No início dos anos 90
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

No início dos anos 90

on

  • 177 views

 

Statistics

Views

Total Views
177
Views on SlideShare
177
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

No início dos anos 90 No início dos anos 90 Document Transcript

  • No início dos anos 90, um evento internacional do Partido Verde da Alemanha, reuniurepresentantes de vários países. Um dos participantes brasileiros viu um documento,já naquele tempo, em que apontava a área dos Yanomani (a hoje famosa RaposaTerra do Sol), muitos antes de ser entregue a meia dúzia de índios e às ONGsinternacionais, como bilionária em recursos minerais. Mais de duas décadas antes davergonhosa entrega de metade de Roraima a poucos índios e onde não se falaportuguês, já se sabia do porquê do grande interesse internacional pela Amazônia epor essas áreas. E isso é apenas a ponta do icerbeg. Há minérios vitais para novastecnologias e que existem só no Brasil. O nióbio é um deles. Por exemplo: amaiorreserva de nióbio do mundo está em São Gabriel da Cachoeira (AM). O minério é vitalpara fabricação de turbinas, naves espaciais, aviões, mísseis, centrais elétricas esuper aços. Cerca de 98% de todo o nióbio do Planeta só se encontra no Brasil e, namaior parte, na Amazônia.Vendemos essa rara riqueza, para o resto do mundo, a preços vis. Poderíamos faturarmais de 14 bilhões de dólares/ano, mas nossas vendas não chegam a um décimodisso. O preço internacional é determinado na Inglaterra, país que não tem uma pedrasequer deste produto. As grandes corporações internacionais pagam pelo nióbio,metal nobre e raro, um preço ridículo. Comparando: seria como se os árabesvendessem o barril de petróleo a um dólar. Deu prá entender? Então, são por essascoisas que as ONGs querem dominar a Amazônia. E o governo brasileiro sabe disso.Sabe hoje e sabia há décadas atrás, quando começamos a ser explorados. Com avaldos nossos governantes e de muitos quinta colunas, alguns apenas por ingenuidade,que estão entregando tudo de mão beijada para esses invasores.ApresentaçãoDerivado do Sueco TungSten, pedra pesada e o símbolo de Wolfram, Wolframiteminério de Tungstênio. Peter Woufe em 1779 e Scheele em 1781 descobriram o ácidotúngstico no mineral chamado hoje de Scheelita. Em 1783 os irmãos espanhóis J.J. andF. Elhuyar descobriram o mesmo ácido no mineral Wolframita e o reduziram comcarvão vegetal obtendo o metal. Atualmente é obtido pela redução do trióxido (WO3)com hidrogênio ou carbono. É um metal com tonalidade que varia do cinza a brancoprateado, resistente ao ataque de ácidos, apesar de ser o metal com maior ponto de fusãoqueima ao ar quando aquecido formando WO3 amarelo.Características principaisO tungstênio puro é um metal duro de aspecto branco a cinza. Quando muito puro podeser cortado com uma serra de metais, forjado e trefilado (é frágil e difícil de sertrabalhado quando impuro). O elemento apresenta o mais elevado ponto de ebulição(5657° C), a menor pressão de vapor e a mais elevada resistência a tensão emtemperaturas acima de 1650°C, entre todos os metais. Sua resistência à corrosão éexcelente e só é atacado ligeiramente pela maioria dos ácidos minerais diluídos. Otungstênio, quando exposto ao ar, forma na sua superfície um óxido protetor, porémpode ser oxidado em alta temperatura. Quando adicionado em pequenas quantidades aoaço eleva consideravelmente a sua dureza.
  • AplicaçõesO tungstênio é um metal com uma enorme gama de usos, largamente utilizado na formade carbonetos (W2C, WC). Os carbonetos, devido à elevada dureza, são usados pararevestir brocas de perfuração de solos utilizados em mineração, indústria petrolífera eindústrias de construção. O tungstênio é extensivamente usado em filamentos delâmpadas incandescentes e válvulas eletrônicas e, como eletrodos, porque apresenta umponto de fusão muito elevado e pode ser transformado em fios muito finos.Outros usos:* O ponto de fusão elevado do tungstênio é apropriado para aplicações aeroespaciais,em válvulas de propulsores de mísseis e aeronaves. Por ser resistente a altastemperaturas, é usado também em calefação, indústrias de fundição e nuclear.* As propriedades dureza e densidade tornam este metal ideal para a fabricação de ligasde metais pesados que são usados em armamentos, dissipadores de calor e emaplicações de alta densidade tais como pesos e contrapesos.* Ferramentas de aço de alta velocidade (Hastelloy®, Stellite®), que exigem condiçõesdrásticas de trabalho, são frequentemente combinadas com tungstênio.