Aula   arh [modo de compatibilidade]
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Aula arh [modo de compatibilidade]

on

  • 365 views

 

Statistics

Views

Total Views
365
Views on SlideShare
266
Embed Views
99

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

3 Embeds 99

http://enfermagemintegral.blogspot.com.br 93
http://www.enfermagemintegral.blogspot.com.br 4
http://enfermagemintegral.blogspot.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Aula   arh [modo de compatibilidade] Aula arh [modo de compatibilidade] Presentation Transcript

  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) Profa Míria Santos 2014/01 Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) Objetivos - Definir Gestão de Recursos Humanos (RH) - Apresentar os aspectos gerais da RH - Estabelecer a relação entre trabalho mecanicista X trabalho em grupogrupo - Definir Gestão de Recursos Humanos (RH) e Enfermagem - Conceituar dimensionamento de pessoal e enfermagem - Realizar cálculo de dimensionamento de pessoal - Apresentar: Escala mensal e Escala diária Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) Gestão de recursos humanos, gestão de pessoas ou ainda administração de recursos humanos, conhecida pelaadministração de recursos humanos, conhecida pela sigla ´´RH ´´
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) RH é uma associação de habilidades e métodos, políticas, técnicas e práticas definidas, com o objetivo de administrar os comportamentos internos e potencializar o capital humano nas organizações.potencializar o capital humano nas organizações. RH é o conjunto dos empregados ou dos colaboradores de uma organização.
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) O que é uma organização? É uma palavra originada do Grego "organon" (significa instrumento, utensílio, órgão ou aquilo com que seinstrumento, utensílio, órgão ou aquilo com que se trabalha). De um modo geral, organização é a forma como se dispõe um sistema para atingir os resultados pretendidos com vista a uma mesma finalidade.
  • Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) Organização FORMAL Organização planejada e Organização INFORMAL Organização que têm natureza socialOrganização planejada e estruturada seguindo hierarquia, classificação de cargos definidos e um regulamento interno social onde as relações são geradas espontaneamente entre as pessoas, resultado do próprio funcionamento e evolução da empresa.
  • Teoria Geral de Sistemas nas organizações, apontam que a cultura organizacional reflete as normas e valores docultura organizacional reflete as normas e valores do sistema formal como uma reinterpretação do sistema informal.
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) Cultura Organizacional É o conjunto de valores , crenças , normas de conduta. É a forma como a organização se relaciona com as pessoas (público interno e externo)
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (RH) O objetivo do (RH) é alinhar as políticas de RH com a estratégia da organização.estratégia da organização.
  • Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • ANTES - RH 1. Admissão → Controle do ponto (faltas e atrasos) → Controle das férias → Controle do atestado médico→ Controle do atestado médico 2 .Pagamento 3. Demissão ÄÆÐÙÖrqtxyv : recursos ( operações e mecânica e lucro) Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • HOJE – Finalidade da RH ATRAIR MANTER DESENVOLVER PESSOAS (desenvolvimento humano)
  • RH Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • RH Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Gestão de Recursos Humanos na Enfermagem Estrutura Organizacional do Serviço de Enfermagem (JERICO, Marli de Carvalho; PERES, Aida Maris and KURCGANT, Paulina. Estrutura organizacional do serviço de enfermagem: reflexões sobre a influência do poder e da cultura organizacional. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2008, vol.42, n.3, pp. 569-577) Este estudo discute a cultura e o poder influenciando aEste estudo discute a cultura e o poder influenciando a estrutura organizacional do serviço de enfermagem em um hospital de ensino. A partir da necessidade de padronizar os procedimentos de enfermagem por parte da administração geral do hospital, foi desenhada a estrutura organizacional (organograma) do Serviço de Enfermagem. Os enfermeiros gestores ampliaram o espaço de poder, fortalecendo a Enfermagem no ambiente intra-institucional.
