Plano De AvaliaçãO Da Be 4ª SessãO

  • 453 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
453
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Agrupamento Vertical de Escolas do ParchalAno Lectivo 2009/2010Domínio: B – Leitura e LiteraciasIndicadores: B1 – B3 Formanda: Emília Firmino24536403082925Plano de Avaliação da Biblioteca Escolar
    “Planear a avaliação implica tomar em consideração vários procedimentos que têm como propósito, em primeiro lugar, permitir a realização de uma escolha ponderada e participada do domínio que vai ser avaliado. Essa situação tem também implicada a consciencialização dos elementos que vão estar envolvidos no processo de avaliação.” (Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares)
    Assim, de acordo com o que é pedido, seleccionei o Domínio B – Leitura e Literacias. O motivo de escolha deste domínio é porque a BE tem vindo a desenvolver diversas actividades de promoção da leitura e do desenvolvimento da Literacia da Informação. Portanto importa saber o impacto que essas acções de promoção dos hábitos e do gosto da leitura (indicadores de processo) têm tido nas aprendizagens, no sucesso educativo, nas atitudes e nas competências de leitura dos nossos alunos (indicadores de impacto/outcomes).
    B. LEITURA E LITERACIAB.1 – Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura B.3 - Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias Indicador de processoIndicador de Impacto
    Como é cada vez mais importante que as bibliotecas escolares demonstrem o seu contributo para a aprendizagem e o sucesso educativo das crianças e jovens então é impreterível a implementação deste modelo de auto-avaliação seguindo as etapas a ele inerentes.
    “Program evaluation is carefully collecting information about a program or some aspect of a program in order to make necessary decisions about the program.” (Basic Guide to Program Evaluation)
    O Plano de Avaliação aplica-se da seguinte forma:
    Etapas do processoIntervenientesCalendarização1 - Avaliação diagnóstica, elaboração do perfil da BE e selecção do domínio a avaliarEquipa da BE1º Período2 - Envolvimento do Órgão de Gestão na selecção do domínio. Elaboração do Plano de AvaliaçãoCoordenadoraÓrgão de Gestão3 - Divulgação do Plano de Avaliação ao Conselho PedagógicoCoordenadoraConselho Pedagógico2º Período4 - Elaboração dos instrumentos e Recolha de evidências (questionários, grelhas de observação, estatísticas de utilização, …)Equipa da BEAlunosProfessoresEncarregados de educação5 - Tratamento e análise dos dados recolhidos: identificação dos pontos fortes e fracos; benchmarks (relação com os standards de desempenho), definição de níveis de desempenho e perfil da BEEquipa da BE2º e 3º Período6 - Elaboração do relatório de Auto-avaliação, resultante da aplicação do modelo, e atribuição de um nível de desempenho, em conformidade com o modelo;Coordenadora3º Período7 - Elaboração de um plano de melhoria para a Biblioteca Escolar;CoordenadoraConselho Executivo8 - Apresentação dos dois últimos documentos ao Conselho Pedagógico;CoordenadoraConselho PedagógicoConselho geral de Escola9 - Elaboração do Relatório Final de Avaliação da BE a integrar no Relatório Anual de Actividades do Agrupamento.Coordenadora
    ...” Avaliar a biblioteca significa avaliar a sua acção em determinados aspectos e os resultados obtidos com esse trabalho, de acordo com os objectivos previamente definidos, tendo porventura em consideração o referencial (Indicadores e Factores críticos de sucesso) à luz dos quais esses objectivos poderão já ter sido estabelecidos, partindo do princípio que os orientam uma ideia geral de melhoria e desenvolvimento de boas práticas.” (Texto da Sessão)
