Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce

  • 34,544 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
34,544
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3

Actions

Shares
Downloads
506
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1.
    • Anatomia e Fisiologia dos
    • Peixes de Água Doce
  • 2. INTRODUÇÃO
    • Exploração de diferentes níveis tróficos
    • do ecossistema aquático
    • Os peixes possuem o maior nº de especializações
    • dentre os grupos de vertebrados
    • Variação estrutural maior que dos outros vertebrados
    • Características anatômicas e fisiológicas
    • Inferir sobre os hábitos e comportamentos alimentares
  • 3. HÁBITOS ALIMENTARES 1. Planctófagos
    • Classificam-se em:
    • a) Seletores : selecionam suas presas individualmente;
    • b) Filtradores passivos: abrem a boca e nadam, deixando que os rastros concentrem as partículas;
    • c) Filtradores ativos ou bombadores: o peixe fica parado ou ligeiramente em movimento fazendo bombear água através de movimentos ativos da cavidade oro-branquial.
  • 4. Tubarão-baleia Nome Científico: Rhincodon typus Família : Rhincodontidae (1ssp.) Maio peixe conecido. Fonte: wikipedia
  • 5.
    • 1.1 Fitoplânctófagos :
    •  Nível mais baixo da cadeia alimentar  algas do fitoplâncton
    •  Rastros branquiais para filtragem e seleção das algas da água
    • 1.2 Zooplântófagos :
    •  Zooplâncton  2º grau da cadeia alimentar
    •  tb possuem rastros desenvolvidos
    •  Os dentes estão ausentes ou são diminutos
    •  A boca é pequena e protátil (capaz de projetar-se)
    1. Planctófagos
  • 6. Nome científico: Odontesthes bonariensis Nome popular: peixe-rei por ter em sua cabeça uma mancha dourada em forma de coroa   Regiões de ocorrência: RS
  • 7. 2. Predadores
    •  Alimentam-se de organismos macroscópicos
    • Podem ser:
        • - Carnívoros (qualquer tipo de animal) ex. Piranhas
        • - Ictiófagos ou piscívoros (outros peixes) ex.Dourado
    • - Carcinófago (camarões)
    • - Malacófago (moluscos)
    • - Teutófago (cefalópodos)
    • - Insetívoro (insetos)
    •  Dentes fortes (caninos, incisivos) dispostos até os arcos branquiais
  • 8. 3. Herbívoros
    •  Alimentam-se de vegetais superiores, macrófitas aquáticas ou de frutos e sementes que caem na água
    •  Quanto aos mecanismos digestivos usados para destruir a celulose da célula vegetal, podem ser classificados em:
    • 3.1 - Os que digerem o alimento em estômagos com alta acidez;
    • 3.2 - Que trituram o alimento por meio de dentes faringeanos;
    • 3.3 - Que trituram o alimento por meio de estômago muscular;
    • 3.4 - Que mantêm microorg. fermentadores na porção da parte posterior do instestino.
  • 9. Nome Científico : Ctenopharyngodon idella Reino : Animalia Filo : Chordata Classe : Actinopterygii Ordem : Cypriniformes Família : Cyprinidae
  • 10. 3. Herbívoros
    •  A boca é desenvolvida e possuem pequeno nº de dentes incisivos.
    •  Na natureza, há peixes herbívoros que precisam complementar suas dietas com proteína animal.
    •  A ção negativa dos taninos sobre a digestibilidade das plantas.
    • * No Rio Negro os peixes herbívoros preferem frutas e sementes.
    •  Hyporhamphus melanochir é herbívoro de dia e carnívoro de noite.
  • 11. Hyporamphus melanochir
  • 12. 4. Detritívoros
    •  Peixes que se alimentam de matéria orgânica de origem animal em putrefação e/ou matéria vegetal em fermentação.
    •  Alguns detritívoros, talvez todos, têm suas dietas complementadas com algas e bactérias, como Mugil cephalus , Tilapia mossambica e hutilus rutilus.
