãe carinhosa Sobe aos céus// Debaixo de véus Fina seda e cordão// Com o manto do coração Leva os sonhos meus// Protege os filhos teus Denise Severgnini// Gilnei Nepomuceno  
  • 28. Brincadeira//divertimento infantil Céu azul//Nuvens brancas terra seca.//ressequida pelo sol Pássaros são pipas...ou pipas sã papagaios. ViLMA//MARINEUSA SANTANA Brincadeira // divertimento infantil // Alegria Céu azul//Nuvens brancas // Tudo em paz terra seca.//ressequida pelo sol // o canto do rouxinol Pássaros são pipas...ou pipas sã papagaios.// a voar  em liberdade... ViLMA//MARINEUSA SANTANA // MARI SAES Brincadeira Céu azul terra seca. Pássaros são pipas... Vilma
  • 29. Pipas Soltas ao vento, levam sonhos... Arrebatamento. Mardilê Fabre Pipas //  Palavras Soltas ao vento ,// procuram pouso, levam sonhos... // pensar não ouso... Arrebatamento //  Sentimento... Mardilê Fabre // Vilma Pipas No céu a pairar, meninos alegres a brincar sem perceber o tempo passar. Cláudia Zin
  • 30. Infância Tempo feliz. Que voa como pipa, escorre das mãos por um triz. Cláudia Zin Pipas Pipas no céu braços levantados. Queremos voar... Vilma Pipas // No céu Pipas no céu // Perto de Deus braços levantados. // Alegria pelo intento Queremos voar... // Liberdade está no alto... Vilma // Mardilê Fabre
  • 31. Infância   Braços aos céus, dois meninos Cabeças soltas aos sonhos Dos papéis de seda voadores... Denise Severgnini Papagaio Brinquedo de criança Para adulto, recordação Eterna na andança Mardilê Fabre Papagaio /Raia Brinquedo de criança/ nas ruas do sertão Para adulto, recordação/ é um  tempo de emoção Eterna na andança// para adulto e criança Mardilê Fabre//Marineusa Santana
  • 32. Liberdade Submarina Denise Severgnini
  • 33. EMOÇÃO EM BRASA Sol_ emoção em brasa Poesia _ brasa na emoção Brasa _ emoção... Sol_ em_ poesia! Denise Severgnini Liberdade em mim Olhos-luas abertos no tempo Pensamento na memória Viajei na minha história Denise Severgnini Horizontes Lua minguante, calada Em humildade, Renovou-se, esplendida . Sunny Lóra
  • 34. Negros Dias Morreu a luz solar Gritou minha alma Eu saí de mim Denise Severgnini   Negros Dias // Noites claras  Morreu a luz solar // A luz da lua chegou  Gritou minha alma // meus lábios sorriram  Eu saí de mim // dentro de minha alma.   Denise Severgnini // Sunny SL Acolhendo Velo teu sono de longe E dou-te carinho. Mas sinto tanta saudade... Sunny Lóra
  • 35. "Liberdade submarina" Peixinho a nadar, alegria sublime, no fundo do mar. Cláudia Zin Harmonia... Lua e Sol... Céu e Mar... Liberdade a vicejar. Cláudia Zin Incoerência Dança peixe água azul Boca aberta engole mundo Confusa liberdade absurda Denise Severgnini Raios Iluminam águas escuras Abrem caminhos Para plantas nascituras Mardilê Fabre
  • 36. Tempestade Um novo barquinho! Se ele afundar, aprendo a nadar... Sábia descoberta Aquele sol bonito Que era o meu sonho Surpreendeu, imperfeito... Mais um pedido Não deixa-me sentir frio Eu adoro o teu calor Das tuas horas amenas... Meu Modo de Amar Oh, tu, meu peixinho, Ensina-me a nadar? Faço-me de onda azul... Sunny Lóra
  • 37. Sonho de menina Um quadro de peixes, Com um sol e uma lua, Mas só sei versejar... Sunny Lóra Encantando Vem, calmaria, Acalenta o meu coração Que precisa aconchego... Sunny Lóra Encantando //Enfeitiçando Vem, calmaria, // Fica comigo Acalenta o meu coração // Sente minha paixão Que precisa aconchego... // Abraça-me com frenesi... Sunny Lóra // Mardilê Fabre
  • 38. Concorrência O mar ficou azulado... Na água, sol... Peixe perturbado... Mardilê Fabre Peixe Um peixe rosa querendo ar. Flores a nadar Vilma Peixe // No mar Um peixe rosa // De um lado p´ra outro querendo ar. // Sem parar Flores a nadar // Este é o seu lar. Vilma // Mardilê Fabre
  • 39. Vislumbre Buscou o céu. Pecou pelo sol, morreu pela boca. Mara Pupin Vislumbre // Sonho, Buscou o céu, //  no azul do  mar. Pecou pelo sol, // reflexo a raiar. morreu pela boca. // Partiu... Mara Pupin // Vilma Vislumbre // Sonho,//Reflexão Buscou o céu, //  no azul do  mar. // Deixou-se levar... Pecou pelo sol, // reflexo a raiar. // Num momento de  reflexão morreu pela boca. // Partiu... // Evadiu... Mara Pupin // Vilma // Mari Saes
  • 40. Formatado por : Mardilê Fabre Música: Denise & Severgnini Música: Baby Einstein - German Dance n.2

×