  • Estrutura Organizacional Vertical do Serviço de Enfermagem
  • E Estrutura Organizacional Funcional do Serviço de Enfermagem
  • Estrutura Organizacional Funcional do Serviço de Enfermagem
  • Estrutura Organizacional Funcional do Serviço de Enfermagem
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS e
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS e
  • GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS e ENFERMAGEM Dimensionamento de pessoal de enfermagem Fixa e estabelece parâmetros para dimensionar o quadro de profissionais de enfermagem para as unidadesprofissionais de enfermagem para as unidades assistenciais nas instituições de saúde e assemelhados. COREN (2010)
  • GRH de ENFERMAGEM Dimensionamento de pessoal "Os aspectos quantitativos dos profissionais de enfermagem nas instituições de saúde são enfatizados para que haja a garantia da segurança e da qualidade de assistência aogarantia da segurança e da qualidade de assistência ao cliente e a continuidade da vigília perante a diversidade de atuação nos cuidados e na atenção da equipe de enfermagem.“ Enf. Lidia Demeneghi (2005)
  • Resolução COFEN - nº 293/2004 Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde eAssistenciais das Instituições de Saúde e Assemelhados Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Resolução COFEN - nº 293/2004 Art. 1º - Os parâmetros para dimensionar o quantitativo mínimo dos diferentes níveis de formação dos profissionais de Enfermagem para a cobertura assistencial nas instituições de saúde.saúde. § 2º - As características da instituição também devem ser consideradas, podendo sofrer adequações regionais e/ou locais, de acordo com realidades epidemiológicas Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Resolução COFEN - nº 293/2004 • Art. 2º - O dimensionamento e a adequação quantiqualitativa do quadro de profissionais de Enfermagem devem basear-se em características relativas: I - à instituição/empresa : Missão; Porte; Estrutura organizacional; Estrutura física; Tipos de serviços e/ou programas; Tecnologia eEstrutura física; Tipos de serviços e/ou programas; Tecnologia e complexidade dos serviços e/ou programas; Política de pessoal; Política do RH; Política financeira; Atribuições e competências dos integrantes dos diferentes serviços e/ou programas; Indicadores tanto do Ministério da Saúde quanto institucionais. Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • II - ao serviço de Enfermagem: Fundamentação legal do exercício profissional • (Lei nº 7.498/86 e Decreto nº 94.406/87); - Código de Ética dos Profissionais deEnfermagem, Resoluções COFEN e Decisões dosProfissionais deEnfermagem, Resoluções COFEN e Decisões dos CORENs; - Aspectos técnico administrativos; • dinâmica de funcionamento das unidades nos diferentes turnos (manhã, tarde e noite); Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • • modelo gerencial; modelo assistencial; métodos de trabalho; jornada de trabalho (6h;8h; 12h; 24 h); • carga horária semanal (20; 36; 40; 44h); padrões de desempenho dos profissionais; índice de segurança técnica (IST); taxa dedos profissionais; índice de segurança técnica (IST); taxa de absenteísmo (TA) e taxa ausência de benefícios da unidade assistencial; férias; • proporção de profissionais de Enfermagem de nível superior e de nível médio, e indicadores de avaliação da qualidade da assistência. Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • III - à clientela: Sistema de Classificação de Pacientes (SCP), realidade sóciocultural e econômica Pacientes de cuidados mínimos (PCM)/autocuidado Paciente estável, sob o ponto de vista clínico e de enfermagem, e fisicamente autossuficiente quanto ao atendimento das necessidades humanas básicas.humanas básicas. Pacientes de cuidados intermediários (PCI) Paciente estável, sob o ponto de vista clínico e de enfermagem, requerendo avaliações médicas e de enfermagem, com parcial dependência dos profissionais de enfermagem para o atendimento das necessidades humanas básicas. Escore de Schein/Rensis Likert Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Pacientes de cuidados semi-intensivos (PCSI) Paciente grave e recuperável, com risco iminente de morte, sujeito à instabilidade das funções vitais, requerendo assistência de enfermagem e médica permanente e especializada. Pacientes de cuidados intensivos (PCIt) Paciente grave e recuperável, com risco iminente de morte, sujeito à instabilidade das funções vitais, requerendo assistência de enfermagem e médica permanente e especializada. Escore de Schein/Rensis Likert Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Indicadores • Estado Mental • Sinais Vitais • Motilidade • Oxigenação Eliminação • Cuidados Mínimos (até 17 pontos) • Cuidados Intermediários (18 a • Eliminação • Terapêutica • Integridade Cutâneo-Mucosa • Cuidado Corporal • Alimentação • Cuidados Intermediários (18 a 28 pontos) • Cuidados Semi ( 29 a 39 pontos) • Intensivos- Cuidados Intensivos (40 a 50 pontos) Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Art. 3º - O referencial mínimo para o quadro de profissionais de Enfermagem, incluindo todos os elementos que compõem a equipe, referido no Art. 2º7.498/86, para as 24 horas de cada Unidade de Internação, considera o SCPhoras de cada Unidade de Internação, considera o SCP (Sistema de Classificação do Paciente), as horas de assistência de Enfermagem, os turnos e a proporção funcionário/leito. Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Art. 4º - Para efeito de cálculo, devem ser consideradas como horas de Enfermagem, por leito, nas 24 horas (www.portalcoren-rs.gov.br): • 3,8 horas de enfermagem por paciente, na assistência mínima ou autocuidado (PCM); • 5,6 horas de enfermagem por paciente, na assistência• 5,6 horas de enfermagem por paciente, na assistência intermediária (PCI); • 9,4 horas de enfermagem por paciente, na assistência semi- intensiva (PCSI); • 17,9 horas de enfermagem por paciente, na assistência intensiva (PCIt). Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Considerar Índice de segurança técnica – IST – 15% (nunca inferior) Jornada semanal de trabalho – JST – Considerar 20; 24; 30; 36 e 40 horas Período de tempo – PT - 4, 5 e 6 horas Distribuição percentual dos profissionais de enfermagem: Assistência mínima e intermediária - 33 a 37% de enfermeiros e osAssistência mínima e intermediária - 33 a 37% de enfermeiros e os demais são técnicos de enfermagem e/ou auxiliares de enfermagem; Assistência semi-intensiva - 42 a 46% de enfermeiros e os demais são técnicos e/ou auxiliares de enfermagem; Assistência intensiva - 52 a 56% de enfermeiros, demais são técnicos de enfermagem e/ou auxiliares de enfermagem. Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • Cálculo de Pessoal (QP) Fórmula de Fugullin QP= Numero de leitos (% de ocupação) X Hs. de enf. X dias da semana ______________________________________________________________________________________________________________________ Jornada semanal de trabalho QP=Número de pessoal HS= Horas de enfermagem Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • EXERCÍCIO 1. Qual a necessidade de pessoal de enfermagem para uma unidade assistencial com 24 leitos de pacientes cirúrgicos nos diferentes turnos, sendo que 16 pacientes com cuidados intermediários e 08 com cuidados mínimos? (90% de ocupação).
  • EXERCÍCIO 1 QUESTÃO 1. Fórmula de Fugullin QP= Numero de leitos (% de ocupação) X Hs. de enf. X dias da semana ___________________________________________________________ Jornada semanal de trabalho N0 de pessoal = 90% de 16 leitos = 14 (cuidados internediários = 5,6)N0 de pessoal = 90% de 16 leitos = 14 (cuidados internediários = 5,6) 90% de 08 leitos = 07 (cuidados mínimos = 3,8) N0 de pessoal = (14 leitos x 5,6 horas + 07 leitos x 3,8) x 7 dias da semana ______________________________________________ 36