  • 13. Mugil cephalus Tilapia mossambica hutilus rutilus
  • 14. 5. Iliófagos
    •  Ingerem lodo*, pequenos moluscos, algas, insetos aquáticos, anelídeos presentes no fundo dos ambientes aquáticos
    •  Sentidos de olfação e gustação bastante apurados
    • * Principais alimentos incluídos no lodo:
    • - Org. microscópicos de superfície; detrito planctônico sedimentado; detrito de macroflora; detrito de fauna nectônica e bentônica; matéria coprogênica; detrito orgânico e inorgânico.
  • 15. 5. Iliófagos
    •  Exemplos de peixes iliófagos:
    • Curimbatá ( Prochilodus scrofa )  possuem moela capaz de “digerir” a carapaça silicosa das diatomáceas
    • Saguirú ( Curimatus sp )  peixe destituído de dentição
    • Cascudo ( Plecostomus sp )  alimenta-se exclusivamente de algas
  • 16. Curimbatá ( Prochilodus scrofa ) Curimatus obtusidens Curimatus brevipes Plecostomus sp.
  • 17. 6. Onívoros
    •  Peixes que exploram alimento animal e vegetal vivo, em partes bastante equilibradas.
    •  Onívoras com tendência à carnívora ou à herbívora
    •  Características:
        • - boca de tamanho mediano
        • - dentes molariformes (triturar e roer)
        • - na falta de org. sólidos podem filtrar e ingerir org. planctônicos (tambaqui e tilápia)
        • - estrutura do ap. digestivo é a que mais se assemelha a dos vertebrados, quanto aos aspectos gerais
  • 18. Nome Científico: Oreochromis niloticus Reino: Animalia Phylum: Chordata Classe: Actinopterygii Ordem: Perciformes Família: Cichlidae
  • 19. Aparelho Digestivo: Divisão
    •  Baseado em critérios anatômicos e histológicos
    •  Classificação segundo BÉRTIN (1958) :
    • - Intestino cefálico  cavidade buco-faringeana
    • (boca e seus anexos + faringe) ;
    • - Intestino anterior  esôfago e estômago;
    • - Intestino médio  intestino propriamente dito;
    • - Intestino posterior  esfíncter íleo-cecal ausente ou reto
  • 20.  
  • 21. Aparelho Digestivo Intestino cefálico Intestino anterior Intestino médio Intestino posterior
  • 22. Aparelho Digestivo
  • 23. Aparelho Digestivo
    • A descrição anatômica adquire sua maior importância quando é relacionada ao alimento consumido
    • Conceitos:
    • - Trato digestivo  órgãos compreendidos entre a boca e o intestino (reto)
    • - Tubo digestivo  órgãos do esôfago até o reto
  • 24. Intestino Cefálico
    • O que define é a a ssociação entre sua anatomia com a seleção e captura dos alimentos e a sua preparação pré-digestiva
    • CAVIDADE ORO-BRANQUIAL
    •  
    •  Boca ( transp.)
    • Normalmente observa-se:
    • Peixes carnívoros  boca terminal
    • Peixes iliófagos  boca ventral
    •    Lábios
    • Carnívoros  delgados e aderidos a maxila e presença de corpúsculos gustativos (localização, seleção e captura)
    • Iliófagos  protácteis
  • 25. Intestino Cefálico
    • Dentes
    •    Em geral numerosos
    • - exceções: a carpa (3), a quimera (6) e ausência total
    •  A localização se faz em qualquer osso da cavidade bucal ou faríngica  maxilares, lábios, ossos palatinos, vômeres, faringe
  • 26. Intestino Cefálico
    •    Tipos de dentes quanto à localização na cavidade bucofaringeana:
    •  
    • a) Orais
    • - Finalidade de trituração ou mastigação do alimento ingerido
    • consonância com adaptações anatômicas presentes em
    • outros segmentos do ap. digestivo
    • - Podem ser ainda:
    •          mandibulares  presentes no maxilar e pré-maxilar
    •          bucais  presentes no palatino e assoalho da boca
    •  
  • 27. Intestino Cefálico
    • b) Faringianos
    • - Encontram-se entre o 3º, 4º e 5º arcos branquiais sup. e inf.
