Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
ANTIGAS PROFISSOES DE ISBOA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

ANTIGAS PROFISSOES DE ISBOA

  • 1,640 views
Published

ANTIGAS PROFISSOES DE LISBOA

ANTIGAS PROFISSOES DE LISBOA

Published in Economy & Finance
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,640
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
20
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Olhai, senhores, esta Lisboa d'outras eras… Das festas, das seculares procissões, Dos populares pregões matinais que já não voltam mais! Com som
  • 2. O AGUADEIRO " Há água fresquinha! Quem quer quem quer?"
  • 3. O ALFARRABISTA " Vendemos livros cheios de histórias e que por vezes são surpreendentes”
  • 4. O TRAPEIRO “ Quem tem trapos ou farrapos que queira vender”
  • 5. O ARDINA "Capital, Lisboa ó Pópular"
  • 6. O BARBEIRO “ Corte ou caldinho?”
  • 7. A CRIADA DE SERVIR “ Adeus ó terra, adeus linda xerra do Sol a brilhar...”
  • 8. O ENGRAXADOR “ Sentado na banqueta, pano nas mãos, curvado sobre o sapato do freguês, concentrado e absorto, como se nada no mundo fosse capaz de o fazer levantar a cabeça.”
  • 9. O FOTÓGRAFO À-LÀ-MINUTE “ Olhó passarinho!”
  • 10. O MOÇO DE FRETES “ Com passinhos curtos, anda dobrado, como se tivesse dores de bexiga. A cara e os olhos, são vermelhos, ensopados em sangue. Carrega tudo aos ombros com uma complicação de cordéis...”
  • 11. O LIMPA-CHAMINÉS “ Muitas vezes parece que o diabo bate à nossa porta mas é simplesmente o limpa-chaminés”
  • 12. A MODISTA “ ...muito valorizada entre os anos 30 e 40. Ela fazia o trabalho que hoje faz o estilista e tinha um status maior que a costureira. Ser modista era chique...”
  • 13. O PADEIRO “ Olha o padeiro entregando o pão De casa em casa entregando o pão Menos naquela, aquela, aquela, aquela não Pois quem se arrisca a cair no alçapão? “
  • 14. O PESCADOR “ Rede que volta vazia Traz tristeza ao pescador Que apesar da arrelia Leva em frente o seu labor”
  • 15. O PROPAGANDISTA “ Olha a banha de cobra”
  • 16. O SAPATEIRO " Não suba o sapateiro acima da sandália..."
  • 17. A VENDEDEIRA DE GALINHAS “ Ó freguesa... essa até tem ovinhos”
  • 18. O VENDEDOR DE CASTANHAS “ São quentes e boooas” Ao canto do Outono, à esquina do Inverno, o homem das castanhas é eterno. Não tem eira nem beira, nem guarida, e apregoa como um desafio. É um cartucho pardo a sua vida, e, se não mata a fome, mata o frio.
  • 19. O VENDEDOR DE GELADOS “ Há fruta ou chocolate!”
  • 20. O VENDEDOR DE RENDAS “ Olhe senhora... esta é de bilros!”
  • 21. A VENDEDEIRA DE FIGOS “ Quem quer figos quem quer almoçar...”
  • 22. A VENDEDEIRA DE PETISCOS “ Pastéis de bacalhau, pataniscas, caracóis...”
  • 23. A LAVADEIRA “ ...três corpetes, um avental... que a freguesa deu ao rol.”
  • 24. O POLÍCIA “ Não quero aí ajuntamentos...”
  • 25. A VENDEDEIRA DE REFRESCOS “ Há capilé!”
  • 26. O TABERNEIRO “ Ó bo taberneiro denantes de vender o viño bautizao primeiro”
  • 27. A TELEFONISTA “ Para onde quer falar?”
  • 28. “ Olhó carapau fresquiiiinho!” A VARINA É varina, usa chinela, tem movimentos de gata; Na canastra, a caravela, no coração, a fragata.
  • 29. A AMA “ Tenha cuidado menino!”
  • 30. O CALCETEIRO “ De cócoras, em linha, os calceteiros, com lentidão, terrosos e grosseiros, calçam de lado a lado a longa rua.”
  • 31. O CALISTA “ Ó Sôr Hilário, está aqui uma unha quase encravada...”
  • 32. O CARTEIRO Quando o carteiro chegou e o meu nome gritou com um carta na mão. Ante surpresa tão rude, nem sei como pude chegar ao portão. “ ...quanta verdade tristonha a mentira risonha que uma carta nos traz...”
  • 33. A COSTUREIRA “ Ai, chega, chega, chega, chega, ó minha agulha...”
  • 34. O ESTIVADOR “ Açúcar no cais do porto É na estiva, é na estiva Ás vezes me sinto morto A alma morta, a carne viva”
  • 35. O COVEIRO “ Lá vem mais um!”