• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
314
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. A CONSTRUÇÃO DA REVOLTA A MAIOR RESISTÊNCIA À NOVA LEI vinha do Apostolado Positivista, que desde o final do Império lutava contra a obrigatoriedade da vacinação. Em uma série de folhetos contra o “despotismo sanitário” do governo, Teixeira Mendes e o médico Bagueira Leal atribuíam à vacina inúmeros perigos para a saúde, como sífilis, tuberculose, erisipela, gangrena, convulsões, entre outras doenças. No Congresso, os debates foram Templo da Igreja Positivista do Rio de Janeiro, década acirrados, principalmente devido à recente de 1900. Acervo Igreja Positivista do Rio de Janeiro. aprovação de projeto do deputado Melo Mattos, que concedia às autoridades sanitárias o poder de derrubar prédios e designava um juiz especial para resolver casos pendentes da Saúde Pública. Aproveitando-se de sua ampla maioria, o governo agilizou a tramitação da nova lei. A oposição tentou obstruir a discussão, chegando a apresentar mais de cem emendas, sem resultado. Apesar da feroz oposição dos senadores Lauro Sodré e Barata Ribeiro, o Senado aprovou o projeto em 20 de julho, com 11 votos contrários. Em agosto, iniciou-se a discussão na Câmara. A resistência era liderada pelo deputado Barbosa Lima. “A Varíola”. O deputado Barbosa Lima discursa na tribuna da Câmara. Jornal do Brasil, julho de 1904. Autor: Bambino. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. “Vacina Obrigatória”. Revista da Semana, setembro de 1904. Autor: Bambino. Acervo Casa de Oswaldo Cruz.
  • 2. A BATALHA DE PAPEL “Assim como o direito veda ao poder humano invadir-nos a consciência, assim lhe veda transpor-nos a epiderme.” Rui Barbosa OS JORNAIS DIVULGAVAM DIARIAMENTE denúncias de arbitrariedades cometidas pelos inspetores “Ao herói dos mosquitos.” sanitários e de mortes atribuídas à vacina. Revista da Semana, junho/julho de 1904. A idéia de os médicos da Saúde Pública Acervo Casa de Oswaldo Cruz. penetrarem, à força, nas residências para vacinar seus habitantes – amplamente explorada pela imprensa – inflamou a população. As associações dos trabalhadores mobilizaram-se contra a proposta do governo. O Centro das Classes Operárias, liderado “Para 1905 – A Lavagem Obrigatória.” Correio do Brasil, por Vicente de Souza, assumiu a dianteira do movimento, setembro de 1904. Autor: Leônidas. sendo um dos primeiros a organizar listas de assinaturas contraAcervo Casa de Oswaldo Cruz. a obrigatoriedade, enviadas ao Congresso. Das cerca de 15 mil pessoas que figuravam nestas listas, mais de 10 mil eram operárias. A campanha contra a vacina obrigatória começava a provocar resultados alarmantes. Em julho, 23.021 pessoas haviam sido imunizadas nos postos da Saúde Pública; em agosto, esse número baixou para 6.036. A classe médica estava dividida. Enquanto profissionais de renome posicionavam-se contra a imposição da vacinação – alguns inclusive defendendo a eficácia do imunizante –, a Academia Nacional de Medicina enviou mensagem a Rodrigues Alves apoiando a proposta. Charge sobre a resistência à vacina entre famílias da classe média. O Tagarela, agosto de 1904. Autor: Raul Pederneiras. Acervo da Casa de Oswaldo Cruz.
  • 3. TEMPO DE CONSPIRAÇÃO “Quando a um povo se trancam os tribunais, se recusam juízes que lhe reconheçam e assegurem os direitos, o sentimento de independência e a consciência do próprio direito, impelem-no aos extremos da revolução, com aplausos da posteridade.” Correio da Manhã EM 31 DE AGOSTO, A CÂMARA APROVOU A VACINAÇÃO OBRIGATÓRIA. Restava agora sua regulamentação. Esta se daria por decreto governamental. Conspirava-se nos quartéis. Em janeiro, no aniversário da morte de Benjamin Constant, oficiais e alunos da Escola Militar já tinham saído em procissão positivista pela Avenida em construção, afrontando o governo, a reforma urbana e a vacinação obrigatória. Os militares prepararam um golpe de Estado para 17 de outubro, data do aniversário de Lauro Sodré. Informado da conspiração, o governo denunciou-a nos jornais, causando o adiamento dos planos. A 5 de novembro, foi fundada a Liga contra a Vacinação Obrigatória, no Centro das Classes Operárias. Seus dirigentes, Lauro Sodré, Barbosa Lima e Vicente de Souza, pronunciaram discursos inflamados para mais de 2 mil pessoas, conclamando-as a resistirem à vacinação obrigatória. O clima de tensão chegara ao auge. A revolta estava pronta para sair à rua. A 9 de novembro, o jornal A Notícia publicou um esboço do decreto de regulamentação. Suas medidas draconianas estarreceram a população. Acima e ao fundo, “A vacinação”. Correio do Brasil, outubro de 1904. Autor: Raul Pederneiras. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. “Os Célebres Cérebros.” “Vacina de nova espécie.” A Avenida, setembro de 1904. O Malho, agosto de 1904. Autor: Vasco. Acervo Casa de Oswaldo Cruz. Acervo Casa de Oswaldo Cruz.