    • - Estão relacionados:
    • em espécies carnívoras, a apreensão do alimentos
    • em herbívoros, a função de triturar /rasgar o alimento
    • em onívoros, na maceração de organismos de corpo mole
  • 28. Intestino Cefálico
    •  Classificação dos dentes quanto à forma: (transp.)
    •  
    • 1. Vista frontal da boca, mostrando uma única série de dentes tricuspidados no pré-maxilar e no dentário, e uma série de dentes no palato
    • 2. Dentes caninos alternados com cônicos
    • 3. A1 cuspidados B e C Multicuspidados
    • A2 caninos
    • A3 caninos
    • Além deses: viliformes, truncados, molariformes
    •  
  • 29. Intestino Cefálico
    •  Relação com os diferentes hábitos alimentares:
    • - C arnívoros apresentam em geral orais viliformes pontiagudos ou caninos
    • - Herbívoros apresentam dentes pequenos (mordiscar)
    • - Onívoros apresentam dentes cônicos combinados com granulares
    •  
    •  
    •  
  • 30. Intestino Cefálico
    • O Jaú, por exemplo, tem placas dentígeras faringeanas que com seus movimentos dactiloformes (Fig), participam do mecanismo da eversão estomacal, isto é, auxiliam o estômago a sair pela cavidade buco-faríngea, manobra fisiológica e periódica que serve para eliminar de seu interior o acúmulo de resíduos não digeridos, constituído basicamente por sobras de ossos.
    •  
  • 31. Intestino Cefálico
    •  Língua = espessamento do assoalho bucal
    • - possue células mucosas, botões gustativos e até dentículos
    •  Aparelho branquial
    •   - Rastros branquiais  prevenir o refluxo dos alimentos através da filtragem e auxílio na deglutição
    • - Filtro branquial  intercalação entre os rastros de um arco e outro
    •  
    •  
    •  
  • 32. Intestino Cefálico Relação com o hábito alimentar : -  - carnívoros  desenv. pontiagudos e recobertos com dentículos -  - onívoros  + curtos -  - iliófago  filtração
  • 33. Intestino Anterior
    • Esôfago
    • - geralmente é um tubo curto, de parede espessa, de grande capacidade de distensão e de difícil identificação.
    • - em alguns casos ele se apresenta longo
    • - mucosa esofágica sob a forma de pregas longitudinais
    • - epitélio estratificado e isento de glândulas (aglandular)
    •   - Funções: transporte, lubrificação e deglutição do alimento
    •   - A separação entre o intestino o esôfago e estômago é demarcada por um estrangulamento ou constrição
    •  
  • 34. Intestino Anterior
    •  Estômago
    • - é o órgão que sofre as mais pronunciadas adaptações trópicas e correlações com a sua forma segundo a natureza da dieta
    •  
    • Observa-se que:
    • Em carnívoros: apresenta-se normalmente reto e longo
    • Em onívoros: apresenta-se em forma de Y ou J
    • Em iliófagos: apresenta uma estrutura conhecida como moela
    •  
    •  
  • 35. Intestino Anterior
    •  Estômago
    • É dividido em 3 regiões:
    •          - cárdica
    •          - cecal: forma sacular
    • - pilórica: limítrofe entre o estômago e o intestino médio
    •  
    •  
  • 36. Intestino Anterior
  • 37. Intestino Anterior
    •  Estômago
    • - Em geral, a mucosa gástrica é formada por pregas longitudinais
    • - As glândulas gástricas são encontradas nas regiões cárdica e cecal (secreção de ácido clorídrico e pepsinogênio)
    • - No peixes carnívoros elas são mais elaboradas e numerosas  
  • 38. Intestino Médio
    • Inicia-se na válvula pilórica ou região dos cecos pilóricos e corresponde ao intestino verdadeiro