    B. LEITURA E LITERACIAB.1 – Trabalho da BE ao serviço da promoção da leituraFactores Críticos de sucessoRecolha de Evidências/ Instrumentos A BE disponibiliza uma colecção variada e adequada aos gostos e interesses de informação dos utilizadores. A BE desenvolve, de forma sistemática, actividades diversas no âmbito da promoção da leitura. A BE explora contextos inter e transdisciplinares e associa um conjunto diversificado de actividades à leitura com o objectivo de desenvolver a oralidade, a escrita e as restantes literacias associadas ao acto de ler. A BE organiza sessões de leitura, de reconto, recreação de leitura ou outras que associem diferentes formas de leitura, de escrita ou de comunicação como objectivo de promover o gosto pela leitura. A BE incentiva a leitura informativa com fins recreativos ou direccionada a projectos ou actividades formativas ou curriculares A BE promove encontros com escritores ou outros eventos culturais que aproximem os alunos dos livros ou de outros ambientes e incentivem o gosto pela leitura A BE promove a articulação da leitura com os diferentes domínios curriculares, com os docentes, com a Biblioteca Pública ou outras instituições A BE disponibiliza formação no uso dos ambientes digitais, dotando os utilizadores de competências críticas e operacionais A BE divulga e promove as orientações e actividades relativas ao Plano Nacional de Leitura Estatísticas de requisição/uso dos recursos de informação relacionados com a leitura Dados estatísticos da utilização da BE Estatísticas de utilização informal da BE. Grelhas de Observação Mapas de registo de utilização informal da BE. Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura programada/articulada com outros docentes. Grelhas de Observação e checklists Registos de projectos desenvolvidos no âmbito da promoção da leitura Checklists Questionário aos professores (QP2). Questionário aos alunos (QA2). Registos fotográficos.
    B. LEITURA E LITERACIAB.3 - Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literaciasFactores Críticos de sucessoRecolha de Evidências/ Instrumentos Os alunos usam a Biblioteca para ler de forma recreativa, para se informar ou para realizar trabalhos escolares Os alunos, de acordo com o seu nível de escolaridade, manifestam progressos nas competências de leitura, lendo mais ou com maior profundidade. Os alunos desenvolvem trabalhos onde interagem com equipamentos e ambientes informacionais variados, manifestando progressos nas suas competências no âmbito da leitura e das literacias.Os alunos participam activamente em diferentes actividades associadas à promoção da leitura (clubes de leitura, fóruns de discussão, jornais, etc,…) Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura. Dados estatísticos da utilização da BE Estatísticas de requisição domiciliáriaDados estatísticos da utilização da BE Observação da utilização da BE (O2)- Grelhas de Observação das competências Análise dos trabalhos realizados pelos alunos.Grelhas de análise dos trabalhos dos alunos Análise diacrónica das avaliações dos alunos.Análise dos registos de avaliação Questionário aos docentes (QP2). Questionário aos alunos (QA2). Inquéritos e contacto informal
    “A avaliação de cada indicador ganha em fazer uso de instrumentos diversificados, os quais permitem, ao serem cruzados, obter uma informação mais consistente e fiável.” (Texto da Sessão)
    A aplicação dos instrumentos de recolha de informação aplicar-se-á a 20% do número total de professores e 10% do número total de alunos em cada nível de escolaridade, de modo a obter amostras representativas.
    Formas de divulgação dos resultados:
    Apresentação em Conselho pedagógico;
    Divulgação no blogue da BE
    Divulgação no sítio da Escola;
    Jornal da escola (informação da responsabilidade do professor bibliotecário)

    Limitações na aplicação do Plano: Falta de tempo para consecução do processo;
    Fraca motivação de alguns elementos da equipa devido a falta de formação;
    Recursos humanos escassos;
    A sobrecarga de trabalho que a aplicação do modelo acarreta;
    Dificuldade em envolver todos os intervenientes, como por exemplo os Directores de Turma, para aplicação dos inquéritos aos alunos e/ou coordenadores de departamento para responder aos inquéritos que lhes são propostos;
    Dificuldade em “encontrar” algumas evidencias pois nem tudo se regista…
    Alguma dificuldade no tratamento da informação recolhida
    Bibliografia:
    Textos da Sessão: O Modelo de Auto‐Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte I)
    Basic Guide to Program Evaluation, disponível em:
    http://managementhelp.org/evaluatn/fnl_eval.htm
    Modelo de Auto – Avaliação da Biblioteca Escolar disponível em: http://www.rbe.minedu.pt/np4/?newsId=31&fileName=mod_auto_avaliacao.pdf