Your SlideShare is downloading. ×
Módulo 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Módulo 2

132
views

Published on

Oswaldo Cruz e Manguinhos; A Campanha contra a Febre-Amarela; …

Oswaldo Cruz e Manguinhos; A Campanha contra a Febre-Amarela;
A Luta contra a Peste Bubônica; A Hora da Varíola;

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
132
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. OSWALDO CRUZ E MANGUINHOS A 23 DE MARÇO DE 1903, Rodrigues Alves EM 1900, O GOVERNO INAUGUROU nomeou Oswaldo Cruz para a Diretoria-Geral de O INSTITUTO SOROTERÁPICO Saúde Pública, com a tarefa de sanear a capital e FEDERAL, com a atribuição de fabricar soros e vacinas combater as principais epidemias que assolavam o Rio: contra a peste. A direção geral do novo órgão, instalado a peste bubônica, a febre amarela e a varíola. na antiga fazenda jesuíta de Manguinhos, foi entregue ao Nascido em 5 de agosto de 1872 no Estado de São Paulo, Barão de Pedro Afonso, proprietário do Instituto Vacínico Oswaldo Gonçalves Cruz formou-se em Medicina aos 20 anos, Municipal; a área técnica ficou a cargo de Oswaldo Cruz. com a tese A Veiculação Microbiana pela Água. Seu interesse Em 1902, o Barão afastou-se de Manguinhos, ao entrar pela microbiologia, ainda não muito difundida na época, em atrito com Oswaldo, por divergências quanto aos objetivos da instituição. O jovem pesquisador, que defendia levou-o a Paris para estudar no Instituto Pasteur. Foi o segundo brasileiro a fazê-lo. Chegou na capital francesa em pleno augea abertura de novas linhas de produção e o desenvolvimento de descobertas de microorganismos patogênicos e do de trabalhos experimentais, assumiu a 9 de dezembro a desenvolvimento de soros. Ao retornar da Europa, direção geral do Instituto Soroterápico, utilizando-o, no ano Oswaldo Cruz foi designado, em 1899, para combater uma seguinte, como base para suas campanhas de saneamento. epidemia de peste bubônica que grassava em Santos. Estava dado assim o primeiro passo para a transformação de Manguinhos de uma simples fábrica “Leitores, acaso conhecem o Oswaldo, rapaz elegante, rapaz dos de vacinas no maior centro de Medicina bonitos. Que mata a Amarella, matando os mosquitos. Conhecem Experimental da América Latina. o chefe da higiene do Rio? O sábio mais moço que existe no globo?” Foto de Oswaldo Cruz. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. Conjunto histórico arquitetônico de Manguinhos, 1927. Jornal da época Acervo Casa de Oswaldo Cruz.
  • 2. A CAMPANHA CONTRA A FEBRE AMARELA “Disponha o governo do dinheiro e das leis O SANITARISTA BASEOU O COMBATE que julga necessárias, e a febre amarella, À FEBRE AMARELA no recente êxito da campanha realizada no Rio, será, em breve, um mito.” pelos americanos em Havana e em algumas experiências realizadas Oswaldo Cruz no Brasil, que comprovavam o acerto da teoria do médico cubano Carlos Finlay de que o transmissor da doença era um mosquito: o Aedes OSWALDO CRUZ ESTRUTUROU A CAMPANHA aegypti, conhecido então como Stegomyia fasciata ou Culex aegypti. contra a febre amarela em moldes militares, dividindo Numa época em que ainda se acreditava que a maior parte das Ilustração retirada da revista a cidade em dez distritos sanitários, cada qual chefiado doenças era provocada pelos ares pestilenciais, a idéia de "se pagar a O Tagarela fazendo alusão aos culicídeos, família de insetos por um delegado de Saúde. Seu primeiro passo foi rapagões para caçar mosquitos", como dizia uma revista de então, só à qual pertence o mosquito transmissor da febre amarela, 1903. extinguir a dualidade na direção dos serviços de Higiene. poderia provocar o riso. O jovem pesquisador bem que tentou alterar Acervo Casa de Oswaldo Cruz. Para isso, estabeleceu-se uma conjugação de esforços a opinião pública, fazendo publicar seus Conselhos ao Povo, uma série entre os setores federais e a Prefeitura, com a de folhetos educativos. Mas enfrentou a oposição de grande parte incorporação à Diretoria-Geral de Saúde Pública da classe médica, que não aceitava a teoria de Finlay. do pessoal médico e de limpeza pública municipal. Oswaldo Cruz não foi poupado: charges diárias na imprensa, canções A polícia sanitária impunha medidas com letras maliciosas, quadrinhas... Mas o riso logo se transformou em rigorosas para o combate ao mal amarílico, inclusive indignação, devido ao rigor com que eram aplicadas as medidas multando e intimando proprietários de imóveis sanitárias – especialmente a remoção dos doentes e a entradaAparelhos Clayton para serviços insalubres a demoli-los ou reformá-los. nas casas para o expurgo, mesmo sem autorização dos proprietários.de profilaxia terrestre, década de1900. