Your SlideShare is downloading. ×
É do Brasil, mesmo?
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

É do Brasil, mesmo?

139

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
139
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. É do Brasil, mesmo? Aproximadamente vinte minutos para entrar naquele estabelecimento. Ele já havia colocado sua mochila no armário, como manda, ou melhor, “sugere” a instituição. Já havia colocado todas suas moedas, chaves e penduricalhos de metal naquela caixinha ao lado da porta. Mesmo assim a giratória sismava em apitar, e uma voz meiga e suave dizia: “Por favor, volte pois detectamos excesso de metais. Qual a lógica de um estabelecimento que trabalha com dinheiro e você não pode entrar com metal? Vil (seria uma boa investigação nessas instituições, mas é outra história) ou não? Parou e pensou: “Essa instituição fundada em 1808, com mais de duzentos anos não “deixa” ou desconfia dos seus clientes que sempre lhe deram ouro desde que o Brasil é Brasil. Como diria Althusser, é mais um aparelho ideológico do Estado...continuam achando que esse povo que está aqui não é daqui. Ainda sem conseguir entrar, olhou para os cartazes, folders e posters, e percebeu que todos modelos (pessoas) nestas propagandas da centenária instituição não eram nem de longe o estereótipo físico do povo tupiniquim. Logotipo em azul com as iniciais BB, com fundo amarelo, pessoas alvas, com cabelo também amarelo...amarelo ouro, o que tinha de mais escuro era uma modelo num folder, alva com cabelo negro (enfim!) sorrindo com um cartão na mão escrito: “Ourocard”. Ele também tinha um Ourocard, mas não se parecia com o modelo que estava no folder, estaria no lugar errado? No país errado? Ou simplesmente a porta giratória estava com “defeito” como os seguranças começaram a lhe dizer, pois percebiam seu nervosismo aumentando com a situação. A porta só quebra para tupiniquins de pele escura? As coisas não funcionam mesmo pra nós não é!? Ou foram feitas para não funcionar? Concluiu que nada foi feito para nós! Então começou a matutar; Ouro, é o seu chavão, leva o nome do país onde milhares trabalharam e morreram por ele, escravizados e supliciados...essa história “talvez”, só “talvez” aconteça na maioria das instituições do país...é corriqueiro! Sem importância! A ideologia da elite dominante é essa, lembrou-se de Marx e novamente Althusser: “Todas as instituições transmitem a ideologia e o modo de vida da classe dominante atual.” O problema é que essa elite é a mesma do Brasil escravagista e patriarcalista, e sua mentalidade ainda impera. Pensou, deveriam corrigir uma letra no logo desta instituição, passar de BB para BS, sim seria mais pertinente com sua propaganda e sua conduta com seus clientes tupiniquins. BS, Banco da Suécia, tudo alvo e amarelo. Ouro...ouro...ouro! Talvez não tenham conseguido licença para abrir filial por lá. Recordou de José Murilo de Carvalho e concluiu; “Nunca foi, ainda não é, e não sabemos quando isso se tornará uma República...Hoje somos poucos bilontras, amanhã seremos muitos! Emerson Mathias – 07/08/2013. SP

×