Membrana plasmática (plasmalema)

2,043 views
1,617 views

Published on

A membrana plasmática, membrana celular ou plasmalema é a estrutura que delimita todas as células vivas, tanto as procarióticas como as eucarióticas. Ela estabelece a fronteira entre o meio intracelular, o citoplasma, e o ambiente extracelular, que pode ser a matriz dos diversos tecidos.

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,043
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
46
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Membrana plasmática (plasmalema)

  1. 1. MEMBRANA PLASMÁTICA
  2. 2. A célula possui basicamente três componentes: membrana, citoplasma e núcleo • Membrana — envolve externamente a célula e controla as trocas de substâncias diversas entre ela e o meio em que se encontra. • Citoplasma — região que contém uma solução gelatinosa em que estão imersos diferentes tipos de orgânulos que executam atividades diversas, como respiração, excreção, armazenamento de substâncias nutritivas, etc. • Núcleo — é a estrutura que comanda as atividades celulares e que regula o mecanismo de reprodução. O núcleo possui em seu interior moléculas muito especiais chamadas de ácidos nucléicos. São essas moléculas que 4 basicamente organizam o material genético, que comanda as diversas atividades celulares e regula o mecanismo de reprodução.
  3. 3. Mosaico fluido Bicamada de Lipídeos Lembre-se que há água dentro e fora da célula. Observe as caudas dos lipídeos se escondendo da água, dentro da bicamada, e as cabeças, em contato com a água, voltadas para os meios intra e extra celular.
  4. 4. Características • Modelo do Mosaico Fluido • Lipoproteica • Bicamada de lipídios • Proteínas integrais e periféricas
  5. 5. Funções  Mantém meio intra e extracelulares independentes  Controla entrada e saída de substâncias  PERMEABILIDADE SELETIVA  Flexibilidade  regeneração
  6. 6. Glicocálix • Constitui uma barreira contra agentes físicos e químicos do meio externo; • Confere às células a capacidade de se reconhecerem. • Forma uma malha que retém nutrientes e enzimas ao redor das células, de modo a manter nessa região um externo adequado. Presente nas células animais e de muitos protistas, é formado por uma camada frouxa de glicídios, associados aos lipídios e as proteínas da MP. Além de proporcionar resistência à membrana plasmática, possui outras funções: Função: Adesão e reconhecimento celular
  7. 7. Parede celular • Celulose (vegetais) • Quitina (fungos) • Limita o crescimento celular A parede celular é dotada de grande resistência que lhe confere a capacidade de revestir, proteger e sustentar as células.
  8. 8. Parede celular • Parede primária: fina e flexível; • Parede secundária: espessa e rígida • Plasmodesmos: pontes de citoplasma que passam por poros da parede celular
  9. 9. Cabeça Hidrofílica = tem afinidade com a água Cauda Hidrofóbica = não tem afinidade com a água
  10. 10. Transporte de membrana • Íons e moléculas; • Diferença de concentração • Depende ou não de energia
  11. 11. Transporte de membrana • Transporte passivo: acontece quando uma substancia entra ou sai da célula, a favor de um gradiente de concentração, e sem gasto de energia - Maior concentração → menor concentração (Somente para solutos) Ex: Difusão simples, difusão facilitada, osmose • Transporte ativo: acontece a substância atravessa a membrana celular a favor de um gradiente de concentração, com gasto de energia (ATP) - Menor concentração → maior concentração
  12. 12. Difusão simples  Passagem direta pela membrana (lipídios);  Diferença de concentração de solutos;  Sem gasto de energia;  Ex: passagem de gases como o oxigênio e o gás carbônico. Vermelho mais concentrado Azul mais concentrado Ambas regiões com a mesma concentração dos solutos
  13. 13. Difusão facilitada • Proteínas de membrana (permeases); • Diferença de concentração de solutos; • Sem gasto de energia; • Ex.: Glicose e íons como sódio e potássio Meio menos concentrado Meio mais concentrado