    • Onde ocorrem os processos químicos da digestão
    • e absorção de alimentos
    • O comprimento do intestino varia conforme o hábito alimentar dos peixes:
    • + curto  geralmente carnívoros e ictiófagos
    • + longo  geralmente herbívoros e iliófagos
    • intermediário  geralmente onívoros
    •  
  • 39. Intestino Médio
    •  Outros parâmetros relacionados com o hábito alimentar:
    • -        
    •  Coeficiente intestinal = (comp total do intestino/comp. Padrão)
    • - Variação:
    • carnívoros: de 0,2 a 2.5
    • onívoros: de 0,6 a 8,0
    • herbívoros: de 0,8 e 15,0
    •  
  • 40. Intestino
  • 41. Intestino
  • 42. C ecos Pilóricos
    • São evaginações digiformes da parede intestinal
    • Apresentam-se sob vários nº e formas nas diferentes espécies
    • Funções:
    • - secreção de muco para hidrólise de componentes protéicos
    •         - aumento da superfície de absorção de nutrientes
    •          - armazenar alimento
    •             - aumentar o pH do bolo alimentar para toná-lo alcalino e assim deixálo pronto para ser rapidamente aproveitado desde a porção inicial do intestino
  • 43. Glândulas Anexas
    •  Fígado, Pâncreas e Vesícula biliar
    • Os peixes não possuem glândulas salivares, mas em compensação têm glândulas de muco na cavidade oro-branquial
    • O fígado: preparar as substâncias nutritivas, provenientes da absorção intestinal, para serem aproveitadas pelo organismo e estocagem de gordura
    •  O pâncreas é geralmente difuso
  • 44. Fígado
    • Apresenta-se lobulado e composto pelos seguintes tipos celulares:
    • - Hepatócitos, células epiteliais dos ductos biliares, células endoteliais, células de ito (armazenam gordura), macrófagos, células sanguíneas e em alguams espécies, células do pâncreas exócrino (intra-hepático)
    •  
    •  Hepatócitos arranjam-se em túbulos e possuem considerável estoque de glicogênio no citoplasma.
    •  
    •  As vias biliares presentes no fígado convergem para o ducto biliar que leva a bile até a vesícula biliar.
    •  
  • 45. Vesícula Biliar
    • Órgão sacular próximo ao intestino médio
    • F unção de concentração e armazenagem da bile sintetizada no fígado
    •  
  • 46. Pâncreas
    •  Como ocorre em outros vertebrados os peixes apresentam dois tipos de pâncreas:
    •  
    • - Pâncreas exócrino  secreção de substâncias alcalinas e enzimas digestivas como proteases, lipases e amilases
    • - Pâncreas endócrino  secreção de hormônios como insulina, glucagon
    •  
    •  
    • Em outras espécies o pâncreas pode estar difuso nos cecos pilóricos.
  • 47. Bibliografia Universidade Federal de Lavras – Departamento de Zootecnia http://www.abtilapia.com.br/arquiv/AnatomiaPeixe.ppt : Giovani R. de Oliveira - www.saúde animal.com.br Curiosidades Sobre Os Dentes Dos Animais. Autores: Odontopediatrias Antonio Lucindo Bengtson e Nadya Galvão Bengtson -  www.agridata.com.br Anatomia funcional e Fisiologia dos peixes de água doce. Textos Acadêmicos. Priscila Vieira Rosa Logato. Fundamentos da Moderna Aquicultura. Heden Luiz Marques Moreira, Lauro Vargas, Ricardo Pereira Ribeiro, Sérgio Zimmermann. - Biologia Marinha e Pescas. Sistema digestivo. Ficha de concretização de conceitos. Ana Catarina Aires, Ana Maria Leocádio, Inês Mestrinho e João Araújo. http://biologia.ifsc.usp.br/bio1/capitulos/cp7parte4.pdf http://www.institutohorus.org.br/download/fichas/Ctenopharyngodon_idellus.htm