O caráter popular das Revoluções e o sentido da liberdade

431 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
431
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
94
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O caráter popular das Revoluções e o sentido da liberdade

  1. 1. O caráter popular das revoluções e o sentido da liberdade Emerson Mathias1 Pensar em liberdade como conhecemos o termo hoje, somente após as Revoluções Inglesas eprincipalmente após a Revolução Francesa. Esse pensamento, esse desejo era também da massa, do povo,presentes nas três revoluções. Temos em toda a historiografia sobre as revoluções, heróis, líderes, nobres, reis, entre outros.Porém, onde estava o povo? Uma revolução não se faz sem o povo, sem o arroubo das massas populares esuas necessidades, entre elas a liberdade. “(...) foi espantoso ver como a própria palavra liberdade pôde desaparecer do vocabulário revolucionário, talvez não menos desconcertante foi observar como a ideia de liberdade se introduziu em anos recentes no centro da mais séria discussão entre todos os debates políticos da atualidade: a discussão da guerra e do uso justificável da violência.” (ARENDT, 2011:36) Segundo Florenzano, na Revolução Inglesa de 1640 e na Revolução Francesa de 1789, a burguesianão se se comportou e nem lutou como uma classe revolucionária na derrubada da antiga ordem. Tinhamapenas a intenção de restaurar os regimes dentro de suas necessidades. Como uma nova classe emergente aburguesia vai moldando seus costumes, sua cultura, sua ideologia, alterando o sentido do termo “liberdade”,após as revoluções “ditas” burguesas. Como afirma Arendt, “as revoluções não são meras mudanças, asrevoluções são um processo incontrolável”. As Revoluções foram processos onde várias classes lutaram separadamente por seus interesses, elas não tiveram líderes, o iluminismo surgiu devido a revolução e não o contrário. A classe popular revolucionária é que tomou as ruas e pegou em armas para buscar seus direitos epor melhores condições de vida, o homem passa a acreditar que pode mudar sua condição de miséria,percebe que tem a liberdade para mudar sua vida, percebe que a miséria não é uma condição divina e que osmonarcas não são o poder de Deus na terra. “A Revolução Francesa não foi feita ou liderada por um partido ou movimento organizado, no sentido moderno, nem por homens que estivessem tentando levar a cabo um programa estruturado. Nem mesmo chegou a ter “líderes” como as revoluções de século XX (...) um surpreendente consenso de ideias gerais entre um grupo social bastante coerente deu ao movimento revolucionário uma unidade efetiva. (HOBSBAWN, 2010:103) Para Hill, em O Mundo de ponta-cabeças, grupos populares como os quakers, levellers, moglianos,diggers, entre outros, foram importantes para as Revoluções Inglesas (1640 a 1688). Segundo Florenzano,essas revoluções foram passivas, ou seja, a burguesia não derrubou o antigo regime imediatamente, e sim,fez arranjos políticos com esses regimes. Mesmo a Revolução Francesa, considerada a única revoluçãoburguesa passou por ditaduras bonapartistas. O termo “liberdade” após a Revolução Francesa, se torna uma arma a favor das elites dominantes,1 Graduando em Licenciatura em História – Universidade Nove de Julho. UNINOVE. 2012.
  2. 2. que a interpretam conforme suas necessidades, segundo a nova ordem capitalista. Em carta de 25 de dezembro de 1799, dirigida a Jorge III, Rei da Inglaterra, Napoleão se apressou em mostrar-se indignado: “Como é possível que as duas nações mais esclarecidas da Europa (...) possam sacrificar a prosperidade do comércio a ideias vazias de grandeza!” Falar em prosperidade do comércio era o mesmo que dizer a liberdade do tráfico, pois as nações mais “esclarecidas” eram também as duas grandes potências negreiras. (RIBBE, 2008:52) A Revolução Industrial Inglesa, alterou as condições de produção, maquinofatura, comunicação,estradas de ferro, entre outras benfeitorias. Estes fatores fizeram a burguesia assegurar sua dominação nonovo regime, não só no Ocidente, mas em todo o mundo. O capitalismo emergia e junto com ele trouxe todasas lutas políticas e econômicas que existem atualmente. A participação de grupos populares é inegável nessasrevoluções. Para Florenzano, a revolta dos grupos populares urbanos e rurais foi ponto fundamental para aderrubada do poder absolutista. Para Hobsbawn, a grande Revolução (1789-1848), foi o triunfo da indústriacapitalista, não dá liberdade e igualdade em geral. Segundo BOBSBAWN (2010) “(...) Se a economia domundo do século XIX foi formada principalmente sob a influência da Revolução Industrial Britânica, suapolítica e ideologia foram formadas fundamentalmente pela Revolução Francesa.” Liberdade, fraternidade e igualdade. Declaração dos direitos do homem de 1789. Chomsky, emRazões de Estado cita Bakunin que nos diz, que o Estado passa a legitimar toda sua conduta colonialista eimperialista, que transgride os diretos humanos, de liberdade, igualdade e fraternidade. No passadoescravizando, matando, roubando...como vemos as grandes potências do passado, Inglaterra e Françaprincipalmente, e hoje os EUA, criando suas guerras não menos nocivas e genocidas para impulsionar ocapitalismo, o comércio, enfim, a barbárie continua só que com nova roupagem, mais “clean”, maistecnológica. Hoje essas atitudes passam a ser uma virtude do Estado, patriotismo, nacionalismo, justificam amatança e a carnificina em todo o mundo. Para CHOMSKY (2008) “(...) o Estado de direito é mais vistocomo um instrumento maléfico de dominação tirânica do que como uma força de emancipação ou deproteção dos direitos humanos.” “Defender” a liberdade passou a ser dever do Estado, mas para quem? Ofender, oprimir, despojar,pilhar, assassinar ou escravizar o semelhante é considerado crime, porém quando essas coisas são feitas pelopatriotismo e pela glória do Estado (suas elites dominantes), para ampliar sua zona de influência e seu poderem todo mundo, tudo se transforma em virtude. Ontem matava-se, escraviza-se, pilhava-se, despojava-se em nome de Deus, hoje fazem o mesmoem nome Dele, mas colocam seu nome em um papel, e o louvam!

×