  14. 14. Osmose  Proteínas especiais (aquaporinas);  Transporte de solvente (ex. água);  Meios isotônicos: meios separados por membrana semipermeável, com mesma concentração;  Meio hipertônico: meio onde a concentração iônica é maior que outro meio;  Meio hipotônico: Meio em que a concentração iônica é menor que outro meio com o que se está comparando.
  15. 15. Osmose • O solvente passa do local menos concentrado para o mais concentrado, com finalidade de igualar a concentração das soluções.
  16. 16. Osmose nas células - plasmólise Célula vegetal em meio concentrado (hipertônico) Plasmólise: Processo de perda de água para o meio mais concentrado (hipertônico), fazendo a célula “murchar”
  17. 17. Deplasmólise Deplasmólise: Processo inverso à plasmólise, a célula está, então imersa em solução hipotônica (menor concentração).
  18. 18. Osmose em células animais Isotônico Hipertônico Hipotônico
  19. 19. Osmose nas células Célula animal Célula vegetal Solução hipotônica Solução isotônica Solução hipertônica Célula túrgida Célula lisada Célula flácida Célula plasmolisada Célula crenada
  20. 20. Transporte ativo  Proteínas;  Contra o gradiente de concentração;  Com gasto de energia (ATP);  Ex.: bomba de sódio- potássio (impulso nervoso). A célula retira de que precisa de uma molécula chamada adenosina trifosfato ou trifosfato de adenosina (ATP). Essa molécula é formada durante processos bioquímicos da respiração celular, utilizando nutrientes como a glicose. Assim, o ATP é uma espécie de reserva de energia da célula.
  21. 21. Endocitose e Exocitose Há substâncias, e até seres vivos unicelulares, que, pelo seu tamanho, caso tivessem de atravessar a membrana celular, romperiam-na. Quando isso ocorre, a célula modifica sua superfície realizando o transporte de toda a substância de uma só vez, ou seja transporte em bloco. Esse transporte ocorre por meio de dois processos, endocitose e exocitose, e a célula gasta energia para realizá-los. • Transporte de substâncias muito grandes ou em blocos para o interior das células; • Endocitose = entrada de substâncias - Fagocitose (sólidas) - Pinocitose (líquidas) • Exocitose = saída de substâncias - Clasmocitose
  22. 22. Fagocitose • Substâncias sólidas; • Formação de pseudópodos (“falsos pés” - projeções da membrana); • Vesícula fagocítica. É o englobamento de partículas grandes e sólidas pela célula. Para que isso aconteça ela projeta sua membrana sobre o material a ser englobado, envolvendo-o em uma espécie de bolsa ou vesícula. Essa bolsa de membrana celular, contendo o material a ser digerido, chama-se fagossomo.
  23. 23. Pinocitose • Substâncias líquidas; • Formação de invaginação na superfície da célula; • Vesícula pinocítica. O englobamento de pequenas partículas solúveis e de gotículas pela célula. A pinocitose ocorre quando essas substâncias entram em contato com a membrana celular. Nesse momento, a membrana invagina-se em direção ao citoplasma, formando um canal semelhante a uma goteira, o canal de pinocitose ou goteira pinocítica. A vesícula resultante, contendo o material englobado, é chamada pinossomo.
  24. 24. Clasmocitose • Após a digestão nos vacúolos fagocíticos e pinocíticos, restos são expelidos para o ambiente; • É um tipo de exocitose.
  25. 25. Exocitose Toda eliminação de grandes partículas ou macromoléculas é chamada exocitose. O material a ser excretado (eliminado) fica armazenado no interior de vesículas. Essas vesículas fundem-se com a membrana celular e, assim, lançam seu conteudo no meio externo. A clasmocitose ( do grego klasma, ruptura), também chamada de clasmatose ou defecação celular, é uma modalidade de exocitose em resíduos produzidos na digestão intracelular são eliminados.