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. As brigadas mata-mosquitos percorriam a cidade, limpando Preparação de casa para desinfecção, década de 1900. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. calhas e telhados, exigindo providências para proteção de caixas-dágua, colocando petróleo em ralos e bueiros e acabando com depósitos de larvas e mosquitos. Nas áreas de foco, expurgavam as casas, pela queima de enxofre e piretro (um tipo de inseticida) e providenciavam o isolamento domiciliar dos doentes ou sua remoção para o Hospital São Sebastião.
  • 3. A LUTA CONTRA A PESTE BUBÔNICA “Rato, rato, rato Por que motivo tu roeste o meu baú Rato, rato, rato Audacioso e malfazejo gabiru.” Carnaval de 1904 EM SEGUIDA, o sanitarista iniciou sua luta contra a peste bubônica. A campanha previa a notificação compulsória dos casos, isolamento e aplicação do soro fabricado em Manguinhos nos doentes, vacinação nas áreas mais problemáticas, como a zona portuária, bem como desratização da cidade. A associação entre ratos e mosquitos era irresistível. E a decisão da Saúde Pública de pagar por cada roedor capturado, dando origem aos inúmeros compradores de gabirus que percorriam as ruas, só agravou a situação.Produção de soro antipestoso Logo constatou-se fraude – importação de animaisnas dependências do InstitutoOswaldo Cruz, década de 1900. das cidades próximas e, até mesmo, a criação de ratos em casaAcervo Casa de Oswaldo Cruz. para venda. O maior sucesso do carnaval de 1904 não podia deixar de ser Rato, Rato, de Casemiro Rocha e Claudino Costa. “Caça aos Ratos”. Álbum de recortes de jornais e revistas reunidos por Oswaldo Cruz, década de 1900. Autor: J. Carlos. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. “A Água Lava Tudo”, Rodrigues Alves e Oswaldo Cruz. Álbum de recortes de jornais e revistas reunidos por Oswaldo Cruz, década de 1900. Autor: J. Carlos. Acervo Casa de Oswaldo Cruz.
  • 4. A HORA DA VARÍOLA "Não tem nome, na categoria dos crimes do poder, a temeridade, a violência, a tirania a que ele se aventura, expondo-se (...) a me envenenar, com a introdução, no meu sangue, de um vírus em cuja influência existem os mais fundados receios de que seja condutor da moléstia, ou da morte." Rui Barbosa EM 1904, UMA EPIDEMIA DE VARÍOLA ASSOLOU A CAPITAL. Somente nos cinco primeiros meses,1.800 pessoas tinham sido internadas no Hospital São Sebastião. Embora uma lei prevendo imunização compulsória das crianças contra a doença estivesse em vigor desde 1837, ela nunca fora cumprida. Assim, a 29 de junho de 1904, o governo enviou ao Congresso projeto reinstaurando a obrigatoriedade de vacinação antivariólica. Suas cláusulas previam vacinação para crianças antes dos 6 meses de idade e para todos os militares Fac-símile da lei de vacinação e revacinação de sete em sete anos. obrigatória contra a varíola, publicada Impunham a exigência de atestado de em A Avenida, 1904. Acervo Casa imunização para candidatos a quaisquer de Oswaldo Cruz. cargos ou funções públicas, para quem quisesse se casar, viajar ou matricular-se numa escola. Davam ainda à polícia sanitária poderes para convidar todos os moradores de uma área de foco a se imunizar. Quem se recusasse seria submetido à observação médica em local apropriado, pagando as despesas de estada. Referência à varíola, retirada da charge “Conferência Sinistra”. O projeto estipulava ainda punições e multas para médicos que Diálogo entre os três grandes males que assolavam o emitissem atestados falsos de vacinação e revacinação, obrigava diretores Rio de Janeiro. O Tagarela, agosto de 1904. de colégio a obedecer às disposições sobre imunização dos estudantes Autor: Raul Pederneiras. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. e instituía a comunicação de todos os registros de nascimento.