* Superligas contendo este metal são aplicadas em lâminas de turbinas, ferramentas deaço e como revestimentos de peças que exigem alta resistência.* Compostos de tungstênio são usados como substitutos do chumbo em projéteisbalísticos (balas de armas de fogo). Também usados em pontas de lanças e dardos.* Compostos de tungstênio são usados em catalisadores, pigmentos inorgânicos, e odissulfeto de tungstênio como lubrificante para atuar em altas temperaturas, pois éestável até 500°C.* Como apresenta expansão térmica semelhante ao vidro de borosilicato (pirex), é usadopara selar a união vidro-metal.* É usado em munição como penetrador de energia cinética (APFSDS) como umaalternativa ao urânio esgotado (DU).* Os óxidos são usados em esmaltes cerâmicos e os tungstatos de cálcio/magnésio sãoextensivamente usados em lâmpadas fluorescentes.* O metal é usado como alvo em tubos de raio-X em radiologia geral e como elementoaquecedor (resistência) em fornalhas elétricas.* Sais que contêm tungstênio são usados em indústrias de produtos químicos e decurtumes* "Bronzes" de tungstênio (assim chamados os óxidos de tungstênio devido à corbronzeada) juntamente com outros compostos são usados em tintas.* O carbeto de tungstênio tem sido utilizado recentemente para a confecção de jóiasdevido à sua natureza hipoalérgica e ao fato de não perder o brilho como os demaismetais.Segunda Guerra MundialNa Segunda Guerra Mundial, o tungstênio desempenhou um papel de enormeimportância nas relações diplomáticas. Portugal, como a principal fonte deste elementona Europa, foi colocado sob grande pressão de ambos os lados em disputa, já que esteelemento era essencial para a produção de volfrâmio[1]. A resistência a altastemperaturas, assim como a extrema resistência mecânica das suas ligas, fizeram destemetal um material muito importante na indústria de armamento.
  • RIO - O Brasil está disposto a entrar em um mercado bilionário dominado pela China e que éfundamental para a produção de aparelhos de alta tecnologia, como laptops, iPods e atémísseis. Técnicos do governo avaliam o potencial do país para explorar as chamadas terrasraras, conjunto de 17 elementos químicos encontrados em jazidas minerais e que há atépouco tempo não passavam de siglas na tabela periódica. A ideia é consolidar um programade pesquisa e desenvolvimento para minerais estratégicos, entre eles terras raras, além detraçar uma radiografia dos consumidores nacionais e identificar potenciais produtores. Assim,o governo pretende retomar a atividade - que hoje não representa sequer 1% da produçãomundial - num segmento em que o país já foi líder global. Hoje, os chineses respondem por97% da produção internacional, com 120 mil toneladas por ano.Paralelamente, as Indústrias Nucleares do Brasil (INB) estão negociando com a UniversidadeFederal Fluminense (UFF) a realização de pesquisas no oceano com o objetivo de identificarnovos depósitos de terras raras no país. A INB assumiu a exploração de terras raras noBrasil nos anos 90, após a extinção da Nuclemon, estatal que estava à frente da atividadeaté então. Umas das razões que fizeram a Nuclemon sair de cena foi a entrada com força daChina nesse mercado, que jogou os preços para baixo, tornando a produção pouco lucrativa.Ironicamente, é a China que poderá levar o Brasil a ampliar sua atuação no segmento. Apósrestrições impostas por Pequim às exportações de terras raras, em setembro de 2010, opreço da tonelada saiu de US$ 5 mil para US$ 50 mil.Com esse salto, os técnicos do governo avaliam que está na hora de o Brasil voltar a terdestaque nesse nicho. Em 2010, o mercado mundial de terras raras movimentou US$ 2bilhões. Se os preços se mantiverem no patamar atual e a demanda continuar a crescer -estudo do Congresso americano aponta para uma demanda de 180 mil toneladas em 2012,ante as 134 mil em 2010 -, o mercado potencial para o próximo ano é de US$ 9 bilhões.Com produção residual, de apenas 650 toneladas de terras raras em 2009, segundo últimosdados disponíveis, o Brasil estaria praticamente fora desse boom, apesar de ostentar o títulode terceiro maior produtor mundial. O segundo colocado é a Índia (2.700 toneladas).Minas Gerais, por sua vez, é também cobiçada pela grande quantidade deminerais em seu território, concentrando 73% da produção mundial de nióbio,mineral utilizado na fabricação de mísseis e foguetes, além de 98% da produçãonacional de diamantes e 91% de outras gemas. Vimos sofrendo com o contrabandode parte de nosso minério, de nossas pedras e de nossos animais silvestres, para oexterior.