  • N0 de pessoal= (78,40 + 26,60) x 7 = 735 36 36 N0 de pessoal= 735 = 20,42 36 N0 de pessoal = 20.42 acrescidos de 15% de Índice de Segurança TécnicaN de pessoal = 20.42 acrescidos de 15% de Índice de Segurança Técnica (IST) / Resolução COFEN n 293/2004 = 20x15÷100 = 03 N0 de pessoal = 20,42 + 03 = 23 profissionais de enfermagem Nota: Distribuição percentual dos profissionais de enfermagem: Assistência mínima e intermediária - 33 a 37% de enfermeiros e os demais são técnicos de enfermagem ou aux. de enfermagem; Fundamentos de Administração em Enfermagem
  • ESCALA DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL A distribuição de pessoal de enfermagem é uma atividade complexa, que despende tempo e requer do seu responsável conhecimento relativo: necessidades da clientela, características da equipe, dinâmica da unidade leis trabalhistas. Esta função deve ser, também, exercida de forma racional para assegurar que a assistência de enfermagem seja prestada da melhor maneira possível.
  • ESCALA DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Tipos de escalas 1. Escala mensal o É a distribuição ao longo dos dias do mês. e é onde são registrados as folgas, férias e licenças dos funcionários.as folgas, férias e licenças dos funcionários. o Contempla os três turnos de trabalho: manhã, tarde e noite ou [ M (7-13); T (13-19); MT (7-19), SN (19-7)]
  • ESCALA MENSAL
  • ESCALA DE DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL Quem elabora ? Freqüentemente, a Gerente da Enfermagem / Gerente da Unidade é a responsável pela elaboração da escala mensal, podendo estaa responsável pela elaboração da escala mensal, podendo esta função ser delegada a outra pessoa da equipe. Porém, a enfermeira-chefe deverá supervisionar a elaboração da escala.
  • Recomendações para a elaboração da ESCALA MENSAL Colocar o nome completo de cada funcionário e o cargo que o mesmo ocupa; Usar código para representar cada um dos turnos: M (Manhã); T (Tarde); MT (M/T); N (Noite) e F (Folga);(Tarde); MT (M/T); N (Noite) e F (Folga); ressaltar na escala os domingos e feriados; certificar-se do número de folgas correspondentes ao mês, registrando o mesmo no rodapé da escala;
  • evitar deixar folgas de um mês para o outro, pois o acúmulo de folgas dificulta a elaboração das escalas; verificar o dia da última folga do mês anterior, para que não haja período maior do que sete dias seguidos sem folga; cuidar para que o retorno do funcionário de férias ocorra em dia útil;
  • consultar a escala anterior para verificar o último plantão em que o funcionário compareceu ao trabalho no mês; checar se há equilíbrio em número e qualificação profissional dochecar se há equilíbrio em número e qualificação profissional do pessoal nos plantões; fazer com que a distribuição das folgas dos funcionários, em domingos e feriados, seja eqüitativa;
  • Escala Diária A escala diária é a divisão das atividades diárias da equipe de enfermagem; Têm por objetivo, de maneira eqüitativa, dividir a equipe a fim deTêm por objetivo, de maneira eqüitativa, dividir a equipe a fim de garantir a supervisão, a assistência e evitar a sobrecarga de alguns sujeitos e ociosidade de outros; Também conhecida como escala de atividade diária ( números de leitos ou tarefas)
  • ESCALA DIÁRIA Quem elabora? É elaborada pelo enfermeiro responsável pelo plantão ou turno. Método funcionalMétodo funcional o Distribuição do atendimento, de acordo com as tarefas, às várias categorias do pessoal de enfermagem. Método integral o A distribuição é baseada no Sistema de Classificação de Paciente (SCP)
  • Humanização da escala O ideal é que o acesso a escala seja facultativo a todos. O funcionário deverá ter alocado, dentro do possível, suas preferências de folga e férias A alocação em plantões deverá ser avaliada em equipe. O rodízio de folgas é importante para não haver favorecimentos. A escala deverá ser disponibilizada com antecedência para que todos consigam fazer suas atividades externas.
  • 2. Você deve planejar uma unidade de internação 13 pacientes com cuidados semi-intensivos, distribuídos nas 24 h com 100% de ocupação. Cálculo de Pessoal: 2 e 3 3. Em uma unidade pediátrica com ocupação de 80% , qual é o quadro de pessoal necessário para atendimento de 24 horas, 06 pacientes com cuidados intensivos?