  26. 26. Especializações da membrana plasmática • Microvilosidades • Desmossomos • Cílios e Flagelos • Interdigitações A membrana celular apresenta modificações adaptadas às funções de sua célula. Essas modificações são as especializações da membrana plasmática.
  27. 27. Microvilosidades • Aumento da superfície de absorção de nutrientes • Revestimento do intestino.
  28. 28. Desmossomos • Adesão entre as células; • Reforço protéico na membrana plasmática; • Seus filamentos protéicos ligam-se ao citoesqueleto. • Somente células animais.
  29. 29. Cílios e Flagelos
  30. 30. ESPECIALIZAÇÕES DA SUPERFÍCIE APICAL DA MEMBRANA CÍLIOS -Projeções cilíndricas MÓVEIS, semelhantes a pêlos -Função: propulsão de muco e de outras substâncias sobre a superfície do epitélio, através de rápidas oscilações rítmicas e no caso dos flagelos funcionam na locomoção -Microtúbulos organizados (9 + 2), inseridos no corpúsculo basal
  31. 31. Plasmodesmos Verdadeiras pontes citoplasmáticas entre células vizinhas permitem que o citoplasma de uma comunique-se com o citoplasma da outra. Os plasmodesmos são interligações entre membranas de células vizinhas que criam pontes citoplasmáticas. Ocorre somente em células vegetais. Os microtúbulos membranosos atravessam as paredes celulares por poros em que não há nenhum tipo de material. São a única via de translado de substâncias e estímulos (alimentação da célula) e são conexões citoplasmáticas que atravessam a parede celular.
  32. 32. Interdigitações • Dobras de membrana entre duas células; • Adesão celular; • Ocorre entre células epiteliais.
  33. 33. Une as células formando uma barreira impermeável e impedindo a infiltração de moléculas indesejáveis no espaço existente entre células vizinhas. JUNÇÃO OCLUSIVA Evita movimentação de moléculas entre diferentes domínios de membrana
  34. 34. A MEMBRANA PLASMÁTICA ESTRUTURA O modelo do mosaico fluido afirma que moléculas protéicas estão em dupla camada lipídica, mas com livre movimentação. FUNÇÃO Permeabilidade seletiva e reconhecimento celular. ESPECIALIZAÇÕES Microvilosidades Ocorrem no epitélio intestinal e servem para aumentar a superfície de absorção. Invaginações de base Promovem o transporte de água nos canalículos renais. Desmossomos e interdigitações Servem para promover a adesão entre as células epiteliais. Resumo
  35. 35. NÃO GASTA ENERGIA GRANDES MOLÉCULAS GASTA ENERGIA TRANSPORTES Passivo Ativo Quantidade MEMBRANA PLASMÁTICA
  36. 36. É a passagem de uma substância de um meio menos concentrado para um meio mais concentrado (contra o gradiente), que ocorre com gasto de energia.
  37. 37. Bomba de NA+ (sódio) e K+ (potássio) Este tipo de transporte se dá, quando íons como o sódio (Na+) e o potássio (K+), tem que atravessar a membrana contra um gradiente de concentração. • Encontramos concentrações diferentes, dentro e fora da célula, para o sódio e o potássio. • Na maioria das células dos organismos superiores a concentração do sódio (Na+) é bem mais baixa dentro da célula do que fora desta. • O potássio (K+) apresenta situação inversa. A sua concentração é mais alta dentro da célula do que fora desta.
  38. 38. Pelo fato de permitir a passagem de certas substâncias, mas não de outras, diz-se que a membrana plasmática é semipermeável ou que possui permeabilidade seletiva.
  39. 39. Envoltórios externos à membrana plasmática:  Glicocálix;  Paredes celulares: Parede bacteriana e Parede celulósica
  40. 40. As células animais podem apresentar um revestimento externo intimamente associado à membrana plasmática, constituído por glicoproteínas (moléculas de glicídios associados a proteínas) e por glicolipídios (moléculas de glicídios associados a lipídios.) As glicoproteínas e os glicolipídios associados se entrelaçam, formando uma espécie de malha protetora externa à membrana , chamada glicocálix.
  41. 41. Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção. Paulo Freire Obrigada pela atenção!!! Estudem... Prof.(a) Nilderlânia

×