Your SlideShare is downloading. ×
0
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
CARTA DE AMOR AO MEU PAI
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

CARTA DE AMOR AO MEU PAI

65,273

Published on

CARTA DE AMOR AO MEU PAI

CARTA DE AMOR AO MEU PAI

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
65,273
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Carta de Amor ao Meu Pai Não sei quando comecei a te escrever esta carta. Talvez, tenha sido no momento, em que descobri que eras apenas humano. Naquele dia, decidi retirar dos teus ombros o fardo de herói. Lembro-me do meu desencanto por não corresponderes àquela imagem que eu via estampada nos anúncios de TV, quando se aproximava o dia de te comercializarem, emprestando-te signos que eu não encontrava em ti. Na minha ótica, ainda infantil, ficava a pensar se existia aquele modelo de pai, maior até que Deus, veiculado insistentemente pela mídia.  
  • 2. Olhava-te em tuas fragilidades e faltas renitentes, comparando-te com aquele pai de olhos azuis a rolar pelo tapete da sala com os filhos. Esta era a fotografia de pai que me era mais forte, em virtude dos apelos da propaganda. Em minha ingenuidade, ficava a me perguntar, porque meu pai não era assim.  Reportando-me à educação que tiveste, soa-me agora mais fácil compreender a tua inabilidade para demonstrar afetividade. Vinhas de uma família numerosa e pobre.
  • 3. Meu avô era um homem rude e seco, no que se referia aos filhos. Imbuído do sustento da família, sobrava-lhe pouco tempo para demonstrações de carinho. Estranhamente, agia de outra forma com os netos. Vem-me à mente, quando ele nos visitava e me punha no colo, fazendo-me mimos à sua maneira. Naqueles momentos, o vovó Joaquim tornava-se irreconhecível. Acho que buscava resgatar com os netos a ternura que não conhecera também, enquanto pai. Um exercício de paternidade que tentava recuperar, já que os tempos eram menos difíceis.  Quando abro meu álbum de memórias, quase nada recordo da minha infância. É como se ela tivesse sido apagada ou nunca existido.
  • 4. As lembranças mais consistentes apontam para a minha adolescência. Talvez, por ter sido a época, em que me vi tua filha de verdade. A caricatura do pai bonachão adquiria outra consistência e significado. O modelo de pai que eu tanto cultuara em minha imaginação rompia paradigmas. Foi preciso que a morte quase nos rondasse, para que eu enfim te compreendesse e pudesse te olhar sem falsas expectativas ou cobranças.  Fazia quase um ano que eu decidira não mais te falar. Cansara das discussões e da tua pouca decisão em mudar os rumos da tua vida. A minha determinação em te dizer, o que eu pensava, sempre te assustava. Devias pensar, como uma fedelha como eu, ousava te mostrar verdades que tanto negavas.
  • 5. O acidente automobilístico realizou duplo milagre: poupou-te a vida e modificou minha forma pouco indulgente de te ver. Recordo-me agora da minha aflição, quando me deparei com a possibilidade de te perder. Respirei aliviada, quando me informaram por telefone que estavas fora de perigo. Estando tão distante de ti, tanto fisicamente, quanto espiritualmente, não podia ir ao teu encontro.  Saíste do hospital e surgiu o momento de nos reencontrarmos. Eu fazia aniversário naquele dia. Em meio a festa que transcorria, emudeci com a tua chegada. Apenas olhei-te e com o orgulho restabelecido também, não fiz qualquer gesto para me aproximar.
  • 6. Tu, ignorando meu comportamento, pegaste-me pelas mãos e me conduziste a um lugar reservado. Não sei narrar, o que se passou naqueles instantes. Lembro-me apenas do calor do teu abraço, da tua voz pedindo-me perdão, por não seres o pai que eu tanto desejava. E quando te perguntei, se tu ainda me amavas, disseste-me algo que jamais esqueci: “Amo-te, desde quando nem sabias da cor dos meus olhos. Amo-te, desde quando eu sequer sabia, se eras um menino ou menina. Amo-te, desde quando sequer existias e apenas era um sonho do meu desejo de pai”.  Quase 21 anos se passaram. Hoje, tanto já galgamos em nossa relação.
  • 7. Compreendo que sempre foste amparo para os meus olhos. Mesmo no silêncio dos lábios, acompanhavas-me.  Talvez, entenda-te tanto, porque me veja em ti. O silêncio do sentir herdei de ti. Emudecer diante da dor ou da extrema alegria são características nossas. Alguns chamam de indiferença e orgulho. Nós sabemos que não. É apenas o nosso jeito de não incomodarmos o mundo diante da pequenez do que somos.  Amar-te sem aquela armadura de pai herói me é muito mais fácil!
  • 8. *Esta carta é apenas um depoimento de amor. Desconsiderem qualquer tentativa de análise, no que diz respeito a valor literário.  É somente uma homenagem ao meu pai em meio a emoção que me toma. ”        Fernanda Guimarães Sabemos que estamos a todo momento nos reconstruindo, porque nos reconhecemos inacabados. Rasgamos os modelos, porque na dinâmica da emoção e da humanidade, os estereótipos apenas atravancam o processo de conhecimento e doação.  00 00 00 00 00 00 Música : Helmut Zacharias - Unter dem Montagem : [email_address] www.pranos.com.br

×